DCSIMG


Confira as participantes confirmadas até o momento:

Convidadas internacionais

Adele Patrick

Adele Patrick
co-fundadora e gerente de desenvolvimento criativo da Glasgow Women’s Library

Adele Patrick é co-fundadora e gerente de desenvolvimento criativo da Glasgow Women’s Library, biblioteca escocesa focada na história, cultura e conquistas femininas. Ao longo de 25 anos, desenvolveu projetos inovadores relacionados a igualdade de gênero tanto no âmbito acadêmico quanto em comunidades. Com formação em Design, Adele dedicou-se a diferentes projetos, incluindo uma cooperativa feminina de autoconstrução e a criação de um programa transformador que visa levar inclusão a organizações culturais. Em 2016, foi eleita a Mulher do Ano na Escócia e, em 2017, recebeu o título de doutora honoris causa da Glasgow School of Art e da University of Strathclyde. Em 2018, foi escolhida para participar do Clore Leadership, um programa de desenvolvimento de lideranças que busca transformar e aprimorar práticas culturais e de participação.

Aparna Hedge

Aparna Hedge
Uroginecologista, pesquisadora e empreendedora social

Uroginecologista, pesquisadora e empreendedora social, Aparna Hegde é fundadora da Armman, organização que concebe e implementa ações para reduzir a mortalidade e a morbidade materna e neonatal em comunidades rurais e urbanas desfavorecidas na Índia. Desenvolveu os principais programas da organização, incluindo iniciativas voltadas para problemas relacionados ao HIV/Aids e à desnutrição, que utilizam tecnologias de maneira inovadora e eficiente e já atenderam mais de um milhão de pessoas. Mestre pela Universidade Stanford, nos Estados Unidos, também fundou o Center for Urogynecology and Pelvic Health, um centro de excelência pioneiro no campo da uroginecologia e cirurgia reconstrutiva pélvica localizado em Nova Délhi. Aparna é membro do comitê editorial do International Urogynecology Journal e do comitê de educação da Associação Internacional de Uroginecologia.

Carla Fernandes

Carla Fernandes
Presidente da associação Afrolis

Carla Fernandes nasceu em Angola e cresceu em Portugal. Depois de cursar Tradução, mudou-se para a Alemanha para integrar a equipe editorial em Português para a África da Rádio Deutsche Welle, onde trabalhou na produção de reportagens e rádio novelas. De volta a Portugal, em 2013, escreveu seu primeiro drama radiofônico. Moradora de Lisboa, ela atua como jornalista, produtora de rádio freelance e blogueira. Criou o audioblog “Radio Afrolis” onde aborda questões relacionadas a comunidades afrodescendentes que vivem em Lisboa e é presidente de uma associação (Afrolis) com o mesmo objetivo. Em 2018, a associação publicou um livro de poesia coletivo chamado Djidiu - Uma herança do Ouvido. Carla foi organizadora do volume e uma das autoras publicadas. A angolana também dirige um “ bar afrocentrado”, chamado Lugar de Fala, em Lisboa.

Facebook | Afrolis | Djidiu | Cultural bar "Lugar de Fala"

Deborah Coles

Deborah Coles
Diretora da ONG Inquest (oferece apoio, orientação e atendimento a advogados e familiares de presos)

Deborah Coles é diretora da Inquest, ONG que oferece apoio, orientação e atendimento a advogados e familiares de presos. Deborah é especialista em atendimento a grupos vulneráveis ou marginalizados dentro do sistema penitenciário e penal, trabalhando em casos de mortes de menores, mulheres e integrantes de minorias étnicas em poder policial ou sob custódia do Estado. Atuou como consultora independente de várias comissões governamentais sobre o tema e trabalha com outras organizações em iniciativas relacionadas a direitos humanos, racismo e justiça criminal. Deborah é co-autora de Dying On The Inside, Examining Women’s Deaths In Prison; Unlocking the Truth: Families' Experiences of the Investigation of Deaths in Custody ;e In the Care of the State: Child Deaths in Penal Custody in England & Wales.

Diana Andringa

Diana Andringa
Jornalista e documentarista

Diana Andringa nasceu em 1947, em Angola. Em 1964, ingressou na Faculdade de Medicina de Lisboa, que abandonou para se dedicar ao jornalismo. Em janeiro de 1970, foi condenada à prisão por apoiar a independência de Angola.  Libertada, voltou ao jornalismo na Radio Televisão de Portugal (RTP), onde realizou vários documentários. A partir de 1983, passou a atuar como líder sindical, chegando a presidente do Sindicato dos Jornalistas. Foi também cronista no Diário de Notícias, na RTP e no jornal O Público. Depois de deixar a RTP, em 2001, continuou a realizar documentários, entre eles Timor-Leste, o sonho do crocodilo; GuinéBissau: as duas faces da guerra; Tarrafal: memórias do campo da morte lenta e Operação Angola: fugir para lutar. Em 2013, obteve o grau de Doutora em Sociologia da Comunicação pelo Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE).

Donalda Mackinnon

Donalda Mackinnon
Diretora da BBC Escócia

Donalda Mackinnon é diretora da BBC Escócia, emissora pública britânica. Iniciou a carreira na emissora como pesquisadora e produtora assistente, chegando a outros postos de direção como de produção de conteúdo. Liderou, em 2018, o plano de carreira para as mulheres na emissora. Os trabalhos resultaram no relatório “Making the BBC a Great Workplace for Women”. Donalda dedica-se também à BBC Children in Need, ONG da emissora que assiste crianças e jovens em situação de vulnerabilidade no Reino Unido.

Duília de Mello

Duília de Mello
Astrônoma brasileira colaborada da NASA e professora da Universidade Católica de Washington -EUA

Duilia de Mello é astrônoma pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Mestre pelo Instituto de Pesquisas Espaciais e pela Universidade do Alabama. Doutora pela Universidade de São Paulo com pós doutorado pelo Instituto do Telescópio Espacial Hubble, nos Estados Unidos e também pelo Cerro Tololo Interamerican Observatory, no Chile. Trabalhou no Observatório Espacial Onsala da Universidade de Chalmers, na Suécia, de 1999 a 2002. É professora titular da Universidade Católica de Washington desde 2008. Pesquisadora do Instituto de Astrofísica e Ciência da Computação, e colabora com o Goddard Space Flight Center da NASA. Autora de mais de 100 artigos científicos.

Edna Adan Ismail

Edna Adan Ismail
Ativista, fundadora e diretora do Hospital Maternidade Edna Adan Ismail

Edna Adan Ismail é fundadora e diretora do Hospital Maternidade Edna Adan Ismail e uma ativista reconhecida por sua longa dedicação à saúde pública e aos direitos das mulheres na África. Nascida em Hargeisa, na Somália, em 1937, Edna formou-se enfermeira e parteira em Londres, entre 1954 e 1961, e trabalhou no treinamento de parteiras na Síria para a Organização Mundial de Saúde (OMS). Em 1967, retornou ao seu país, quando seu marido tornou-se Primeiro Ministro da República da Somalia.  De 1976 a 1978, foi a primeira mulher a ocupar o Ministério da Saúde no país. Nos anos seguintes, voltou a atuar com a OMS em programas de saúde obstétrica e ginecológica e iniciou uma campanha contra a mutilação genital feminina, em um país onde a prática ainda permanece. De 2003 a 2006, Edna integrou o governo Somali, nas pastas de Desenvolvimento Social e Relações Exteriores.

Joana Gorjão Henriques

Joana Gorjão Henriques
Jornalista e escritora

Joana Gorjão Henriques é jornalista e escreve para o jornal português Público desde 2000. Suas histórias são focadas nos direitos humanos, na discriminação e na integração racial. É autora do livro Racismo em português: o lado esquecido do colonialismo, resultado de uma pesquisa sobre o legado colonial em cinco antigas colônias portuguesas na África (Angola, Moçambique, São Tomé, Cabo Verde e Guiné-Bissau), baseada em mais de cem entrevistas. Escreveu também o livro Racismo no País dos Brancos Costumes, sobre as desigualdades raciais em Portugal. Recentemente, a autora participou da Flip – Festa Literária de Paraty, o mais importante festival do livro do Brasil. Joana recebeu o Prêmio AMI – Jornalismo contra a Indiferença, o Prêmio de Jornalismo da Comissão Portuguesa da Unesco em Direitos Humanos e o Prêmio de Imprensa da Alta Comissão para Migrantes, entre outros. É vencedora do Prêmio Gazeta de Imprensa, o mais importante do jornalismo português, e foi indicada ao Prêmio Gabriel García Márquez de Jornalismo Iberoamericano. Já escreveu para o jornal britânico The  Guardian e para a The Root.

Facebook | Linkedin | Perfil no jornal "O Público" | Perfil no jornal "The Guardian"

Jude Kelly

Jude Kelly
Fundadora do Festival Women of the World

Fundadora do Festival Women of the World (WOW), Jude Kelly foi diretora artística do Southbank Center, em Londres, entre 2006 e 2019. Da “Royal Shakespeare Company”, na Inglaterra, ao “Théâtre du Châtelet”, em Paris, dirigiu mais de cem produções teatrais. Condecorada com o título de Comendadora da Mui Excelentíssima Ordem do Império Britânico (CBE) pelo seu trabalho em prol das artes, Kelly fundou o “Solent People’s Theatre” e o “Battersea Arts Center” e foi diretora-fundadora da “West Yorkshire Playhouse”. Em 2002, fundou a Metal, uma plataforma que apoia a transformação de pessoas e lugares por meio da arte e de ideias inspiradoras. Jude liderou a equipe de cultura britânica para os Jogos Olímpicos de 2012, em Londres. Mais tarde, integrou o conselho de cultura da Olimpíada.

Kalpana Viswanath

Kalpana Viswanath
co-fundadora e presidente da Safetipin

Kalpana Viswanath é co-fundadora e presidente da Safetipin, empresa social que usa dados e tecnologia para ajudar cidades a se tornarem mais seguras, inclusivas e inteligentes. Desde sua criação em 2013, a Safetipin já atuou em mais de 30 cidades na Índia e em outros países em desenvolvimento. Anteriormente, coordenou a Jagori, ONG voltada para a defesa dos direitos das mulheres, na qual comandou importantes projetos internacionais. Atuou também como consultora para diversas organizações, entre as quais Women in Cities International, Action Aid, Plan International, UN Women e UN Habitat. Membro do conselho do International Centre for the Prevention of Crime, no Canadá, e do Women in Cities International, Kalpana.

Kit Redstone

Kit Redstone
escritor, diretor e performer teatral

Kit Redstone é um premiado escritor, diretor e performer teatral radicado em Londres. Homem transgênero, Kit tem como característica o uso do humor ácido para atrair a atenção do público. Indicado ao prêmio Liberdade de Expressão da Anistia Internacional, seu espetáculo teatral de inspiração autobiográfica “Testosterone” aborda os questionamentos de um homem trans sobre a formação da identidade masculina. Kit também é diretor artístico do “Vacuum Theatre”, uma trupe interdisciplinar responsável por performances metateatrais inovadoras. Como escritor e diretor, colaborou com diversas companhias ao redor do mundo, incluindo países como Brasil, Grécia, Dinamarca e Cazaquistão.

Korto R. Williams

Korto R. Williams
chefe global da ActionAind International para a área de direitos das mulheres

Korto é chefe global da ActionAind International para a área de direitos das mulheres. Presente em 45 países, a organização trabalha por justiça social, igualdade de gênero e pelo fim da pobreza. Radicada em Nairobi, no Quênia, desempenhou diversas funções na organização, incluindo a de diretora na Libéria entre 2010 e 2016. Feminista e líder social com atuação na região da África Subsaariana, Korto é membro do Fórum Feminista Africano e do Fórum Feminista da Libéria. Mestre em Desenvolvimento Sustentável pela School of International Training (EUA), Koto possui larga experiência no desenvolvimento de projetos na África, Oriente Médio e na América. Atuou ainda junto à agência estadunidense de desenvolvimento internacional (USAID), ao Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e à International Foundation for Education and Self-Help.

Lebogang Ramafoko

Lebogang Ramafoko
presidente do Soul City e mestre em Administração Pública

Lebo é presidente do Soul City, uma organização sul-africana voltada para a justiça social com foco nos direitos das mulheres. Sua atuação busca combater a discriminação racial, de gênero e classe a que estão expostas as mulheres na África do Sul. Lebo é apresentadora do principal programa de rádio da Soul City, focado no público feminino juvenil. Uma das prioridades de Lebo é permitir que as mulheres tenham a oportunidade de contar suas histórias com as próprias palavras. Mãe solteira, Lebo obteve o título de mestre em Administração Pública pela Universidade Harvard, nos Estados Unidos. Na instituição, atuou como professora assistente, lecionando sobre liderança. Lebo também é defensora dos direitos das crianças e com frequência é convidada a falar em eventos públicos, incluindo, recentemente, um painel de alto nível das Nações Unidas.

Libby Jackson

Libby Jackson
Especialistas em voo espacial

Libby Jackson é uma das maiores especialistas britânicas em voo espacial, com mais de uma década em trabalho de campo. O espaço sempre foi uma paixão desde a infância. Formada em Física pelo Imperial College e Astronáutica e Engenharia Espacial pela Cranfield University. Libby passou sete anos trabalhando na Agência Espacial Europeia no controle de missões da Estação Espacial Internacional, incluindo o emprego dos sonhos como diretora de voo da Columbus. Libby é apaixonada por compartilhar histórias de voos espaciais e incentivar jovens a seguirem suas paixões na vida. Seu primeiro livro, “Uma galáxia própria: histórias incríveis de mulheres no espaço”, foi publicado em 2017.

Lilián Celiberti

Lilián Celiberti
Militante, coordenadora do Cotidiano Mujer, e integrante da Articulação Feminista Marcosur

Lilián Celiberti foi prisioneira política da ditadura militar no Chile, aos 21 anos. Viveu por anos em exílio na Itália. Começou sua militância ainda nos bancos escolares. Atualmente, é coordenadora do Cotidiano Mujer e participa da Articulação Feminista Marcosur, promovendo o desenvolvimento de um campo político feminista em nível regional e global.

Lulú Barrera

Lulú Barrera
Fundadora do Luchadoras

Graduada em Letras pelo Instituto Tecnológico e de Estudios Superiores de Monterrey (México), Lulú Barrera é fundadora do Luchadoras, um coletivo midiativista que combate os estereótipos de gênero nos espaços digitais por meio da criação de conteúdos para ocupar a web. Ativista feminista, estudou Antropologia Social na Escola Nacional de Antropologia e História do México. Presidente da Anistia Internacional México entre 2010 e 2014, prestou consultoria para diversas organizações, entre as quais Artigo 19 e Oxfam México. Também foi coordenadora de desenvolvimento institucional da Equis Justiça para as Mulheres, organização feminista que desde 2011 busca transformar instituições, leis e políticas públicas para ampliar o acesso das mulheres à Justiça. Atuou ainda como pesquisadora assistente no Programa de Saúde Social do Instituto Nacional de Saúde Pública no México.

Marie-Sophie Pawlak

Marie-Sophie Pawlak
engenheira e presidente fundadora da associação francesa Elles Bougent

Marie-Sophie Pawlak é presidente fundadora da associação francesa Elles Bougent, criada em 2005 com o objetivo de ampliar a presença de profissionais mulheres nas equipes técnicas das indústrias. A organização já promoveu mais de mil eventos com 100 mil meninas das áreas técnica e de engenharia.  Marie-Sophie começou sua carreira como engenheira na área de pesquisa e desenvolvimento na 3M. Diretora de Relações Internacionais de instituições francesas de ensino superior, presidiu até 2016 a comissão de igualdade de gênero da Conférence des Grandes Ecoles, na qual lançou a carta pela igualdade de gênero no ensino superior, com diretrizes que buscavam sensibilizar os estudantes sobre o tema. Condecorada como cavaleiro da Legião da Ordem, Oficial da Ordem Nacional do Mérito e com a Medalha de Honra da Saúde e dos Assuntos Sociais, Marie-Sophie fala frequentemente sobre igualdade profissional, mulheres e tecnologia e igualdade de gênero.

Mariéme Jamme

Mariéme Jamme
Empresária, blogueira , tecnologista e empreendedora social africana

Mariéme Jamme nasceu no Senegal, Africa mas vive atualmente em Londres. Criou Accur8Africa, uma plataforma que permite que governos, empresas, empresários e sociedade civil, na África, possam medir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável até 2030. Foi homenageada pelo Fórum Econômico Mundial pelo trabalho de ativismo desenvolvido com meninas na África, Oriente Médio e Ásia. Atualmente é CEO da SpotOne Global Solutions e fundadora da iConscience. 

Marijana Savic

Marijana Savic
Fundadora e diretora da ONG Atina

Marijana Savic é fundadora e diretora da ONG Atina, uma organização sérvia voltada para a defesa dos direitos das mulheres. Com 21 anos de ativismo, Marijana se dedica à capacitação de instituições e organizações da sociedade civil envolvidas no combate ao tráfico de pessoas, à violência contra a mulher e à exploração psicológica e sexual, com o objetivo de criar movimentos de combate as causas da violência de gênero e para defesa de mulheres em várias partes do mundo. Ao longo dos anos, Atina tem ajudado no desenvolvimento de redes locais e nacionais para apoiar a identificação e proteção de sobreviventes do tráfico de meninas.

Facebook Atina

Minna Salami

Minna Salami
Escritora e fundadora do premiado site MsAfropolitan

Minna Salami é escritora e fundadora do premiado site MsAfropolitan. Minna foi eleita pela revista britânica “uma das doze mulheres que estão mudando o mundo”. É colaboradora do jornal The Guardian e da rede de TV Al Jazeera. Também é colunista do Guardian Nigeria.  Palestrante internacional, já foi convidada para expressar suas visões sobre feminismo, descolonização e desigualdade social em espaços como o Parlamento Europeu, as universidades de Oxford e Yale, TEDx e no UNWomen, entre outros. Nascida na Finlândia, de pai nigeriano e mãe finlandesa, estudou na Suécia. Hoje, vive entre as cidades de  Londres e Lagos/ Tem mestrado em Estudos de Gênero pela SOAS University e é bacharel em Ciência Política pela Universidade de Lund. Seu livro de estreia, Sensuous Knowledge, será lançado em 2019.

Moon Ribas

Moon Ribas
Ativista e artista performática

Moon Ribas é uma artista de vanguarda catalã e ativista ciborgue, conhecida por ter um sensor sísmico on-line implantado no corpo. Moon recebe vibrações do sensor a cada terremoto ocorrido no planeta e transforma essa experiência em performances baseadas em som, como em sua obra Percussão Sísmica; ou dança, como Waiting For Earthquakes. Desde 2007, Moon vem experimentando a união entre a tecnologia e seu corpo para explorar os limites da percepção e do movimento. Em 2010, ela participou da criação da Cyborg Foundation, uma organização internacional que pretende estimular pessoas a tornarem-se ciborgues, além de promover a sua arte e defender seus direitos. Ribas também fundou a Transpecies Society, em 2017. A associação dá voz a “identidades não humanas” e defende a liberdade de autodesign.  

Rachel Biderman

Rachel Biderman
diretora executiva do World Resources Institute Brasil

Rachel Biderman é diretora executiva do World Resources Institute Brasil. Bacharel em Direito e mestre em Ciência Ambiental pela Universidade de São Paulo (USP), fez mestrado em Direito Internacional, com enfoque em Meio Ambiente, na American University, em Washington. Doutora pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), foi pesquisadora em estágio de doutorado na “JFK School of Government”, em Harvard. Atualmente, é coordenadora do curso de extensão de Gestão para o Baixo Carbono da FGV. De 2004 a 2005, coordenou o Departamento Ambiental do Índice de Sustentabilidade Empresarial da BOVESPA. É uma das coordenadoras do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas. Foi presidente do conselho do Greenpeace no Brasil entre 2011 e 2013. É autora do livro “Democracia, cidadania e proteção do meio ambiente”.

Rafia Qureshi

Rafia Qureshi
Diretora executiva da The Womanity Foundation

Diretora executiva da The Womanity Foundation, Rafia tem mais de 12 anos de experiência na área do desenvolvimento econômico e social, com atuação no setor público e na iniciativa privada. Anteriormente, atuou junto å Gatsby Africa, divisão da Gatsby Charitable Foundation para o continente africano, na qual gerenciou o processo de revisão estratégica da fundação e liderou o desenvolvimento de novas práticas com foco em impacto e aprendizado dos projetos. Rafia trabalhou também no J.P. Morgan por um período de seis anos, onde supervisionou o programa de investimento social da JPMorgan Chase Foundation em mercados emergentes. No período, ampliou a atuação da fundação no Oriente Médio e na África Subsaariana com grandes investimentos, obtendo o apoio de entidades públicas e privadas. Rafia também trabalhou durante dois anos com uma empresa de consultoria em desenvolvimento internacional focada em programas de desenvolvimento do setor privado financiados pelos governos estadunidense e britânico. Iniciou sua carreira trabalhando com venture capital na Dow Jones e em uma startup londrina.

Reni Eddo-Lodge

Reni Eddo-Lodge
jornalista, escritora e podcaster britânica

Reni Eddo-Lodge é jornalista, escritora e podcaster britânica. Seu livro de estreia foi lançado em 2017. “Why I’m No Longer Talking to White People About Race” (Porque eu não falo mais sobre raça com pessoas brancas) recebeu o prêmio Jhalak, que promove autores de minorias étnicas no Reino Unido. Indicada ao “British Book Award” e ao “Books Are My Bag Readers Awards”, a obra rendeu-lhe o prêmio “Bold Awards”, para mulheres que se destacam na indústria criativa. Foi apontada pelo jornal The Guardian como uma das “30 pessoas mais interessantes com menos de 30 anos no mundo digital” e integrou a lista das “100 mulheres mais inspiradoras” da revista Elle. Filha de mãe nigeriana, Reni nasceu em Londres, onde mora.

 
 
Scholastique Mukasonga

Scholastique Mukasonga
Escritora

Scholastique Mukasonga é uma das autoras africanas mais lidas e influentes no mundo. Nascida em Ruanda em 1956, vivenciou desde muito cedo a violência dos conflitos étnicos que abalaram seu país. Em 1960, sua família foi deslocada para o distrito de Bugesra, uma das regiões mais subdesenvolvidas da Ruanda. Anos mais tarde, Mukasonga foi forçada a deixar a  faculdade e fugir para o  Burundi. Em 1992, mudou-se para a França, onde trabalhou como assistente social. Em 1994, toda sua família foi assassinada na guerra étnica contra o povo Tutsi. Em 2006, publicou seu primeiro livro, o autobiográfico "Inyenzi ou les cafards”. Seguiram-se  “A mulher dos pés descalços” (2008) e “L'Iguifou” (2010), ambas obras amplamente elogiadas. Seu romance  “Nossa Senhora do Nilo” foi premiado com os prêmios Ahmadou Kourouma e Renaudot.

Facebook | Twitter @Mukasonga | Instagram @scholastiquemukaso | Site

Servane Mouazan

Servane Mouazan
Ativista e fundadora da Oguntê

Francesa de nascimento, há muitos anos Servane adotou a Inglaterra como sua segunda casa. Em 2001, após uma marcante experiência com ativismo feminino no Brasil, ela fundou a Oguntê, uma organização para apoiar empreendimentos sociais e sustentáveis de mulheres. Desde então, ela apoiou mais de 7.000 empreendedoras nas áreas de desenvolvimento de negócios, liderança, design de sistemas, investimento social, programas de incubação e premiações. Servane foi gerente do Womanity Award, da Womanity Foundation, que previne a violência contra as mulheres através do apoio ao seu desenvolvimento profissional e empresarial. É consultora de várias organizações. Recentemente, foi nomeada uma das mulheres do WISE100 em empresas sociais.

Twitter | Linkedin | Site Servane Mouazan | Site Oguntê | Twitter Oguntê | Facebook Oguntê

Shameem Sheik Dastagir

Shameem Sheik Dastagir
gerente internacional da ActionAid International

Shameem é gerente internacional da ActionAid International para os direitos das mulheres, área à qual se dedica há mais de 27 anos. Tem larga experiência como executiva sênior na coordenação de projetos em mais de 30 países, tendo liderado equipes multinacionais e trabalhado em iniciativas que buscavam assegurar os direitos das mulheres e das crianças em zonas de emergência ou de conflito. Ao longo de sua trajetória, desenvolveu uma extensa rede de parceiros da sociedade civil em nível nacional, regional e internacional. Mestre pela Escola de Serviço Social de Madras (Índia), Shameem recentemente atuou junto à ActionAid Mianmar, onde buscou levar uma perspectiva feminista a todos os programas da organização no país asiático.

Sue Nelson

Sue Nelson
Jornalista, radialista e escritora

Sue Nelson é uma premiada jornalista britânica, radialista e autora de Race for Space, de Wally Funk. O livro é um retlato íntimo e pessoal sobre Wally Funk - um das 13 pilotos americanas conhecidas como Mercury 13 - que passaram nos testes de astronautas em 1960-61, mas nunca chegaram ao espaço. Sue produziu o premiado documentário da BBC World Service, Women with the Right Stuff, sobre a história das mulheres no espaço e faz programas para a rádio BBC. Ela também apresenta o podcast mensal Space Boffins, faz curtas-metragens em missões espaciais para a Agência Espacial Européia, foi a primeira editora da revista The Biologist e é uma ex-correspondente de ciências da BBC.

Taiye Selasi

Taiye Selasi
Escritora e fotógrafa

Taiye Selasi é escritora e fotógrafa. Filha de dois médicos de Gana, ela nasceu em Londres e foi criada em Boston. Formou-se na Universidade de Yale, em Estudos Americanos, e tem pós graduação em Relações Internacionais pela Universidade de Oxford. Em 2013, seu romance de estreia, “Ghana Must Go”, tornou-se um  best-seller da lista do New York Times e foi considerado um dos dez melhores livros do ano  pelo diário The Wall Street Journal e pela revista The Economist.  No mesmo ano, figurou na lista da revista Granta de Melhores Romancistas Jovens Britânicos. Sua palestra no TED de 2015 alcançou mais de dois milhões de espectadores.  No momento, a escritora finaliza seu segundo romance, enquanto divide seu tempo entre as cidades da Accra, Lisboa, Nova York e Roma.

Tania de Montaigne

Tania de Montaigne
Colunista e escritora francesa

Tania de Montaigne começou sua carreira na televisão em 1995, num programa infantil no Canal J, na França. Escritora, compositora e intérprete, é professora de oficina de escrita no  Instituto de Estudos Políticos, em Paris. Desde 2006, participa de concertos de jazz, soul e folk. Em 2015, publicou "Black", uma ficção inspirada na vida de Claudette Colvin, uma jovem americana que em 1955 se recusou a dar lugar a um homem branco em um ônibus. Em 2016, escreve com Danielle Mérian "Nós não terminamos de nos amar".

Tanzila Khan

Tanzila Khan
Ativista, Escritora e fundadora da ONG Creative Alley

Nascida no Paquistão, Tanzila Khan é cadeirante desde a primeira infância; desde muito cedo, buscou converter suas adversidades em oportunidades, não apenas para si mesma, mas para todos à sua volta. A jovem escreveu seu primeiro livro, Uma história do México, quando tinha 16 anos; logo depois, publicou outro, intulado A situação perfeita.  Os recursos da venda das obras foram usados para financiar projetos comunitários nas áreas de empoderamento de mulheres, educação, acessibilidade e meio ambiente. É fundadora da ONG Creative Alley, que realiza eventos e projetos para empoderamento de jovens. Tanzila é convidada para dar palestras para empresas sobre soft skills  (habilidades interpessoais) e se apresenta em encontros internacionais sobre feminismo, acessibilidade e empoderamento comunitário. 

Instagram | Twitter | Site Tanzila Khan

Theo Sowa

Theo Sowa
CEO do Fundo Africano de Desenvolvimento da Mulher

Theo Sowa nasceu em Gana, África em 1957. Militante do desenvolvimento social, trabalhou para UNICEF, Fundação Stephen Lewis, União Africana, DfID e PNUD. Atualmente é CEO do Fundo Africano de Desenvolvimento da Mulher, onde trabalha com questões relativas à juventude feminina. Em junho de 2010, Sowa recebeu a Ordem do Império Britânico.

Yuderkys Espinosa Miñoso

Yuderkys Espinosa Miñoso
escritora, pesquisadora, professora e ativista

Yuderkis é escritora, pesquisadora, professora e ativista anti-racismo e colonialismo feminista. De origem afro-dominicana, ela desenvolve uma crítica sobre a colonialidade da razão feminista sob a tutela de María Lugones. Membro fundador do Grupo Latino-Americano de Formação e Ação Feministas (GLEFAS) foi uma das fundadoras  do feminismo descolonial na América Latina. Freqüentemente é convidada a ministras palestras em universidades, coletivos e movimentos sociais como conferencista e professora convidada. Entre suas obras mais famosas figuram "Escritos de uma lésbica negra" (2007), "Etnocentrismo e colonialismo em feminismos latino-americanos" (2009); O futuro já era: uma crítica à ideia de progresso nas narrativas genéricas e de identidade queer em Abya Yala (2015); e compilação co-editada "Tecelagem Outros Modos: feminismo, epistemologia e apostas decolonial em Abya Yala" (2014).

Convidadas nacionais

Adriana Barbosa

Adriana Barbosa
Empreendedora e criadora da plataforma Feira Preta

Adriana Barbosa é uma empreendedora brasileira e criou a plataforma Feira Preta. Formada em gestão de eventos pelo Centro de Estudos Latino-Americanos sobre Cultura e Comunicação (CELACC) ECA – USP, trabalhou em emissoras de rádio, produtoras de TV e gravadoras. Com pouco mais de 20 anos, decidiu apostar no poder de compra dos afro-descendentes e criou, em 2002, a maior feira negra do Brasil. A Feira Preta é um evento que reúne criadores negros de diferentes setores: arte, moda, cosméticos, gastronomia, audiovisual, comunicação, entre outros.  O Instituto Feira Preta também identifica e apoia iniciativas de empreendedorismo de negras e negros.

Amanda Kamanchek

Amanda Kamanchek
jornalista e documentarista

Amanda Kamanchek, brasileira, 31 anos, jornalista e documentarista, trabalha com projetos sociais destinados à prevenção da violência contra mulheres e meninas, educação de gênero nas escolas, assédio sexual e direito à cidade. Foi coordenadora de campanhas da área de enfrentamento à violência da ONU Mulheres Brasil - Agência das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres. É diretora do documentário “Chega de Fiu Fiu”, sobre o assédio contra as mulheres em espaços públicos em parceria com a organização feminista “Think Olga”. Desenvolveu junto ao Departamento de Ciência da Política de Direitos Autorais da Paz, Democracia e Tolerância da USP a plataforma Cartografia de Direitos Humanos. Foi coordenadora de Comunicação do Instituto Pólis, desenvolvendo conteúdos e projetos relacionados aos temas direito à cidade, habitação, segurança pública, democracia e sustentabilidade. É formada em Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e em Documentário pela AIC (Academia Internacional de Cinema). Eleita uma das 21 mulheres brasileiras que estão fazendo do país um lugar melhor, pelo Brasil Post/Huffington Post, 2014. Eleita como uma das 100 mulheres inspiradoras do mundo em 2014, pelo “Think Olga”, organização feminista que combate o assédio contra as mulheres.

Instagram | Facebook

 

Ana Clara Schindler

Ana Clara Schindler
Designer e animadora brasileira

Ana Clara é brasileira de 25 anos. Formada em Design com Habilitação em Comunicação Visual e ênfase em Marketing pela ESPM, Ana Clara acredita na arte como uma porta para o conhecimento, crescimento, comunicação e transformação. Atualmente atua na área audiovisual com produção de animações 2D e 3D, motion graphics e edição de vídeo. A designer procura gerar impacto através da sua arte, acreditando na simplicidade e buscando sempre um novo ângulo, um novo olhar sobre o assunto.

Ana Cláudia Gonçalves

Ana Cláudia Gonçalves
professora de biologia e pesquisadora

Ana Cláudia Gonçalves é professora de biologia e pesquisadora. Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal da Paraíba, com período sanduíche na James Cook University (Austrália) e Mestre em Educação pela The University of Sheffield (Inglaterra). Nasceu em Catolé do Rocha, interior da Paraíba. Ana desenvolve sua pesquisa na área de instrumentos educacionais com ênfase em livros didáticos, buscando explorar as diferenças, semelhanças e contribuições deste recurso pedagógico no trabalho dos professores, especialmente do nordeste do Brasil.

Facebook | Instagram

 

Ana Paula Xongani

Ana Paula Xongani
bacharel em design, sócia-fundadora e estilista da Xongani

Ana Paula Xongani é bacharel em design, sócia-fundadora e estilista da Xongani, um atelier de moda afro-brasileira criada e gerenciada exclusivamente por mulheres e com o propósito de proporcionar autoestima e visibilidade, prioritariamente, aos corpos das mulheres negras a partir de uma estética que lhes é própria. Atua também como influenciadora digital. Nas redes – e nas palestras que ministra Brasil afora – fala sobre moda e estilo afro-brasileiro, moda e militância, beleza negra, feminismo negro, empoderamento e autoestima da mulher negra e desafios do empreendedorismo negro/feminino no Brasil.  Em 2015, recebeu o Prêmio EmpregueAfro. No ano seguinte, foi uma das youtubers selecionadas pelo YouTube para representar o Brasil no “YouTube Summit for Social Change 2016”, evento que reuniu em Londres jovens protagonistas de mudança social do mundo todo. No mesmo ano, foi eleita uma das mulheres inspiradoras de 2016 pelo “Think Olga”. Em 2018 foi a segunda vencedora do Creators Boost - ciclo 2.

Instagram | Facebook | YouTube

Angela Dannemann

Angela Dannemann
Engenheira química e especialista em avaliação de programas

Angela Cristina Dannemann é engenheira química (UFBA) com mestrado em Administração (IBMEC-RJ) e especialista em Avaliação de Programas (CEATS/FIA/USP). Atualmente é Superintendente da Fundação Itaú Social. Líder Parceira da Fundação Avina, participa do Conselho da FOCO (Fundação Otacílio Coser), CI-VICO e do Instituto Verdescola; do Conselho Fiscal da Associação Educacional e Assistencial Casa do Zezinho, do CONSOCIAL FIESP (Conselho Superior de Responsabilidade Social) e é associada da ABAVE (Associação Brasileira de Avaliação Educacional), da RBMA (Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação) e da AEA (American Evaluation Association).

Angélica Moreira

Angélica Moreira
pedagoga e idealizadora do Ajeum da Diáspora

Angélica Moreira, mulher negra baiana, mãe e pedagoga é a idealizadora do Ajeum da Diáspora. Tem 59 anos e nunca frequentou nenhuma escola de gastronomia, aprendeu a cozinhar com as mais velhas de sua família, que eram mestres nessa arte. Com seu projeto, Ajeum da Diáspora, Angélica já realizou e participou de inúmeros eventos em Salvador e outros estados, dentre eles oficinas, pedagoga é a idealizadora do  Ajeum da Diásporacoquetéis, jantares  e já recebeu personalidades, como Angela Davis.

Avanildo Silva

Avanildo Silva
agrônomo e ativista

Avanildo Silva é agrônomo e ativista na luta pelo direitos das mulheres. Ao longo da sua trajetória, traçou uma jornada de grandes aprendizados e construção de alianças com mulheres do campo e da cidade, contribuindo para o enfrentamento das suas condições adversas, inclusive no que diz respeito à violência. Foi coordenador do Centro de Desenvolvimento Agroecológico Sabiá (Recife, PE), onde realizou assessorias de planejamento e ações de agricultura sustentável a organizações de trabalhadoras rurais. Fomentador da Escola Feminista de Formação Política e Econômica, ainda realizado pelo Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste, pelo Centro das Mulheres do Cabo e pela Casa da Mulher do Nordeste. Atualmente, colabora como coordenador de projetos na ActionAid, apoiando ações pelo empoderamento político e econômico das mulheres, trabalhando para a ampliação de políticas públicas efetivas e campanhas de visibilidade da importância da força feminina no enfrentamento da pobreza. Coautor do livro “Valorizando vidas e reconstruindo conceitos: prevenção e atendimento à violência sexista e doméstica contra crianças e adolescentes, com enfoque de gênero e raça” (Centro das Mulheres do Cabo, 2008).

Bel Juruna

Bel Juruna
agente de saúde e ativista indígena

Bel Juruna é agente de saúde e ativista indígena. Aos 29 anos, mãe de quatro filhos, ela se dedica a mobilizar comunidades indígenas, a opinião pública e as instituições governamentais e da sociedade civil para apoiar a luta do povo Juruna e de outros povos na reparação pelos danos causados por empreendimentos em suas terras.  Foi vice-cacique, mas deixou o posto para continuar o curso de Enfermagem. Costuma participar de reuniões nacionais relacionadas a movimentos ambientalistas e vê com apreensão as mudanças na vida e dieta na sua comunidade, afetada pelo desvio e a poluição dos rios locais causados pela construção da hidrelétrica de Belo Monte.

Beth Cardoso

Beth Cardoso
coordenadora do projeto Mulheres e Agroecologia em Rede

Beth Cardoso é coordenadora do projeto Mulheres e Agroecologia em Rede e técnica do Centro de Tecnologias Alternativas da Zona da Mata. Militante feminista da Marcha Mundial das Mulheres. Participou do Grupo de Trabalho de Agroecologia do Comitê Internacional de Planejamento para a Soberania Alimentar (CIP) e da “Expo dei Poppoli”, ambos em Milão. O CIP é uma plataforma da sociedade civil que reúne mais de 800 movimentos sociais e ONGs e 300 milhões de pequenos produtores, de todo o mundo, que atuam na defesa do poder de decisão dos povos em produzir e consumir alimentos saudáveis em seus territórios, aplicando os princípios de soberania alimentar e justiça ambiental.

Site

Bianca Santana

Bianca Santana
Escritora, jornalista, doutoranda em Ciência da Informação e mestra em Educação

Bianca Santana é autora de Quando me descobri negra, livro de contos que retratam a experiência do racismo pelos olhos de jovens mulheres. Doutoranda em Ciência da Informação e mestra em Educação pela Universidade de São Paulo, pesquisa memória e escrita de mulheres negras. Bianca é jornalista formada pela Faculdade Cásper Líbero, onde foi professora, e colunista da revista Cult.

Facebook

Carol Teixeira

Carol Teixeira
escritora, filósofa e instrutora de tantra

Carol Teixeira é uma das principais vozes do empoderamento feminino na atualidade. É escritora, filósofa e instrutora de tantra, atuando na área da sexualidade há dez anos. Autora de três livros, entre eles o romance Bitch (editora Record). Colunista de sexo e comportamento da Revista Vip, Carol também é formada em Terapia Tântrica, Coaching de Sexualidade e Yôga. Dá cursos sobre sexualidade e comportamento unindo seus conhecimentos e pesquisas com as técnicas tântricas. Criadora do I Love My Pussy, trabalha o empoderamento através do orgasmo, do resgate do poder e da autoconfiança, e da ressignificação da relação da mulher com seu corpo.

Facebook | Instagram | Facebook "Heart Chakra Tantra" | Instagram "Heart Chakra Tantra"

Clarisse Paradis

Clarisse Paradis
professora e pesquisadora

Clarisse Paradis é professora adjunta do Instituto de Humanidades e Letras da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira (UNILAB/Bahia) e pesquisadora do FEMPOS (Pós-colonialidade, feminismos e epistemologias anti-hegemônicas). É mestre e doutora em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais. Tem contribuído com os estudos e debates sobre o feminismo na América Latina, principalmente sobre a relação com o Estado, a atuação dos órgãos de políticas para as mulheres e a trajetória dos movimentos de mulheres na região. Na tese se debruçou sobre o tema da prostituição, especialmente a partir das regulações institucionais e de suas conexões com a teoria política e teoria feminista.

Conceição Evaristo

Conceição Evaristo
Escritora

Conceição Evaristo é autora de romances, poesias, contos e ensaios. De origem popular, nascida em uma favela em Belo Horizonte em 1946, alcançou os graus de mestre em Literatura Brasileira e doutora em Literatura Comparada. Escreve principalmente sobre temas relacionados à educação, gênero e relações étnicas na sociedade brasileira.  Entre seus livros, destacam-se Ponciá Vivêncio, Becos da Memória e Poemas da recordação e outros movimentos.  Recebeu o prêmio Jabuti, na categoria contos, em 2015. Em 2017, foi tema da Ocupação Conceição Evaristo, no Instituto Itaú Cultural e recebeu os prêmios Faz Diferença,  concedido pelo jornal O Globo, e Revista Claudia. Em 2018, recebeu o Prêmio governo Minas Gerais de Literatura e o prêmio Mestre das Periferias, do Instituto Maria e João Aleixo.

Cristiane Sobral

Cristiane Sobral
Escritora, atriz e professora de teatro

Cristiane Sobral é escritora, atriz e professora de teatro. Nasceu no Rio de Janeiro e vive em Brasília. Mestre em Teatro, dirigiu a Cia de Arte Negra Cabeça Feita por 17 anos. Cristiane é ganhadora do Prêmio FAC 2017 de Culturas Afro-Brasileiras e ocupa a cadeira 34 da Academia de Letras do Brasil. É diretora de literatura afro-brasileira no Sindicato dos Escritores e tem seis livros publicados, incluindo Terra Negra, O tapete voador, Não vou mais lavar os pratos e Só por hoje vou deixar meu cabelo em paz.   Nas suas obras, a autora busca inspirar mulheres a desenvolverem a auto-estima e a se posicionarem diante do preconceito, do machismo, do sexismo e do racismo.

Instagram | Facebook | Blog Cristiane Sobral

Cristina Buarque

Cristina Buarque
economista e pesquisadora

Cristina Buarque é economista, especialista em Administração e Planejamento de Ciência e Tecnologia e especialista em Gênero e Desenvolvimento Rural. Mestre em Ciência Política e Doutora em Antropologia. Pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco, foi presidente do Conselho da Casa da Mulher do Nordeste (2006) e Secretária da Mulher do Governo do Estado de Pernambuco (entre 2007 e 2014). Autora de inúmeros artigos e livros sobre gênero e desigualdades na representatividade política brasileira.

Diane Lima

Diane Lima
Curadora, pesquisadora e diretora criativa

Diane Lima é curadora, pesquisadora e diretora criativa. É mestra em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. Em 2014, fundou a plataforma NoBrasil, criando o projeto AfroTranscendence, programa de imersão criativa para incentivar a cultura afro-brasileira contemporânea. Entre 2016 e 2017 assinou a curadoria do Festival de Cinema Africano do Vale do Silício e do Diálogos Ausentes, ciclo de debates e exposição sobre a presença negra nas mais diferentes áreas de expressão, para o Itaú Cultural. Também criou o A.Gentes – Programa de Imersão em Questões Raciais, para o mesmo Itaú Cultural. É curadora do Valongo Festival Internacional da Imagem, integrante da comissão julgadora da Residência ArtSonica do Oi Futuro e do Prêmio EDP nas Artes do Instituto Tomie Ohtake, além de fazer parte do Grupo de Críticos de Arte do Centro Cultural São Paulo.

Instagram | Facebook | Site "AfroTranscendence"

Djamila Ribeiro

Djamila Ribeiro
Mestre em filosofia política, feminista e pensadora brasileira

Djamila Ribeiro é uma feminista e pensadora brasileira. Mestre em Filosofia Política pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), discute principalmente questões relacionadas ao feminismo, gênero e raça. É coordenadora da coleção Feminismos Plurais, da editora Letramento, a mesma pela qual publicou o livro “O que é lugar de fala?”. Também é autora de "Quem tem medo do Feminismo Negro?”. Assina colunas na revista Carta Capital e nos sites Blogueiras Negras e Azmina. Paulista de Santos, foi secretária-adjunta da Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo no governo de Fernando Haddad.

Dríade Aguiar

Dríade Aguiar
uma das fundadores do Mídia NINJA e gestora de comunicação da rede de coletivos Fora do Eixo

Dríade Aguiar é gestora de comunicação da rede de coletivos Fora do Eixo e uma das fundadores do Mídia NINJA. Desde 2014 integra o ELLA - Encontro Latino-Americano de Mulheres,  pautando o debate sobre os temas afro feminismo, direitos LBT (Lésbicas, Bissexuais e Transsexuais)  e anti-gordofobia. Coordenou a área de Comunicação do Grito Rock Mundo, evento de artes integradas que acontece em 400 cidades e 40 países. Entre 2015 e 2016, foi Coordenadora de Comunicação Digital e Coordenadora de Articulação e Cooperação do Ministério da Cultura. Faz parte do Movimenta, um grupo de mulheres parlamentares e integrantes de movimentos sociais por uma legislação feminista na América Latina. É colunista e editora de Mulheres e Negritude da Mídia NINJA.  

Instagram

Edneia Gonçalves

Edneia Gonçalves
SOCIÓLOGA, ASSESSORA DE EDUCAÇÃO DA ONG AÇÃO EDUCATIVA

Socióloga, educadora com longa experiência na elaboração e avaliação projetos educacionais e na formação de gestores e professores. Assessora da área de Educação da ONG Ação Educativa. Atua desde 2004 na coordenação de projetos de cooperação técnica internacional na área de educação em diferentes países do continente africano.

Instagram | Facebook

Eliane Brum

Eliane Brum
Escritora, jornalista e documentarista

Eliane Brum é escritora, jornalista e documentarista. Depois de trabalhar 21 anos no jornal Zero Hora e na revista Época, tornou-se freelancer, dedicando-se a grandes reportagens, livros e documentários. Ganhou mais de 40 prêmios de reportagem nacionais e internacionais, entre eles Vladimir Herzog, Esso e Rei da Espanha. Publicou cinco livros de não-ficção: "Coluna Prestes, o avesso da lenda" (1994, Prêmio Açorianos de autora-revelação) , "A Vida Que Ninguém Vê" (Prêmio Jabuti de 2007), "O Olho da Rua", "A Menina Quebrada" (2013, Prêmio Açorianos de melhor livro do ano) e "Meus desacontecimentos", além do romance "Uma Duas". Assina a direção e o roteiro de quatro documentários, entre os quais o premiado "Uma história severina". Atualmente, assina colunas no jornal El País, nas edições brasileira e espanhola, e é colaboradora do jornal britânico The Guardian.

Enoe de Moraes

Enoe de Moraes
psicóloga e coordenadora do NEADI

Enoe de Moraes é mulher negra em constante processo de descoberta de si e do mundo ao redor. Nasceu e cresceu na cidade de Goiânia (GO), criada nas contradições de ocupar espaços de classe média. Ela é bacharel e licenciada em Psicologia pela Universidade Federal de Goiás (UFG), tendo concluído o curso sintetizando seus estudos em identidade e relações raciais no Brasil. Foi colaboradora do Núcleo de Estudos Afrodescendentes e Indígenas (NEADI - UFG), compartilhando conhecimentos sobre a temática. Também cursou Msc Psychology pela University of Huddersfield, na Inglaterra. Atualmente tem participado de eventos dialogando sobre relações raciais e desenvolvimento psíquico.

Facebook | Instagram 

Francisca Nascimento

Francisca Nascimento
quebradeira de coco babaçu e Coordenadora Geral do MIQCB

Francisca Nascimento é quebradeira de coco babaçu de Esperantina e Coordenadora Geral do MIQCB - Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MA/PARÁ/PIAUÍ /TO). Mãe de Paulo Ricardo e Ana Brígida, reside na comunidade Chapada de Sindá, no município de São João do Arraial, Piauí. Atuou como alfabetizadora do EJA (Educação de Jovens e Adultos) e desde 2009, realiza trabalhos nas comunidades das quebradeiras do coco babaçu.

MIQCB

Graciete Santos

Graciete Santos
socióloga, educadora social e ativista do movimento agroecológico

Graciete Santos é socióloga, feminista e ativista do movimento agroecológico. Mestre em Extensão Rural pela Universidade Federal Rural de Pernambuco. Educadora social nas áreas do feminismo, agroecologia, economia feminista e ruralidades. Atualmente está na coordenação geral da Casa da Mulher do Nordeste, organização feminista, com sede em Recife e atuação no sertão do Pajeú e Região Metropolitana do Recife.

Ingrid Farias

Ingrid Farias
fundadora da Rede Nacional de Feministas Antiproibicionistas (RENFA)

Ingrid Farias é assistente social e secretária executiva da Associação Brasileira de Redução de Danos (Aborda), organização que busca criar e incentivar políticas e práticas com o objetivo de reduzir os danos associados ao uso de drogas psicoativas. Ingrid pertence à Rede Latino-Americana de Pessoas que Usam Drogas (LANPUD), é fundadora da Rede Nacional de Feministas Antiproibicionistas (RENFA), diretora da Associação Brasileira de Cannabis e Saúde (ACOLHER) e assessora do Programa Direitos das Mulheres na Actionaid Brasil.

 

Irene Nagashima

Irene Nagashima
Fundadora da ONG Cine Materna

Irene Nagashima é criadora da ONG Cine Materna. Administradora formada pela FGV/SP, trabalhou em marketing e foi consultora em treinamento e desenvolvimento. Após 15 anos de carreira, quando teve seu primeiro filho, comentou com um grupo de mães como sentia falta da vida cultural. A partir da ideia de uma delas, passou a organizar idas semanais ao cinema, com os bebês. Seis meses depois, em agosto de 2008, fundou a ONG Associação CineMaterna, que promove sessões de cinema amigáveis às mães e seus bebês. Sua missão é incentivar mães a  retornar a vida social através de programas culturais, permitindo ainda a troca de experiências entre elas. Após 10 anos, o CineMaterna está presente em 50 cidades em todas as regiões do Brasil e agrega de mais de 400 colaboradoras voluntárias.

Instagram "CineMaterna" | Facebook "CineMaterna" | Site "CineMaterna"

Jarid Arraes

Jarid Arraes
Escritora, poetisa e cordelista

Jarid Arraes é escritora, cordelista, poetisa e autora dos livros Um buraco com meu nome, As lendas de Dandara e Heroínas Negras Brasileiras. Tem ainda mais de 60 títulos publicados em literatura de cordel. Nascida em Juazeiro do Norte, Ceará, começou a publicar seus escritos aos 20 anos de idade, no blog Mulher Dialética. Logo passou a colaborar em blogs como o Blogueiras Feministas e Blogueiras Negras. Em 2013, tornou-se colunista da Revista Fórum, onde manteve o blog Questão de Gênero até fevereiro de 2016. Atualmente vive na cidade de São Paulo, onde criou o Clube da Escrita para Mulheres e é curadora do selo literário Ferina. 

Instagram | Twitter | Facebook | Site Jarid Arraes

Jeane Xaud

Jeane Xaud
Defensora pública

Jeane Magalhães Xaud é defensora pública e Coordenadora da Defensoria Especializada na Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher de Roraima. Roraimense de nascimento, formou-se Bacharel em Direito pela Universidade  Cândido Mendes, no Rio de Janeiro. Atua em comissões de promoção dos direitos da mulher de organizações nacionais de defensores públicos e integra o grupo gestor da Casa da Mulher Brasileira de Roraima, unidade de acolhimento para vítimas de violência doméstica. Jeane também participa de grupos de trabalho sobre a situação de imigrantes e de vítimas do tráfico de pessoas. É, ainda, faixa marrom de jiu-jitsu e musicista.

Joana D'Arc Félix de Souza

Joana D'Arc Félix de Souza
Pesquisadora e professora, cursou Química na Unicamp e em Harvard

Joana D’Arc Félix é pesquisadora e professora. Paulista de Franca, cursou Química na Unicamp e em Harvard, nos EUA.  É especialista na produção de couros do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) e coordena um curso técnico sobre o assunto na Escola Técnica Estadual Professor Carmelino Corrêa Júnior (Centro Paula Souza). Joana coordena projetos de pesquisa sobre o  reaproveitamento de resíduos do setor de couro e calçados em novos produtos, como fertilizantes sustentáveis, cimento verde e biodiesel ecológico. Possui 15 patentes nacionais e internacionais. Também realiza na Escola Técnica um projeto de inclusão de alunos da educação básica, com idades entre 14 e 20 anos, em atividades de iniciação científica. Já recebeu mais de 80 honrarias, entre os quais o Prêmio Faz Diferença, do jornal O Globo; Inspiração 2018, do Instituto de Igualdade Racial; Medalha Theodosina Ribeiro 2018, pela Assembleia Legislativa de São Paulo e o Prêmio Kurt Politzer de Tecnologia 2014, concedido pela Associação Brasileira da Indústria Química (ABIQUIM).

Joanna Maranhão

Joanna Maranhão
Nadadora olímpica e preside a ONG Infância Livre

Joanna Maranhão é uma nadadora olímpica pernambucana e preside a ONG Infância Livre, dedicada à prevenção da pedofilia. Nas piscinas desde os três anos, aos 17 obteve o 5º lugar na prova dos 400 metros medley, nos jogos de Atenas, em 2004, o melhor resultado da natação brasileira feminina em Jogos Olímpicos. Participou de quatro olimpíadas (2004,2008, 2012 e 2016), em que disputou duas finais e uma semifinal. É a atleta de natação feminina brasileira com mais medalhas nos Jogos Pan-Americanos: ganhou oito, em 2003, 2007, 2011 e 2015.  Em 2008, Joanna revelou que havia sofrido assédio aos 9 anos pelo seu técnico, em Recife. A partir da sua denúncia, em 2012 foi aprovada a Lei Joanna Maranhão, que estabeleceu que o prazo de prescrição de abuso sexual de crianças e adolescentes seja contado a partir da data em que a vítima completar dezoito anos.

 

Juliana Borges

Juliana Borges
escritora

Juliana Borges é escritora. Estuda Sociologia e Política na Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, onde desenvolve pesquisa na área de Antropologia. Foi Secretária Adjunta da Secretaria de Políticas para as Mulheres e assessora da Secretaria do Governo Municipal da Prefeitura de São Paulo (gestão Fernando Haddad). É autora do livro O que é encarceramento em massa? da coleção Feminismos Plurais, coordenada pela filósofa Djamila Ribeiro (Letramento/Justificando).

Juliana de Faria

Juliana de Faria
fundadora do ONG de direitos das mulheres "Think Olga"

Juliana de Faria é fundadora do ONG de direitos das mulheres "Think Olga". É criadora das campanhas "Chega de Fiu Fiu" e "Primeiro Assédio", cujo objetivo é combater o assédio sexual. Faz parte do Grupo Assessor da Sociedade de Civil do Escritório da ONU Mulheres no Brasil. É uma das autoras do ebook "Meu Corpo Não É Seu", sobre violência de gênero. Participou da delegação brasileira jovem do G20 (Y20). É alumni do programa "Women Leaders" do Departamento de Estado dos Estados Unidos. Por seus projetos, foi eleita uma das 8 mulheres inspiradoras do mundo, pela Clinton Foundation e pela revista Cosmopolitan US. Foi finalista do Prêmio Claudia, a maior premiação feminina da América Latina, na categoria Trabalho Social, e do Troféu Mulher Imprensa 2015, na categoria Redes Sociais.

Juliana Vitorino

Juliana Vitorino
Coordenadora estadual do MTST/PE e coordenadora estadual do Círculo Palmarino/PE

Juliana Vitorino é graduanda em Pedagogia, mãe, mulher negra e moradora do Alto José do Pinho, periferia da zona norte do Recife. Começou sua militância na Cia de Teatro Zé do Pinho, trabalhando com o Teatro do Oprimido em diálogo com os fatos que mais aconteciam naquele lugar: violência doméstica, violência policial, racismos, dependência química. Coordenadora estadual do MTST/PE e coordenadora estadual do Círculo Palmarino/PE, ambos movimentos que constroem a FPSM (Frente Povo Sem Medo), em Pernambuco. Membro da Executiva Estadual do PSOL Pernambuco, da Executiva Nacional do PSOL e da Comissão Nacional de Mulheres do PSOL, enegrece o partido e suas instâncias em momento de crise de representatividade e tempos de retiradas de direitos.

Facebook | Instagram

Kareemi

Kareemi
jornalista, palestrante motivacional e facilitadora em desenvolvimento humano

Kareemi é jornalista, palestrante motivacional e facilitadora em desenvolvimento humano com ênfase em Saúde Emocional. Também é mãe, dona de casa, esposa e empreendedora. Desde 2011, quando sofreu um grave acidente que a deixou amputada, seu trabalho inspira e transforma a vida de milhares de mulheres pelo mundo que buscam se reconectar com seu amor-próprio, autoestima e Autoconfiança. Ela é criadora da “Ginecologia Emocional” - visão holística sobre as causas de problemas ginecológicos baseada em conhecimentos ancestrais e estudos de caso- que colabora com o autoconhecimento cíclico feminino oferecendo conteúdos gratuitos sobre o assunto em suas redes sociais e workshops. Kareemi acredita que é através da reconexão da mulher com seu corpo e ciclos que a verdadeira revolução feminina acontece e contagia o mundo - com muito amor e generosidade.

Instagram | Facebook | YouTube | Site

Luciana Sepúlveda

Luciana Sepúlveda
graduada em Educação Artística. socióloga da educação e doutora em Museologia da Ciência

Luciana Sepúlveda é graduada em Educação Artística pela PUC-RJ. socióloga da educação e doutora em Museologia da Ciência pelo Museu História Natural de Paris. Foi coordenadora do Centro de Educação em Ciências do Museu da Vida/Fiocruz e iniciou a construção do Observatório de Museus e Centros Culturais (entre 2003 e 2011). Na Fiocruz Brasília iniciou projetos voltados para a participação juvenil nas políticas públicas e para o debate sobre o impacto da ciência na sociedade, tendo coordenado a Rede Saúde e Cultura em parceria com o MinC. Atualmente é diretora executiva da Escola Fiocruz de Governo em Brasília, onde coordena projetos voltados para a educação popular e profissional em saúde, com foco na intersetorialidade, na participação e na acessibilidade.

Luiza Valentim

Luiza Valentim
mulher transexual e mãe

Luiza Valentim é mulher transexual e mãe. Nascida em Belo Horizonte, viveu sua infância e parte da adolescência na periferia da capital mineira. Mais tarde mudou-se para a região da Serra do Cipó, onde conheceu Graziele, a outra mãe do seu filho. Realizou a cirurgia de redesignação sexual em 2017. Hoje, com 28 anos de idade, compartilha a sua relação com o ativismo transfeminista e com as artes.

Maíra Azevedo (Tia Má)

Maíra Azevedo (Tia Má)
jornalista, humorista e atriz

Maíra Azevedo, mais conhecida como Tia Má, é jornalista, humorista e atriz. Eleita uma das blogueiras mais influentes da internet pelo site Blogueiras Negras, a baiana foi a primeira mulher negra a apresentar um espetáculo de comédia stand up no Brasil. O espetáculo “Tia Má com a Língua Solta” já foi apresentado na Bahia, São Paulo e Brasília. Tia Má participa com frequência do programa Encontro com Fátima Bernardes, na TV Globo e faz parte do time de embaixadores do Criança Esperança. No seu canal no YouTube, publica vídeos em que aborda com humor questões políticas, racismo, relacionamentos e temas feministas.

Manoela Miklos

Manoela Miklos
doutora em RI e ativista da campanha #AgoraÉQueSãoElas

Manoela Miklos é doutora em Relações Internacioais pelo Programa San Tiago Dantas (UNESP, UNICAMP, PUC-SP), ativista feminista, idealizadora da campanha #AgoraÉQueSãoElas e editora do blog de mesmo nome, hospedado na Folha de São Paulo. Integra o Programa para a America Latina da Open Society Foundations.

Site

Marcia Barbosa

Marcia Barbosa
pesquisadora e professora

Marcia Barbosa é graduada, mestre e doutora em Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Pesquisadora nível 1B do CNPq, professora titular da UFRGS e membro titular da Academia Brasileira de Ciências. Tem experiência na área de Física, atuando principalmente em água e suas anomalias e soluções aquosas. Por seu trabalho Anomalias Dinâmicas da Água ganhou o Prêmio L'oreal e Unesco de Mulheres nas Ciências Físicas e o Prêmio Claudia em Ciência, ambos em 2013. Em paralelo tem atuado em questões de gênero na ciência, pelo que ganhou em 2009 a Nicholson Medal dada pela American Physical Society. Por seu trabalho junto à pós-graduação, recebeu o Prêmio Anísio Teixeira da Capes. Atua como membro da diretoria da Academia Brasileira de Ciências e é membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República.

URL | Facebook |Twitter | Youtube | Linkedin

Maria Rita Kehl

Maria Rita Kehl
escritora e psicanalista

Maria Rita Kehl é escritora e psicanalista. Psicóloga formada pela Universidade de São Paulo, em 1997 obteve o doutorado em Psicanálise clínica pela PUC. Atuou como colunista e articulista em revistas como Veja, IstoÉ, Carta Capital, Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo.  Também colaborou com veículos ligados a movimentos sociais, como o Brasil de Fato. Entre 2012 e 2014, foi membro da Comissão Nacional da Verdade, com pesquisa sobre graves violações de direitos humanos contra camponeses e povos indígenas. É autora de vários livros em psicanálise, literatura e teoria crítica, entre os quais O tempo e o cão – a atualidade das depressões, vencedor do prêmio Jabuti - categoria não ficção, em 2010, e Bovarismo Brasileiro.

Mércia Ribeiro

Mércia Ribeiro
Pedagoga e militante, uma das diretoras na diretoria ampliada de UNAS

Mércia Ribeiro é militante feminista e atuante em movimentos sociais na favela de Heliópolis, em São Paulo. É gestora de um projeto de Medida Socioeducativa em Meio Aberto há seis anos, além de vasta experiência na Proteção Social Básica e Proteção Social Especial de Média e Alta Complexidade, serviços referenciados ao Sistema Único de Assistência Social (Suas). Foi acolhida em Heliópolis pela ONG UNAS - União de Núcleos, Associações de Moradores de Heliópolis e Região., onde tem contribuído assiduamente, desde a década de 80, para o desenvolvimento integral da comunidade e da região que a cerca. A UNAS, por acreditar que cada indivíduo é sujeito de direitos, realiza parcerias com agentes de diversos setores, tendo como princípios a autonomia, a responsabilidade, a solidariedade e entendendo a educação como primordial para a garantia de direitos e que tudo passa pela educação. É Conselheira Municipal de Políticas para as Mulheres e representante da Subprefeitura do Ipiranga – Fórum Regional de Políticas para as Mulheres da Cidade de São Paulo.

Mércia Silva

Mércia Silva
diretora executiva do Instituto Pacto Nacional

Mércia Silva é cientista social formada pela Universidade de São Paulo, onde também defendeu o mestrado em Ciência Política. Hoje é diretora executiva do Instituto Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo (InPACTO) – instituto focado em envolver empresas em processos de prevenção e combate ao trabalho análogo ao escravo em suas cadeias produtivas. Mércia representa o InPACTO em grupos nacionais e internacionais voltados ao debate sobre cadeias produtivas e o desafio da promoção do trabalho decente. É parte do grupo que está construindo o Guia de Compras Públicas da  Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) que visa implementar critérios de prevenção e combate ao trabalho escravo e tráfico de pessoas junto aos seus estados membros. Membro da Conatrae – Comissão Nacional contra Trabalho Escravo. Foi consultora do PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, realizando pesquisa sobre a Lei no 10 639/03 e o Decreto no 4228/02 no âmbito da Ouvidoria da SEPPI0R  – Secretaria de Políticas para a Promoção da Igualdade Racial.

Facebook | Instagram

Monique Prada

Monique Prada
trabalhadora sexual, escritora e ativista pelos direitos das prostitutas

Monique Prada é trabalhadora sexual, escritora e ativista pelos direitos das prostitutas. Gaúcha, é uma das fundadoras da Central Única de Trabalhadoras e Trabalhadores Sexuais (CUTS) e sua atual presidente. Monique se dedica a articular trabalhadores sexuais no Brasil e a aprofundar o debate sobre prostituição e feminismo no Brasil e América Latina. É autora do livro  Putafeminista (Editora Veneta), em que relata a sua trajetória e afirma os direitos da categoria.

 

Nalu Faria

Nalu Faria
psicóloga que atua na Sempreviva Organização Feminista

Nalu Faria é psicóloga e atua na Sempreviva Organização Feminista desde 1986, onde atua na formação de grupos de mulheres, ONGs e gestores públicos. Coordena publicações da SOF, como a série de boletins Mulher e Saúde;  a coleção Cadernos Sempreviva e o boletim Folha Feminista. É autora de vários artigos sobre o movimento de mulheres, entre eles “O feminismo latino-americano e caribenho: perspectivas diante do neoliberalismo” e “La formación como instrumento para la construcción de um abordaje antipatriarcal”. Integra o Conselho Diretor da Fundação Perseu Abramo desde 2013 e coordenou a Rede Latino-Americana Mulheres Transformando a Economia (REMTE) de 2005 a 2009. Também é  integrante da coordenação internacional da Marcha Mundial das Mulheres (MMM).

Natacha Costa

Natacha Costa
PSICÓLOGA, DIRETORA DA ASSOCIAÇÃO CIDADE ESCOLA APRENDIZ

Natacha Costa é diretora da Associação Cidade Escola Aprendiz, organização que realiza projetos em educação e direitos humanos. A organização desenvolve metodologias e forma gestores, educadores e lideranças sociais. A Cidade Escola Aprendiz foi responsável pela criação do Bairro-escola, uma proposta que articula escolas, comunidades, organizações sociais, empresas e poder público. A tecnologia social foi reconhecida como modelo pelo UNICEF referência para a formulação de políticas públicas de educação integral no Brasil. Além disso, a Associação realiza outros programas, como a iniciativa de redução da evasão escolar intitulada Aluno Presente. Só em 2017, a associação impactou 180.000 pessoas diretamente. Atualmente, é membro da Comissão Editorial de Educação Integral em Tempo Integral da Fundação Joaquim Nabuco/MEC e do Grupo de Trabalho sobre Inovação e Criatividade na Educação Básica. Descendente de imigrantes angolanos, Natacha Costa formou-se em Psicologia pela PUC São Paulo.

Nathália Oliveira

Nathália Oliveira
bacharel em Ciências Sociais , coordena a Iniciativa Negra por Uma Nova Política de Drogas

Nathália Oliveira é bacharel em Ciências Sociais pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Iniciou a sua atuação política e profissional na ONG Centro de Convivência É de Lei, dedicada à redução de danos para os usuários de drogas. Posteriormente, atuou no projeto Gênero e Drogas do Instituto Terra Trabalho e Cidadania (ITTC). Atualmente, coordena a Iniciativa Negra por Uma Nova Política de Drogas  e preside o Conselho Municipal de Política de Álcool e Drogas de São Paulo (Comuda-SP). Participa da Plataforma Brasileira de Política de Drogas, na coordenação e articulação da rede.

Noemi Jaffe

Noemi Jaffe
Escritora paulista, professora de Escrita Criativa e crítica literária

Noemi Jaffe é uma escritora paulista, doutora em Literatura Brasileira pela USP, professora de Escrita Criativa e crítica literária dos jornais Folha de S. Paulo e Valor Econômico. Publicou os livros “Não está mais aqui quem falou”, “O que os cegos estão sonhando?”, “A verdadeira história do alfabeto” (vencedor do Prêmio Brasília de Literatura de 2013), “Quando nada está acontecendo”, “Todas as coisas pequenas”, “comum de dois” e “Írisz: as orquídeas”, além de obras teóricas e didáticas. Ensina escrita criativa e literatura em espaços como Casa do Saber e Escrevedeira, em São Paulo e no Curso de Formação do Escritor, na pós- graduação do Instituto Vera Cruz.

Preta-Rara

Preta-Rara
Rapper, turbanista, professora de história, modelo plus size e influenciadora digital

Preta-Rara é rapper, turbanista, professora de história, modelo plus size e influenciadora digital. Paulista de Santos, começou a fazer rimas aos 12 anos. Aos 20, montou um grupo de rap. Em 2013, incentivada pelo rapper Criolo, decidiu seguir carreira solo. Em 2015, lançou seu primeiro CD, Audácia, por meio de edital de incentivo municipal.  Hoje, tem um canal no Youtube, onde realiza a websérie Nossa Voz Ecoa. Em 2016, Preta-Rara usou sua experiência de sete anos de trabalho em casas de famílias para criar no Facebook a página ‘Eu Empregada Doméstica’. A página recebeu mais de cem mil curtidas em uma semana, e mais de cinco mil relatos de mulheres que sofreram abusos como trabalhadoras domésticas.

Priscilla A. de Sousa Silva

Priscilla A. de Sousa Silva
professora, pesquisadora e coordenadora do projeto de extensão universitária Ciência no Feminino

Priscilla A. de Sousa Silva é professora e pesquisadora, bacharel em Física pela Universidade Federal de Pernambuco e doutora em Ciências pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Aeronáutica e Mecânica. Realizou pós-doutorado na Universidade de Barcelona e estágio de pesquisa na Universidade de Glasglow. Atualmente é Professora Assistente Doutora do Curso de Engenharia Aeronáutica na UNESP - Universidade Estadual Paulista. Além das aulas na graduação, ela orienta alunos e desenvolve pesquisa em Matemática Aplicada na área de Sistemas Dinâmicos, visando aplicações em Engenharia Aeroespacial, particularmente, na Dinâmica Orbital. É também coordenadora do projeto de extensão universitária Ciência no Feminino: inspirando futuras cientistas que busca despertar o interesse de alunas do ensino médio de escolas públicas do município de São João da Boa vista, SP, por carreiras nas áreas de ciência e tecnologia, através do resgate de mulheres que são modelos.

Site | Facebook

Sandra Maria Andrade

Sandra Maria Andrade
quilombola da Comunidade Carrapatos da Tabatinga

Sandra Maria da Silva Andrade é mineira, quilombola da Comunidade Carrapatos da Tabatinga. Tem mais de 20 anos de ativismo na causa quilombola, e é uma das lideranças mais ativas em Minas Gerais, sendo uma das fundadoras da “N’agolo- Federação das Comunidades Quilombolas de Minas Gerais. É coordenadora executiva da CONAQ - Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas. Sandra é filha de Xangô e de Dona Sebastiana Geralda, a reconhecida Mãe Tiana, importante liderança política e espiritual entre o povo quilombola.

Selma Dealdina

Selma Dealdina
MILITANTE, QUILOMBOLA, IDEALIZADORA DO FESTIVAL DO BEIJU

Selma dos Santos Dealdina é quilombola natural do Sapê do Norte, comunidade Angelim III em São Mateus - ES. Cursou Serviço Social como Bolsista do PROUNI na Universidade Anhanguera UNIDERP (EAD) em Vitória/ES.  Iniciou a militância no Movimento Negro “CECUNES”. Festeira de São Benedito desde 2004, com o Grupo Ticumbi o Baile de Congo em Conceição da Barra/ES. È idealizadora, produtora e autora do Festival do Beiju, maior referência de encontro de reflexão, luta e resistência das comunidades quilombolas do Espírito Santo. Na capital do estado, atua como produtora cultural de rodas de samba e grupos de blocos de rua. Atualmente é Secretária Executiva da CONAQ (Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas), Conselheira Suplente de Igualdade Racial e Conselheira Titular Cultura, ambas do Espírito Santo.

Instagram | Facebook | Twitter

Selma Moreira

Selma Moreira
DIRETORA EXECUTIVA DO FUNDO PARA EQUIDADE RACIAL BAOBÁ

Selma Moreira é administradora com especialização em Gestão Estratégica e Comunicação Organizacional, e Relações Públicas pela Universidade de São Paulo. Foi Gerente de Responsabilidade Social do Instituto Walmart, Gerente de Sustentabilidade da Fundação AlphaVille, Gerente de Projetos da Incubadora Tecnologia de Cooperativas Populares da Fundação Getúlio Vargas e atualmente é Diretora Executiva do Baobá – Fundo para Equidade Racial.

Sônia Guajajara

Sônia Guajajara
líder do movimento dos povos indígenas brasileiros, Formada em Letras e em Enfermagem

Sônia Guajajara é uma líder do movimento dos povos indígenas brasileiros. Em 2018, foi a primeira indígena a integrar uma chapa presidencial na história do país. Formada em Letras e em Enfermagem, especialista em Educação especial pela Universidade Estadual do Maranhão, é professora do Ensino Médio. Coordenadora Executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) e voz no Conselho de Direitos Humanos da ONU. Em 2015 recebeu a Ordem do Mérito Cultural, condecoração outorgada pelo Ministério da Cultura (MinC).

Sueli Carneiro

Sueli Carneiro
filósofa doutora em educação e coordenadora executiva do Geledés Instituto da Mulher Negra

Sueli Carneiro é militante feminista e anti-racista, coordenadora executiva do Geledés Instituto da Mulher Negra e editora do Portal Geledés. Filósofa, doutora em Educação pela Universidade de São Paulo; fellow da Ashoka Empreendedores Sociais. Foi durante sete anos articulista do jornal Correio Braziliense. Membro do conselho consultivo da Anistia Internacional Brasil e membro do conselho deliberativo do Fundo Baobá para a Equidade Racial. Autora de diversos artigos sobre as questões de gênero, raça e direitos humanos em publicações nacionais e internacionais.

Tamy Rosele Penz

Tamy Rosele Penz
Escritora

Tamy Rosele Penz é escritora gaúcha. Formada em Comunicação na UFRGS, morou três anos em Londres, onde estudou turismo. É escoteira, e foi através do movimento que começou a viajar. Já passou por mais de 60 países e com tantos amigos pedindo dicas e ajuda para organizar suas viagens, decidiu escrever “Mochila nas Costas e Pé na Estrada – As Dicas da Tamy”. Em 2017 desbravou a África ao longo de 6 semanas. O resultado foi a coautoria do livro "Bravas Viajantes – histórias de sete mulheres se aventurando sozinhas por sete cantos do mundo", da Editora O Viajante.

Instagram | Facebook

Vera Maria Ferreira

Vera Maria Ferreira
pesquisadora e vice-curadora da coleção de mamíferos do inpa

Vera Maria Ferreira da Silva é pesquisadora pioneira nas pesquisas sobre mamíferos aquáticos no Brasil e dedica-se, há quase quatro décadas, aos estudos da bioecologia dos golfinhos amazônicos. Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade de Brasília, com mestrado pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e doutorado pela Universidade de Cambridge (UK), como bolsista do Programa  Chevening. Docente do Curso de pós-graduação em Biologia Aquática e Pesca Interior (BADPI) e pesquisadora titular do Inpa desde 1981, dirige o Laboratório de Mamíferos Aquáticos e atua como vice-curadora da Coleção de Mamíferos do mesmo instituto. Coordenou, por três vezes, o grupo de trabalhos para a revisão das espécies de mamíferos aquáticos da Lista das espécies brasileiras ameaçadas de extinção, e o grupo de trabalhos para a elaboração do Plano Nacional das Espécies Ameaçadas (PAN) junto ao ICMBio. Participou como consultora de diversos documentários nacionais e internacionais sobre os mamíferos aquáticos da Amazônia, entre eles a Expedição Cousteau na Amazônia, da BBC e da National Geographic. Em 2004, recebeu o prêmio 4th Kobe Award (Kobe, Japão) em reconhecimento ao seu trabalho na conservação dos mamíferos aquáticos da Amazônia.

Verônica Santana

Verônica Santana
líder feminista rural no Nordeste

Maria Verônica de Santana é liderança feminista rural no Nordeste. Agricultora assentada e educadora popular, milita há mais de 30 anos nos movimentos sociais de agroecologia, promovendo a participação e incidência política das mulheres rurais. Nascida no Alto Sertão de Sergipe, no ano de 1967, Veronica é casada, mãe de dois filhos e uma filha, avó de um neto, tendo concluído o nível médio e realizado sua formação política nos movimentos sociais. É integrante da Marcha das Margaridas, da Marcha Mundial de Mulheres e do GT Mulheres da Articulação Nacional de agroecologia, e atualmente assume a Coordenação Executiva do MMTR-NE, com atuação nos nove estados do Nordeste e ocupação de diversos espaços institucionais nacionais e internacionais.

Instagram | Facebook

Vivian Fiorio

Vivian Fiorio
Jornalista

Vivian é jornalista gaúcha que vive em São Paulo. Mãe de dois filhos, por meio da adoção junto com sua ex-esposa. Na faculdade, recebeu o prêmio de Direitos Humanos de Jornalismo da OAB pela reportagem “Sexo Infantil por R$ 1,99”, trabalho que a despertou para esse universo brutal de meninas e mulheres que se prostituem para sobreviver e sustentar suas famílias. Desde então, a adoção e o ativismo feminino foram lutas inevitáveis, muitas delas impostas com o peso do preconceito racial, social e sexual que sua família carrega. Com especialização em sóciopsicologia, ela busca desmitificar os laços formados pelos novos modelos familiares como uma realidade pungente que precisa ser vista, respeitada e legitimada acima de qualquer rótulo.

Instagram | Facebook | Linkedin

Viviane Duarte

Viviane Duarte
CEO DO PLANO FEMININO E PRESIDENTE DO INSTITUTO PLANO DE MENINA

Viviane Duarte é CEO do Plano Feminino, empresa que  dá consultoria à empresas e marcas com foco em gênero, raça e diversidade. É também presidente do Instituto Plano de Menina, projeto social que conecta meninas de comunidades com mulheres de diversas habilidades por meio de workshops sobre autoestima, educação financeira, empreendedorismo e carreira. Reconhecida pela Veja São Paulo como "Paulistana Nota 10" e pelo Google Women como destaque em Inovação de Negócios.  

Convidadas locais

Adriana Facina

Adriana Facina
professora do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social/Museu Nacional/UFRJ

Adriana Facina é graduada em História (1995), mestre em História Social da Cultura (1997), doutora em Antropologia Social pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social/Museu Nacional/Universidade Federal do Rio de Janeiro (2002), com pós-doutorado pela mesma instituição (2008-2009). É professora do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social/Museu Nacional/UFRJ. Publicou, entre outros, os livros Santos e canalhas: uma análise antropológica da obra de Nelson Rodrigues (Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2004), Literatura e sociedade (Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2004) e Vou fazer você gostar de mim. Debates sobre a música brega (Multifoco, 2011). Desenvolveu pesquisa de pós-doutoramento sobre música e lazer popular no Rio de Janeiro, com ênfase no funk. Atualmente pesquisa a produção cultural em favelas cariocas.

Agrippina Manhattan

Agrippina Manhattan
artista visual pesquisadora

Agrippina R. Manhattan é artista visual, pesquisadora e travesti. Sua pesquisa passa por processos de subjetivação, gênero e suas estruturas, linguagem e identidade. Graduanda em História da Arte pela Escola de Belas Artes da UFRJ. É aluna do Programa de Formação da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, arte-educadora no Museu de Arte Contemporânea de Niterói, assistente de pesquisa no programa MAR aberto do Museu de Arte do Rio e professora de História da Arte no Prepara Nem de Niterói.

Aline Silva

Aline Silva
atleta olímpica

Aline Silva é medalhista de quatro Sul-americanos (2008-2014), dois Pan-americanos (2011 e 2015), dois Mundiais (com a medalha de prata, o melhor resultado da história do Brasil), um Golden Grand Prix e atleta olímpica Rio 2016 na modalidade Wrestling (Luta Olímpica). Além do bronze no Pan-americano de Toronto, a atleta do SESI-SP tem 14 títulos brasileiros de luta olímpica na categoria até 76 kg. Em 2014, a lutadora conquistou o ouro nos jogos Sul-Americanos, no Mundial Militar e no Grand Prix de Paris, alcançando o terceiro lugar no ranking mundial. Em 2016 ganhou mais uma medalha de ouro no Campeonato Mundial Militar realizado na Macedônia, além de outras honrarias. Aline defende hoje o SESI-SP e tem apoio do programa Bolsa Pódio, do Ministério do Esporte. É idealizadora do projeto Mempodera que tem o objetivo de promover a igualdade de gênero através do esporte, empoderando meninas para que saibam que elas podem escolher ser o que quiserem na vida. “Esporte é educação e ensina a vida!”

Amalia Fischer

Amalia Fischer
coordenadora geral do ELAS - Fundo de Investimento Social

Amalia Fischer é coordenadora geral do ELAS - Fundo de Investimento Social, que tem como missão promover e fortalecer os direitos e o protagonismo das mulheres, mobilizando e investindo recursos em suas iniciativas. O ELAS apoia todos os anos milhares de mulheres de diferentes etnias, raças, orientações sexuais, histórias de vida e perspectivas, direta e indiretamente, em projetos que somam diversidade, transversalidade e inovação.

Site | Facebook

Ana Amélia Macedo

Ana Amélia Macedo
jornalista e autora

Ana Amélia Macedo é jornalista e autora. Formada em jornalismo na PUC-RJ, trabalhou como estilista na própria marca Ana A. e como figurinista para vídeo-clips e comerciais durante longo tempo. Escreveu e publicou dois livros com a psicóloga Solange Diuana: “Histórias de Adoção: As Mães” e “Histórias de Adoção: Os Pais”  (2017). Nos livros, pais e mães dão seus depoimentos sobre as experiências da maternidade e da paternidade, a espera e o encontro com seus filhos por adoção, os preconceitos enfrentados e também o grande amor que sentem. Baseada nessas histórias, Ana Amélia criou duas temporadas da série de televisão Histórias de Adoção, produzido pela TvZero para o canal GNT. Dirigiu com o cineasta Roberto Berliner o filme Buscando Helena, em que mostram como adotaram sua filha. O filme ganhou o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, na categoria Curta Documental em 2017. Ana Amélia e Roberto são casados e têm dois filhos pela via da adoção: Antonio e Helena.

Ana Inês Sousa

Ana Inês Sousa
Professora da UFRJ e pesquisadora do NUPENSC

Ana Inês Sousa é professora do Departamento de Enfermagem de Saúde Pública da Escola de Enfermagem Anna Nery, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Membro da Associação Brasileira de Enfermagem (ABEn) e da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO). É também pesquisadora do Núcleo de Pesquisa em Enfermagem e Saúde Coletiva (NUPENSC), atuando principalmente nos seguintes temas: epidemiologia, enfermagem de saúde pública, saúde do idoso, entre outros.

Ana Paula Gualberto

Ana Paula Gualberto
produtora executiva da Arena Carioca Dicró

Ana Paula Gualberto é produtora empírica desde 2011, iniciou sua trajetória em eventos independentes de hip-hop em conjunto com o grupo de pichadores que fazia parte. Com experiência em organizações relacionadas a movimentos sociais, já produziu festivais de teatro como colaboradora do Sesc, além de diversos projetos de artes visuais, graffiti, entre outros. Graduanda em Produção Cultural pelo Instituto Federal do Rio de Janeiro, atualmente é produtora executiva da Arena Carioca Dicró.

Facebook

Ana Paula Lisboa

Ana Paula Lisboa
Dirige a produtora Aláfia, é Youtuber e escritora

Ana Paula Lisboa é a mais velha de quatro irmãos, filha de dois pretos. Favelada e carioca de nascimento, atualmente divide a vida entre o Rio de Janeiro e Luanda, onde dirige a produtora Aláfia. Escritora, publicou contos e poesias em coletâneas nacionais e internacionais. Desde 2016, escreve periodicamente para a revista feminista AzMina e para o Segundo Caderno do jornal O Globo. Em 2018, criou o programa Querendo Assunto, no Youtube. O talk show reúne as apresentadoras Ana Paula Lisboa, Ellen Paes e Taísa Machado para discutir assuntos como política, trabalho, alimentação, maternidade, economia, autocuidado, cultura, beleza, saúde, comportamento, sexo e espiritualidade.

Ana Paula Moura

Ana Paula Moura
Organizadora e autora do livro "Educação de Jovens e Adultos em debate"

Ana Paula Moura é professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pesquisadora do Laboratório de Investigação Ensino e Extensão de Educação de Jovens e Adultos. Coordenadora na Extensão Universitária do Programa Integrado da UFRJ para Educação de Jovens e Adultos. Organizadora e autora do livro Educação de Jovens e Adultos em debate (2017). Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ -1995), Mestrado em Educação pela Universidade Federal Fluminense (UFF - 2002), Doutorado em Linguística pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ -2009). Tem experiência em Educação Popular, atuando principalmente nos seguintes temas: educação de Jovens e Adultos; alfabetização, extensão universitária, formação de professores.

Ana Paula Pessoa

Ana Paula Pessoa
Presidente do Conselho de Administração da Kunumi AI e membro do conselho global do Credit Suisse

Ana Paula é sócia e presidente do Conselho de Administração da Kunumi AI, empresa de inteligência artificial 100% brasileira. É membro do conselho global do Credit Suisse, em Zurique, da News Corporation, em Nova York, e do Grupo Vinci, em Paris.  Atua ainda em iniciativas ambientais e de educação. É membro de conselhos da Universidade de Stanford, na Califórnia; da The Nature Conservancy Brasil; da Fundação Roberto Marinho, e da espanhola Instituto Atlântico de Gobierno. Foi diretora financeira do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. Trabalhou por 18 anos em empresas das Organizações Globo. Também atuou no Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e no Banco Mundial, nos EUA e na África. Bacharel em Economia e Relações Internacionais, Ana Paula é Mestre em Economia do Desenvolvimento pela Universidade de Stanford.

Andreza Jorge

Andreza Jorge
Dançarina e Coordenadora pedagógica da casa das mulheres

Andreza Jorge é licenciada em dança, mestranda em relações étnicos raciais. Coordenadora pedagógica da casa das mulheres, coordenadora e idealizadora do projeto de dança mulheres ao vento, moradora da Maré e mãe da Alice Odara.

Angélica Ferrarez

Angélica Ferrarez
historiadora, professora e ativista social

Angélica Ferrarez é mãe da Ynaê e idealizadora e apresentadora da websérie Rodadas, um diálogo entre mulheres negras sobre mulheres no mundo. Doutoranda a serviço das mulheres no samba, ela prepara o “biografema” da porta bandeira Tia Dodô da Portela, tema que parte de sua pesquisa sobre as tias pretas no samba. Historiadora por formação, professora por vocação e ativista social por existência.

Site | Instagram

Antonia Pellegrino

Antonia Pellegrino
CIENTISTA SOCIAL, ESCRITORA E ROTEIRISTA

Antonia Pellegrino é uma das vozes mais ativas do feminismo no Brasil e uma roteirista premiada. Escreveu os longas metragens Bruna Surfistinha, Tim Maia e Éden que, juntos, somam mais de 4 milhões de espectadores. Formada em Ciências Sociais, tem mestrado em Letras. É autora do livro Cem Ideias Que Deram Em Nada e curadora do blog #AgoraÉQueSãoElas, da Folha de S.Paulo, jornal do qual também é colunista. Também assinou colunas nas revistas TPM e Serafina.  Articulou a  campanha em rede de combate à violência contra mulher, #MexeuComUmaMexeuComTodas, em 2017, e a mobilização #AgoraÉQueSãoElas, em 2015. É realizadora do documentário #PrimaveraDasMulheres. Atualmente, escreve e apresenta o programa Blasfêmea, no canal web Hysteria e é produtora e roteirista do longa metragem Manas, sobre abuso e exploração sexual no Pará.

Instagram | Twitter | Facebook

Beatriz Azeredo

Beatriz Azeredo
ECONOMISTA, DIRETORA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL E RELAÇÕES PÚBLICAS DA TV GLOBO.

Beatriz Azeredo é professora titular do Instituto de Economia da UFRJ. Doutora em Economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Foi Assessora Técnica na Assembléia Nacional Constituinte e no Congresso Nacional, além de Diretora de Políticas Sociais do Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA) em 1995. Foi Superintendente e Diretora das Áreas de Desenvolvimento Social, Infra-Estrutura Urbana e Planejamento do BNDES por 6 anos. Sua tese de Doutorado resultou no livro" Políticas Públicas de Emprego? A Experiência Brasileira". Atualmente é Diretora de Responsabilidade Social e Relações Públicas da TV Globo.

Camila Habdallah

Camila Habdallah
assistente social, Especialista em Gênero, Sexualidade e Direitos Humanos e Doula

Camila Habdallah é assistente social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Janeiro (PUC-Rio). Especialista em Gênero, Sexualidade e Direitos Humanos e Doula. Dedica seus estudos e carreira aos direitos sexuais e reprodutivo das mulheres. Em 2017, em parceria com a British Council e com as ONGs Recorde e Educap, criou o projeto social Maternidade Consciente, com o objetivo de disseminar a humanização do parto para todas as mulheres. Em 2018 defendeu o trabalho de conclusão de curso: Parto Humanizado no Complexo do Alemão: A luz dos direitos humanos na Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo cruz

Cintia Sant'Anna

Cintia Sant'Anna
Atriz e produtora cultural

Cintia Sant'Anna é filha da Dona Eva. Favelada e cria do Morro da Providência. Atriz formada pelo grupo Tá Na Rua e pela Escola Técnica de Teatro Martins Penna. Produtora Cultural, realiza eventos culturais e sociais no Morro da Providência desde 2010. Em 2013 abriu a associação cultural Colombina Realizações com a produtora Monica Saturnino. Fundou em 2012 o Entre o Céu e a Favela, que mantém um coletivo formado por produtores culturais do Morro da Providência e região portuária. Idealizadora do Grupo Bando Teatro Favela, que oferece aulas de teatro para crianças em projetos sociais. Criadora do projeto Feminino Plural, o mesmo realiza atividades usando o teatro e a música como ferramenta para criar um espaço seguro de fala e assim resgatar a autoestima de meninas e mulheres.

Clarisse Linke

Clarisse Linke
Diretora executiva do Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP)

Clarisse Cunha Linke é diretora executiva do Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP) Brasil, dedicado à promoção do transporte sustentável. Desde 2001, trabalha em planejamento e implementação de políticas e programas sociais, com experiência no Brasil, Moçambique e Namíbia. É mestre em Políticas Sociais, ONGs e Desenvolvimento pela London School of Economics and Political Science e pós graduada em Terceiro Setor pelo Instituto de Economia da UFRJ. De 2006 a 2011, fez parte do corpo de diretores da Bicycling Empowerment Network Namibia (BEN Namibia), rede de distribuição de bicicletas integrada à implementação de empreendimentos sociais na África. Em 2010, foi premiada pela Ashoka no Desafio Mulheres, Ferramentas e Tecnologia. É conselheira de várias instituições municipais, brasileiras e internacionais voltadas ao desenvolvimento urbano e ao transporte.

Facebook "ITDP Brasil"

Constança Scofield

Constança Scofield
música e advogada

Constança Scofield é música e advogada formada pela UFBA. Integrou a banda Penélope como flautista e tecladista entre 1996 e 2003. Gestora do Estúdio Toca do Bandido (Gil, Milton, Maria Rita, Seu. Jorge, ORappa, Lenine, Nando Reis, Joss Stone, etc) desde o falecimento do seu marido, o produtor musical e diretor artístico da Warner Music, Tom Capone, em 2004. Implantou um sistema de "guest house" viabilizando a imersão e projetos como o reality “Geleia do Rock, Multishow” e “Converse Rubber Tracks”. A despeito das turbulências do mercado da música, nos últimos 13 anos, a Toca do Bandido permaneceu sendo o estúdio de discos premiados, consagrou-se como uma marca icônica, integrando listas de estúdios "breathtaking" pelo mundo. Fundadora e diretora artística do selo e editora Toca Discos desde 2005, ela abraça e contribui com o movimento #acenavive desenvolvendo artisticamente novos artistas, atuando diretamente na renovação e aprimoramento de uma geração de músicos. Se prepara para o lançamento de um novo projeto de música que irá englobar experiências, cursos e capacitação.

Facebook

Cris dos Prazeres

Cris dos Prazeres
produtora cultural, roteirista e ativista social

Cris dos Prazeres é produtora cultural, roteirista e ativista social. Fundadora do Grupo Proa (Proa - Prevenção com Amor), projeto com foco na promoção da saúde, principalmente a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), voltado para moradores do Morro dos Prazeres, em Santa Teresa. Coordenadora do projeto ReciclAção, que por meio da educação ambiental fomenta a reciclagem de resíduos na comunidade.

 

Denise Ribeiro

Denise Ribeiro
Socióloga e fundadora do projeto Mãos que Criam

Denise Ribeiro é  uma professora de Sociologia do Rio de Janeiro.  Aos 16 anos, após a separação dos pais, precisou interromper os estudos para trabalhar e ajudar a sustentar a mãe e as irmãs. Em 1999, prestou concurso para o Município e foi trabalhar como merendeira em uma escola. Em 2000, voltou a estudar e conseguiu concluir o ensino médio. Prestou vestibular para Sociologia, decidida a compreender melhor as desigualdades sociais que marcam a sua vida e a de tantos brasileiros e fluminenses como ela.  Formada, em 2006 prestou concurso para professora de Sociologia da rede pública estadual. Em 2011, passou a dar aulas com a esperança de contribuir para a consciência cidadã dos alunos.  Denise criou ainda o projeto Mãos que Criam, que ensina técnicas de artesanato e reciclagem e apoia adultos a investir na educação.

Eblin Farage

Eblin Farage
Coordenadora do Núcleo de estudos e Pesquisas sobre favelas e Espaços Populares (NEPFE)

Eblin Farage é assistente social, mestre em Serviço Social pela UFRJ, doutora em serviço Social pela UERJ, professora do curso de serviço Social da UFF. Coordenadora do Núcleo de estudos e Pesquisas sobre favelas e Espaços Populares (NEPFE). Foi militante de vários movimentos sociais, desde os 14 anos. Atualmente milita no movimento sindical do ensino superior.Foi fundadora da REDES da Maré. Trabalha com a temática da educação superior, movimentos sociais urbanos, favela, educação popular.

Elen Ferreira

Elen Ferreira
Colaboradora e membro do Coletivo Negro Luisa Mahin

Elen Ferreira é graduanda em Pedagogia pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Professora nos Anos Iniciais da Educação Básica e representante do Programa Saúde na Escola, pela Gerência de Educação na 1ª CRE - Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Arte-educadora em seu projeto cultural "Experienciando, um registro literário", também atua junto ao projeto "Entre o Céu e a Favela" no Morro da Providência, onde articula ações voltadas ao acolhimento de mulheres vítimas da violência doméstica e do Estado. Colaboradora e membro do Coletivo Negro Luisa Mahin, integra o Grupo de estudos de Educação desde El Sur (GeaSur/UNIRIO) e é parte da Rede Carioca de Etnoeducadoras Negras (UNIRIO).

Elena Martinis

Elena Martinis
Consultora em Empreendedorismo Feminino e Negócios Sociais

Elena Martinis é Consultora em Empreendedorismo Feminino e Negócios Sociais. Possui MBA em Gestão de Pequenas Empresas (FGV), MBA em Gestão do Conhecimento (PUC) e MBA em Responsabilidade Social (UFRJ). É palestrante convidada em diversas instituições, como a COPPE/UFRJ; IBMEC; ESPM e Asplande. É uma das fundadoras da Rede de Mulheres Líderes pela Sustentabilidade e membro do Mulheres do Brasil. Participa semanalmente de programa de rádio sobre empreendedorismo na Rádio Globo e apresenta na internet o quadro de entrevistas Conversas Que Inspiram, com mulheres de negócios. Também é autora do livro Mulher de Negócios - Faça sua Empresa Acontecer e coautora de Ensino de Empreendedorismo no Brasil.

Facebook | Site Elena Martinis

Eleutéria Amora da Silva

Eleutéria Amora da Silva
fundadora e coordenadora da Casa da Mulher Trabalhadora

Eleutéria Amora da Silva é professora de História na Universidade Federal do Ceará, especialista em Politicas Públicas pela Universidade Cândido Mendes. É fundadora e coordenadora da "Casa da Mulher Trabalhadora" e também diretora executiva da Associação Brasileira de ONG's.

Elisa Lucinda

Elisa Lucinda
Poetisa, jornalista, professora, cantora e atriz brasileira

Elisa Lucinda é poetisa, jornalista, professora, cantora e atriz brasileira.  Ela é uma multi-artista reconhecida pelo seu ativismo em relação a questões sobre gênero e raça. Fundou a Casa Poema, no Rio de Janeiro, onde são oferecidos saraus, encontros com escritores, oficinas e cursos de poesia falada. Com mais de 11 livros publicados, sua obra de maior sucesso é a comédia poética Parem de falar mal da rotina.

Fernanda Honorato

Fernanda Honorato
repórter no Programa Especial da TV Brasil

Fernanda Honorato foi a primeira repórter com síndrome de down do país. Desde 2006, é repórter no Programa Especial da TV Brasil. Atleta líder da Special Olympics do Brasil e rainha de bateria de escola de samba, Fernanda também é atriz. Em seu programa de TV divulga os direitos e as potencialidades das pessoas com deficiência. Também faz palestras pelo Brasil.

Flávia Oliveira

Flávia Oliveira
Jornalista

Flávia Oliveira da Fraga é formada pela Universidade Federal Fluminense, especialista em temas socioeconômicos, como pobreza, desenvolvimento humano e desigualdade social. Começou a carreira como repórter do Jornal do Commercio, em 1992, no Rio de Janeiro. Logo depois, foi repórter de Economia no Jornal O Globo. Em 2003, ganhou o Prêmio Jornalismo para Tolerância, concedido pela Federação Internacional de Jornalistas (FIJ), pela coedição do suplemento "A Cor do Brasil, no O Globo. No mesmo ano, também ganhou o Prêmio Elizabeth Neuffer da Associação dos Correspondentes da ONU, por um conjunto de reportagens sobre Desenvolvimento Humano. Tem vários outros prêmios no currículo como Esso de Jornalismo 2001,Fiat Allis de Jornalismo Econômico, Ayrton Senna e Imprensa Embratel, em 2002, Imprensa Embratel 2003. Atualmente assina a coluna "Fora de Foco" no Jornal O Globo e é comentarista de Economia do programa Estúdio i, da GloboNews.

Gabi Agustini

Gabi Agustini
Fundadora e diretora executiva do Olabi

Gabi Agustini é fundadora e diretora executiva do Olabi, uma organização focada em estimular o uso de tecnologias para transformação social. A instituição coordena dois makerspaces  -- espaços de experimentação com uso de eletrônica, robótica, design e impressão 3D – no Rio de Janeiro. O Olabi auxilia instituições públicas e privadas, nacionais e internacionais, a desenhar programas e ações para a democratização do uso de ferramentas de inovação. Gabriela é professora de Cultura e Tecnologia na Universidade Candido Mendes, curadora do Colaboramerica, festival sobre economia colaborativa, e membro do conselho do Global Innovation Gathering, organização com sede em Berlim que reúne inovadores de mais de 20 países. Gabriela também é coautora da coletânea De Baixo para Cima, sobre cultura digital e transformação da sociedade.

Twitter | Intagram | Facebook | Instagram "Olabi" | Facebook "Olabi" | Grupo Facebook "Olabi"

Gabi Monteiro

Gabi Monteiro
diretora criativa e pesquisadora

Gabi Monteiro é favelada do  Chapéu Mangueira (Leme), militante estética e pesquisadora. Formada em Designer de Moda pela PUC- RJ, atua como diretora criativa na marca homônima, para qual cria peças de vestuários e acessórios atribuídos de multifunção, pensando novas maneiras de fazer moda através da tecnologia. Ela entende que  espaço criativo é espaço de poder, por isso pensa a moda como ferramenta importante para ditar ou desconstruir estereótipos. Inspira-se na história dos negros que chegaram ao Brasil de maneira escravizada no período colonial. Sua pesquisa estética “Racismo é Estético” - apresentada na Universidade de Manchester (Inglaterra) - aborda histórias desconhecidas sobre a formação do  Brasil no século XIX. A partir desse conteúdo, Gabi reflete na sua produção sobre o comportamento e o lugar que o jovem periférico ocupa na estrutura social, sendo tudo pensado através de uma perspectiva de reconexão com a sua ancestralidade.

Instagram

Gilmara Cunha

Gilmara Cunha
Fundadora do Grupo Conexão G de Cidadania LGBT de Favelas

Gilmara Cunha é moradora do complexo de favelas da Maré, universitária, negra, pobre e trans. Especialista na temática LGBT, ela luta pela melhoria de vida da comunidade no contexto da favela. Foi a primeira transexual a receber a Medalha Tiradentes, concedida pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) pelos serviços prestados à população LGBT. Fundadora da primeira organização LGBT em território de favelas no Brasil, denominada Grupo Conexão G de Cidadania LGBT de Favelas.

Facebook | Instagram

Giordana Moreira

Giordana Moreira
Produtora Cultural

Giordana Moreira é uma Produtora Cultural formada pela escola do “Faça você mesmo”, há mais de quinze anos. Produz e dirige festivais, shows, exposições, além da formação na área, e hoje é Bacharelanda em Produção Cultural pelo IFRJ. Em sua trajetória na Baixada Fluminense, território popular de onde é natural, criou e participou de diversos coletivos, bem como movimentos e iniciativas socioculturais, onde é reconhecida como uma Ativista Cultural. Com uma atuação focada no circuito de musica independente e cultura urbana tornou-se feminista em um meio altamente masculinizado. Desde 2008 discute as relações de gênero na cultura através de suas realizações, como o projeto Grafiteiras pela Lei Maria da Penha, entre outros. Em 2011 criou a Roque Pense! uma rede de mulheres Produtoras Culturais que realizam diversos projetos, entre eles o Festival Roque Pense! um dos mais importantes para o protagonismo feminino no rock do país. Hoje é Produtora Executiva do Canal Roque Pense! promovendo bandas de rock com mulheres e feminismos.

Gladys Schincariol

Gladys Schincariol
Psicóloga

Gladys Schincariol nasceu em Boituva/ SP, em 1949. Formou-se em psicologia pela PUC de Campinas e em 1974 iniciou seus estudos no campo da Saúde Mental, com a médica Nise da Silveira, nos ateliês terapêuticos do Museu de Imagens do Inconsciente (MII) no Centro Psiquiátrico Pedro II, no Rio de Janeiro. Trabalhou na Casa das Palmeiras, clínica de portas abertas destinada a egressos de hospitais psiquiátricos e participou do movimento dos trabalhadores de Saúde Mental pela Luta Antimanicomial e pela Reforma Psiquiátrica brasileira. Desde 1979 coordena os projetos de pesquisa, de preservação e manutenção dos acervos do Museu de Imagens do Inconsciente e das atividades clínicas nos ateliês terapêuticos, supervisionando e orientando estagiários e estudiosos.

Gracy Mary Moreira

Gracy Mary Moreira
Ativista da cultura afro-brasileira e Conselheira Estadual de Politicas Culturais do Rio de Janeiro

Gracy Mary Moreira é criadora e ativista da cultura afro-brasileira. Bisneta de Tia Ciata, mãe de santo que no início do século XX ajudou a desenvolver e consolidar o samba no Rio de Janeiro, ela dirige a Organização Cultural Remanescentes de Tia Ciata, que realiza eventos e ações de valorização do samba, defesa da liberdade religiosa, direitos da mulher e igualdade racial. É conselheira estadual de Políticas Culturais do Rio de Janeiro e membro do Fórum Permanente de Educação e Diversidade Étnico-Racial do Estado do Rio de Janeiro. Participou da elaboração do dossiê do sítio arqueológico do Cais do Valongo, foi curadora do Museu do Negro e fez parte da comissão organizadora da Conferência Municipal da Igualdade Racial, entre outras atividades.

Facebook | Blog

Helena Celestino

Helena Celestino
Jornalista, roteirista, curadora, moderadora.

Helena Celestino é repórter, colunista e correspondente internacional com longa experiência na cobertura de grandes eventos mundiais, com foco em cultura, gênero, direitos humanos, movimentos sociais, relações internacionais, política, economia e meio-ambiente. Selecionada num edital da Ancine, está escrevendo o roteiro para o documentário Envelhecer não é para fracos, sobre as mulheres da segunda onda feminista que chegam agora aos 60/70. Colabora com a revista de cultura do jornal Valor Econômico - Você & Fim de Semana - e com o site Colabora. Foi correspondente em Paris, Nova York e Londres durante 13 anos para O Globo, em períodos alternados com o posto de Editora executiva do jornal, responsável por textos, criação, planejamento, produção, edição de jornais, suplementos de cultura, cadernos especiais e publicações. De 2012 a 2015, manteve coluna publicada duas vezes por semana na editoria Mundo do Globo. Fez a curadoria e mediação de um ciclo de debates em 2017 na Biblioteca Nacional. É formada em Jornalismo e Comunicação pela UFRJ e tem mestrado em Antropologia da Universidade de Paris VII.

Heloísa Buarque de Hollanda

Heloísa Buarque de Hollanda
ensaísta, escritora, editora, crítica literária e pesquisadora

 Heloísa Buarque de Hollanda uma ensaísta, escritora, editora, crítica literária e pesquisadora brasileira. Formada em Letras Clássicas pela PUC-Rio, com mestrado e doutorado em Literatura Brasileira na UFRJ e pós-doutorado em Sociologia da Cultura na Universidade de Columbia, em Nova York. É diretora do Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC/LETRAS/UFRJ), onde coordenada os laboratórios: Laboratório de Tecnologias Sociais onde desenvolve o projeto Universidade das Quebradas e do Laboratório da Palavra, espaço experimental de articulação entre tecnologia e as expressões e práticas da palavra. É autora de muitos livros, entre eles, Macunaíma, da literatura ao cinema; 26 Poetas Hoje; Impressões de Viagem; Cultura e Participação nos anos 60; Pós-Modernismo e Política; O Feminismo como Crítica da Cultura; Guia Poético do Rio de Janeiro; Asdrúbal Trouxe o Trombone: memórias de uma trupe solitária de comediantes que abalou os anos 70; ENTER Antologia Digital e Escolhas, uma autobiografia intelectual.

Isabela Souza

Isabela Souza
Diretora de Projetos de Arte e Território do Observatório de Favelas

Isabela Souza é diretora de Projetos de Arte e Território do Observatório de Favelas. Doutoranda em Geografia pela Universidade Federal Fluminense (UFF), é mestre em Planejamento Urbano e Regional pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); tem MBA em Gestão de Projetos pelo IBMEC - RJ e é bacharel em Turismo pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Isabela nasceu e cresceu na Maré e, desde 2011, integra o quadro do Observatório, onde tem se dedicado a pesquisar os temas mulheres, violências e cidade.

Facebook

Isabella Rosado Nunes

Isabella Rosado Nunes
jornalista e consultora

Isabella Rosado Nunes é jornalista, com pós-graduação em Marketing, é consultora em Criação e Gestão de Instituição Cultural, Comunicação Estratégica e Responsabilidade Social. Diretora da MINA Comunicação e Arte, em sociedade com Marina Nunes Martins, desenvolve projetos culturais e de audiovisual em parceria com artistas e organizações brasileiras e internacionais. Por meio da MINA, tem como princípio criar e realizar projetos cuja produção seja coletiva, e que tenham como finalidade a promoção dos direitos humanos e a melhoria das condições da Sociedade. Nos últimos 15 anos, Isabella Rosado Nunes vem atuando voluntariamente em diversas organizações sociais, dentre as quais: Associação Saúde Criança, Instituto Rio, Instituto Rubens Gerchman, Cia. Completa Mente Solta e Movimento de Mulheres de Apoio Humanitário (essas duas na comunidade do Vidigal, Zona Sul do RJ). Tem 52 anos e é mãe de Marina, de 23 anos.

Facebook | Instagram

Ivanir Mendes

Ivanir Mendes
gastróloga e ativista dos Direitos Humanos

Ivanir Mendes dos Santos é de Ceará Mirim, no interior do Rio Grande do Norte. Aos 18 anos vem para o Rio de Janeiro em busca de uma vida melhor, onde por 20 anos reside no Morro do Cantagalo, Copacabana. Na comunidade teve e criou seu único filho: Moisés Mendes Santana. O seu mundo ruiu quando Moisés foi torturado e assassinado pela UPP do Morro do Cantagalo Pavão Pavãozinho. Assim Ivanir começou a sua via crúcis em busca de justiça, não somente para si mas para outras mães que passam ou passaram pela mesma dor. Nesse meio tempo, formou-se em Gastronomia pela Universidade Estácio de Sá, é feminista, ativista dos Direitos Humanos e militante na AMB (Articulação de Mulheres Brasileiras) e na  Rede de Familiares Vítimas de Violência do Estado. Hoje habita na Ocupação Manuel Congo, no Centro da cidade, onde faz parte também do MNLM (Movimento de Luta pela Moradia). A luta primordial de Ivanir é que outras mulheres não percam seus filhos de forma tão estúpida, por isso constantemente busca aperfeiçoar-se através de capacitações e cursos da militância, que lhe ajudam com suas vivências pessoais e profissionais. Ivanir acredita que com a luta das mães que tiveram os seus filhos exterminados pelo braço do Estado mais mulheres chegarão aos espaços de poder. “Mais mulheres em cargos legislativos, mais parceiras de luta pelo fim do genocídio do nosso povo negro, do nosso povo pobre, e principalmente dos jovens de favelas e periferias.”.

Jackie Silva

Jackie Silva
Ex jogadora de vôlei de praia e técnica de equipes

Jackie Silva é uma das pioneiras no vôlei de praia. Foi considerada a rainha do esporte nos Estados Unidos em 1996, quando o vôlei de praia estreou como modalidade olímpica. Com Sandra Pires, se tornou a primeira mulher a conquistar uma medalha de ouro em olimpíadas, a primeira brasileira a conquistar ouro em esportes coletivos. Hoje, Jackie se dedica ao projeto Atletas Inteligentes, através do qual incentiva o jovem a se manter na escola através do vôlei. O projeto lhe rendeu o prêmio de campeão pelo esporte da Unesco, ao lado de outros esportistas da sua magnitude como Pelé e Michael Schumacher. Jackie também é técnica de equipes e realiza palestras motivacionais e clínicas de vôlei.

Jacqueline Pitanguy

Jacqueline Pitanguy
Socióloga e coordenadora executiva da ONG CEPIA

Jacqueline Pitanguy é socióloga, coordenadora executiva da organização não governamental CEPIA - Cidadania, Estudo, Pesquisa, Informação e Ação e membro do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher. Pitanguy foi uma das responsáveis pelas conquistas das mulheres na Constituição de 1988, que abriu caminho para avanços como a Lei Maria da Penha. É organizadora do livro “Saúde, corpo e sociedade” (Editora UFRJ) e pesquisadora referência na luta pelo direito à interrupção da gravidez.

Juliana Luna

Juliana Luna
consultora de moda e repórter

Juliana Luna é estrategista de comunicação e embaixadora cultural. Nativa de Duque de Caxias, Rio de Janeiro, na infância viveu em vários países graças à carreira do pai, químico industrial. Estudou dança na UFRJ e na Germaul Barnes Dance Company, em Nova Iorque. Em maio de 2015, fez uma viagem de investigação das suas raízes africanas, e passou a ensinar mulheres a fazer amarrações de tecido na cabeça, em estilo africano. É consultora de moda, repórter do site Az Mina e presta consultoria a empresas. Treinada em Yoga, mantém no Youtube um canal de vídeos sobre o tema.

Julita Lemgruber

Julita Lemgruber
Socióloga e uma das coordenadoras do CESeC

Julita Lemgruber é socióloga e uma das coordenadoras do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Candido Mendes (CESeC/UCAM). Foi diretora geral do Sistema Penitenciário do Estado do Rio de Janeiro, de 1991 a 1994, e Ouvidora de Polícia, de 1999 a 2000. Como pesquisadora, dedica-se a temas no âmbito do sistema de justiça criminal e, mais recente, à política de drogas. É membro do conselho diretor do International Drug Policy Consortium. Escreveu os livros: Cemitério dos Vivos, análise sociológica de uma prisão de mulheres; Quem Vigia os Vigias, sobre controle externo da polícia (com Leonarda Musumeci e Ignacio Cano); e A Dona das Chaves, sobre os mais de dez anos em que trabalhou no sistema penitenciário (com Anabela Paiva).

Facebook | Site "CESeC"

Laís Perazo

Laís Perazo
médica e Diretora de Relações Institucionais da Unitedhealth Group Brasil

Laís Perazo é médica com residência em Clínica Médica. Atualmente diretora de Relações Institucionais da Unitedhealth Group Brasil (UHG). Foi consultora no setor de Saúde Suplementar no Brasil durante 15 anos, prestando serviços para operadoras de planos de saúde e grandes empregadores, nacionais e multinacionais. Participou de diversos eventos como palestrante, escreveu artigos e atuou como membro de comissões técnicas. Liderou a área de atendimento a clientes na Amil por cinco anos. Pós-graduada em Administração pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), possui MBA Executivo pelo Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro (COPPEAD/UFRJ).

Laura Taves

Laura Taves
artista, arquiteta e urbanista

Laura Taves é artista, arquiteta e urbanista. Vive e trabalha na cidade do Rio de Janeiro, onde desenvolve projetos de arte educação que procuram discutir as fronteiras sociais, culturais e urbanas. Atualmente é gerente de Relações Comunitárias do Museu do Amanhã, atuando diretamente com os moradores da região portuária do Rio.

Leila Araújo

Leila Araújo
pedagoga, técnica de Administração em Saúde

Leila Araújo é pedagoga, técnica de Administração em Saúde da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro e feminista. Presidiu o Conselho Estadual dos Direitos da Mulher – CEDIM/RJ e foi diretora da Rede de Desenvolvimento Humano (REDEH). Foi convidada pelo British Council para liderar o Programa Active Citizens, no município de São Gonçalo, a partir do qual idealizou e coordenou o Projeto JIS Urbano - Jardins de Inovação Social. Esse projeto, construído ao lado de jovens de comunidades, tem como proposta a formação e mobilização comunitária para transformação de espaços degradados em jardins, como contribuição ao controle do mosquito Aedes Aegypti, vetor da dengue, zika e chikungunya. Coordena o Laboratório de Desenvolvimento Humano, Urbano e Sustentável - LADHUS, uma articulação com centros acadêmicos da UERJ, UNIRIO, UFF, UFRJ, Universidade Anhaguera e UNIVERSO. O LADHUS tem como meta principal organizar sinergias, recursos e conhecimento com vistas à implantação dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável na região metropolitana do estado do Rio de Janeiro. Leila também atua como diretora executiva da Casa do Conhecimento, em São Gonçalo.

Leila Scaf

Leila Scaf
Arquiteta, participa da Rede Territórios Acessíveis

Leila Scaf Rodrigues é arquiteta. Formada em 1976 pela Universidade Santa Úrsula, trabalhou por seis anos, de 1973 a 1979, no escritório de Oscar Niemeyer. Sócia e fundadora da firma lsr arquitetura ltda, desde 1998 realiza projetos de arquitetura, arquitetura de interiores e expografia em várias instituições culturais do Brasil. Desde 2011, tornou-se uma pessoa com deficiência física. Manteve suas atividades profissionais e passou a atuar também em projetos de acessibilidade. Desde 2015, participa da Rede Territórios Acessíveis, que reúne instituições e produtores de cultura para debater e promover acessibilidade e a atuação das pessoas com deficiência na esfera cultural.

Lia Rodrigues

Lia Rodrigues
bailarina e coreógrafa

Lia Rodrigues é bailarina e coreógrafa. Durante os 40 anos de atividade profissional, ela articula formação e criação artística ministrando aulas, workshops, oficinas e palestras. Fundadora da Lia Rodrigues Companhia de Danças, que se mantém em atividade durante todo o ano, com aulas, ensaios do repertório, e trabalho de pesquisa e criação, apresentando-se no Brasil e internacionalmente. Desde 2004, convidada por Silvia Soter, a Companhia desenvolve ações artísticas e pedagógicas na favela da Maré, no Rio de Janeiro, em parceria com a Redes de Desenvolvimento da Maré. Dessa parceria surgiu o Centro de Artes da Maré aberto ao público em 2009, que também é sede da Lia Rodrigues Companhia de Danças. Da parceria da Companhia com a REDES foi inaugurada em 2011 a Escola Livre de Danças da Maré, que atende gratuitamente cerca de 200 pessoas ao ano, de diversas faixas etárias com aulas de técnicas diversas, de caráter continuado e gratuitas.

Site

Lola Werneck

Lola Werneck
Coordenadora do pilar Liderança Juvenil

Lola Werneck é formada em direito pela PUC-Rio e trabalha na ONG Luta pela Paz desde 2012. Atuou na área de captação de recursos e nos programas de treinamento nacional e internacional. Atualmente, é coordenadora do pilar Liderança Juvenil. Também faz parte do Fórum Basta de Violência! Outra Maré é possível.

Facebook | Instagram

Lúcia Xavier

Lúcia Xavier
assistente social

Lúcia  Xavier é assistente social, formada pela Escola de Serviço Social/UFRJ. Fundadora da CRIOLA, organização de mulheres negras com sede no Rio de Janeiro, que tem como missão instrumentalizar mulheres negras contra o racismo, sexismo, lesbofobia e transfobia. Coordenadora de projetos voltados para formação,  mobilização e advocacy em direitos humanos das mulheres negras, com destaque nos temas de violação de direitos voltados para a saúde, segurança, justiça e direitos das mulheres. É membro do Comitê Mulheres Negras Rumo a um Planeta 50-50 em 2030 da ONU Mulheres.

Facebook

Luciana Boiteux

Luciana Boiteux
professora

Luciana Boiteux é Mestre (UERJ) e Doutora em Direito Penal (Universidade de São Paulo). Professora Associada de Direito Penal e Criminologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). 

Luciana Freitas

Luciana Freitas
Gerente do setor de logística reversa e resíduos do Instituto bvrio

Luciana Freitas é head (gerente) do setor de Logística Reversa e Resíduos do Instituto BVRio, organização com a missão de promover o uso de mecanismos de mercado para facilitar o cumprimento de leis ambientais e apoiar a economia verde no Brasil. Vencedora do 2013 Katerva Award (categoria economia) e do prêmio Entidade Amiga do Meio Ambiente – ABRAMPA 2017. Idealizadora do projeto “Gestão de Recicláveis em Jogos de Futebol” em parceria com a Confederação Brasileira de Futebol. Idealizadora e membro fundadora do Observatório da Política Nacional de Resíduos Sólidos (observatoriopnrs.org). Co-autora e organizadora do livro “Política Nacional de Resíduos Sólidos: implementação e monitoramento de resíduos urbanos” (IEE/USP 2017). Sua experiência inicial no setor socioambiental foi a coordenação, em 2011, do Programa Rio Sustentável, cuja função era implantação de coleta seletiva solidária em grandes geradores.

Ludmila Curi

Ludmila Curi
Cineasta e jornalista

Ludmila Curi é formada em História pela UFRJ e em Direção Cinematográfica pela Escola de Cinema Darcy Ribeiro. Como cineasta, dirigiu de forma independente oito documentários – dois deles premiados – e três curtas de ficção. Produziu também audiovisuais para organizações como Justiça Global e Ibase. Foi a primeira vídeo repórter do site do jornal O Globo, onde trabalhou até 2012, publicando mais de 200 vídeos. Como assistente de direção, trabalhou no filme Dedo na ferida, de Silvio Tendler e com os diretores Eryk Rocha e Anna Azevedo. Também atuou como assistente de direção em quatro produções estrangeiras filmadas em comunidades no Rio de Janeiro. Atualmente é professora de audiovisual para mulheres da ONG Redes da Maré.

Facebook | Vimeo | YouTube

Luiza Mello

Luiza Mello
produtora executiva de exposições, curadora e editora de livros de arte

Luiza Mello atua como produtora executiva de exposições, curadora e editora de livros de arte. Formada em História pela USP e História da Arte pela Sorbonne (Université Paris I), possui pós-graduação em História da Arte e Arquitetura do Brasil pela PUC-Rio. Foi produtora executiva de mostras como a “Restropectiva Cildo Meirelles” (MAM-RJ, 2001), “Rachel Whiteread” (MAM-RJ, 2003), “Yanomami, O Espírito da Floresta” (CCBB RJ, 2004), “Janaína Tschape e Luiz Zerbini” (Espaço Maria Bonita SP, 2005) e “Espaço Urbano x Natureza Intrínseca” (Espace Tophographie de l’Art, Paris, França, 2005). Em 2005, fundou a Automatica, produtora de arte contemporânea que realiza exposições e projetos no Brasil e no exterior. Em 2013, criou a Automatica Edições, que publica livros de arte. Em 2018, foi curadora da exposição “Dreaming Awake”, em Marres, Holanda.

Mãe Celina de Xangô

Mãe Celina de Xangô
produtora de rádio e Produtora Cultural

Celina Rodrigues, mais conhecida como Mãe Celina de Xangô, é produtora de rádio e Produtora Cultural. Gestora do Centro Cultural Pequena África, na Região Portuária do Rio e co-fundadora da lavagem do Cais do Valongo. Está a frente do CCPA há 12 anos, com a missão de recontar e preservar as raízes ancestrais africanas.

Marcia Zanelatto

Marcia Zanelatto
ESCRITORA, ROTEIRISTA E DRAMATURGA

Marcia Zanelatto escreve para teatro, televisão e cinema. Seu trabalho frequentemente fala sobre racismo, segurança pública e identidade sexual e de gênero. Recebeu o Prêmio Justiça nas Favelas, da Fundação Ford; o Prêmio de Tradução do Teatro Brasileiro, da Fundação Nacional de Artes, para a peça "Eles não usam tênis naique"; o Prêmio APTR, como Melhor Autor, para "Desalinho"; o prêmio Seleção Brasil em Cena, por "Tempo de Solidão" e Prêmio Botequim Cultural, de Melhor Autor, por “ELA”. Participou dos eventos Red Like Embers, em Londres; do Birth Festival, em Manchester; e, em Nova York, do Pen World Voices International e da mostra Female Voices from Brasil. É uma das autoras da antologia Teatro Brasileiro Contemporâneo, lançada pelo Ministério das Relações Exteriores em diversos países. Suas peças foram traduzidas para o inglês, espanhol, francês e sueco. No Festival Mulheres do Mundo, no eixo das Mulheres nas Artes e Cultura vai apresentar o espetáculo "Parto - em trabalho". 

Instagram

Maria Antonia Goulart

Maria Antonia Goulart
Ativista, bacharel em Direito e mestranda em saúde pública pela Fiocruz

Maria Antonia Goulart é bacharel em Direito, mestranda em saúde pública pela Fiocruz. Ativista e militante dos movimentos de defesa da educação pública de qualidade social e dos direitos das pessoas com deficiência. Foi gestora de articulação intersetorial do município de Nova Iguaçu, baixada Fluminese, no período de 2005 a 2010, responsável pela concepção e implementação do Programa Bairro-Escola. É co-fundadora e co-gestora das plataformas Movimento Down e Movimento Zika, do espaço colaborativo Front, da Cervejaria Feminista e do Laboratório de explorações, percepções e sentidos Elaborando.

Maria do Carmo Oliveira

Maria do Carmo Oliveira
criadora da COOPQUITUNGO

Maria do Carmo Oliveira é moradora da comunidade do Quitungo, em Brás de Pina, na cidade do Rio de Janeiro. Maria inicialmente estabeleceu ações sociais com mulheres na terceira idade que enfrentavam depressão, através da formação de corais e alfabetização, em parceria com o MOVA (Movimento de Alfabetização). Sua principal ação, entretanto, foi a criação da COOPQUITUNGO, uma cooperativa que funciona com 15 trabalhadores e possui catadores cadastrados que recebem material reciclável de pessoas físicas e jurídicas. O trabalho, iniciado em 2004, resulta hoje em uma das mais bem organizadas Cooperativas de Reciclagem de Resíduos Sólidos do município do Rio de Janeiro, composta por mulheres, muitas acima de 50 anos. Por sua atuação na área de Educação Ambiental Comunitária, a COOPQUITUNGO foi selecionada pela ONU para ações de educação ambiental durante o Salão dos Governantes durante a Rio + 20. Além de contribuir para a reciclagem do lixo, o projeto também resgata vidas e a dignidade de pessoas, que se sentem incentivadas a voltar a estudar.

Site

Maria Emília Pacheco

Maria Emília Pacheco
antropóloga e assessora da Federação de Órgãos  para Assistência Social e Educacional (FASE)

Maria Emília Pacheco é antropóloga e assessora da Federação de Órgãos  para Assistência Social e Educacional (FASE). Integrante do Núcleo Executivo da Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), membro da Coordenação Ampliada do Fórum Brasileiro de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (FBSSAN) e ex-presidenta do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea) na gestão 2012-2016.

Mariana Aleixo

Mariana Aleixo
Coordenadora do Projeto Maré de Sabores

Mariana Aleixo é doutora e mestre em Engenharia de Produção pela COPPE/UFRJ e graduada em Gastronomia. É Coordenadora do Projeto Maré de Sabores, da Redes da Maré. Criado em 2010, o projeto oferece às mulheres da comunidade cursos de qualificação em Gastronomia e oficinas sobre Gênero e Cidadania e Empreendedorismo, estimulando a conquista da autonomia e a reflexão sobre o seu papel na sociedade. O projeto também inclui a gestão de um bufê, que constitui uma alternativa real de trabalho e geração de renda para as alunas.  Desde 2010, o bufê já produziu mais de mil eventos.

Mariana Xavier

Mariana Xavier
assistente social e coordena o Pré-Vestibular Social Santa Cruz Universitário

Mariana Xavier é assistente social e coordena o Pré-Vestibular Social Santa Cruz Universitário. Formada pela PUC-Rio, é mestranda em Saúde Coletiva do Instituto de Medicina Social da UERJ. Também participa das atividades das organizações Agência de Redes para Juventude e Unicirco Arte, Educação e Comunidade.  Suas áreas de interesse e atuação são educação popular, desigualdades territoriais, participação social e questões raciais, de gênero,  saúde e juventude.

 

Marina Marçal

Marina Marçal
Advogada e Coordenadora do GT Mulheres Negras/OAB RJ

Marina Marçal é advogada e feminista negra. Coordenadora do GT Mulheres Negras/OAB RJ. Mestranda em Relações Étnico-Raciais/CEFET-RJ e em Sociologia e Direito/UFF-RJ.

Facebook

Marinalva dos Santos

Marinalva dos Santos
costureira, empreendedora e artesã

Marinalva dos Santos é feminista, costureira, empreendedora, artesã e sobrevivente. Morou no Morro da Coroa, Zona Norte do Rio de Janeiro, por quase toda a sua vida. Mãe solteira de dois filhos, sempre foi a mantenedora da sua família. Ao lado de outras mulheres da sua comunidade, empreendeu por meio do artesanato para o sustento da sua casa. Por meio de uma parceria traçada com o Fundo Elas, elas investiram em máquinas e tecidos, e com o Fundo SAAP, conseguiram comprar a primeira casa para as Bordadeiras da Coroa. Nesse meio tempo, Marinalva somou os movimentos sociais AMB (Articulação de Mulheres Brasileiras) e o Movimento de Economia Solidária. Realizou cursos de empreendedorismo para melhorar a qualidade dos seus produtos e desenvolveu projetos de formação para mais de 150 mulheres na casa das Bordadeiras, trabalhando com a autogestão e respeito às diferenças. Infelizmente, por conta da situação de insegurança que vive o Estado, o grupo das mulheres Bordadeiras da Coroa fechou as portas em 2017. Seu sonho e das suas companheiras é ter um espaço outra vez algum dia, onde as mulheres possam bordar ideias e lutar contra o fim do genocídio do povo preto, pobre e favelado.

Marta Fernandéz

Marta Fernandéz
professora e diretora do Instituto de Relações Internacionais (IRI) da PUC-Rio

Marta Fernandéz é professora e diretora do Instituto de Relações Internacionais (IRI) da PUC-Rio. Doutora em Relações Internacionais pelo IRI- PUC/Rio com bolsa sanduíche da CAPES na Universidade de St. Andrews, Escócia. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq. Pesquisadora do Projeto GlobalGRACE (Global Gender and Cultures of Equality) desenvolvido no Brasil em parceria com o Instituto Maria e João Aleixo e o Instituto PROMUNDO. Suas principais áreas de interesse e publicações se concentram em: Estudos Pós-Coloniais e Decoloniais, Estética, Violência e Reconstrução de Estados, Relações raciais e Cooperação Sul-Sul.

Mc Rebecca

Mc Rebecca
mc e Rainha das Passistas do Salgueiro

Rebecca Alves é Rainha das Passistas do Salgueiro e Mc. Ela comemora o sucesso “Cai de Boca” em bailes e favelas do Rio de Janeiro. A música foi um presente da cantora Ludmilla, produzida pelo DJ Zebrinha. A versão light do funk contou com a produção do DJ JP. Empresariada pelo DJ Renan da Penha, MC Rebecca concilia a carreira no funk com o posto de Rainha das Passistas que já ocupa há 3 anos.

Youtube

Miriam Krenzinger

Miriam Krenzinger
Professora e escritora

Miriam Krezinger é professora da Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro. É doutora em Serviço Social pela PUC do Rio Grande do Sul e tem dois pós-doutorados: em Antropologia do Direito pela Universidade de Brasília e em Ciência Política pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro. É coautora com Eliana Sousa Silva do livro “A criança fora da escola: documento orientador para gestores públicos a partir da experiência do Projeto Aluno Presente” lançado em 2017É organizadora e coautora do Livro Dores que Libertam: falas de mulheres das favelas da Maré, no Rio de Janeiro, sobre violências, em 2018.

Mirian Goldenberg

Mirian Goldenberg
Antropóloga e escritora

Mirian Goldemberg é uma antropóloga e escritora brasileira. É autora dos livros A bela velhice, Coroas, Corpo, envelhecimento e felicidade, Velho é lindo!, A Outra, Toda mulher é meio Leila Diniz, A arte de pesquisar, Os novos desejos, De perto ninguém é normal, Infiel: notas de uma antropóloga, O corpo como capital, Noites de Insônia: cartas de uma antropóloga a um jovem pesquisador, Por que homens e mulheres traem?, Intimidade, Tudo o que você não queria saber sobre sexo, e Por que os homens preferem as mulheres mais velhas?, entre outros. É colunista do jornal Folha de S. Paulo e professora Titular do Departamento de Antropologia Cultural e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Miriam é doutora em Antropologia Social pela UFRJ.

Video TED Mirian Goldenberg

Morgana Eneile

Morgana Eneile
Doula

Morgana Eneile é Doula formada pelo Grupo de Apoio à Maternidade Ativa e presidenta da Associação de Doulas do Estado do Rio de Janeiro –ADoulasRJ. As doulas são profissionais capacitadas para oferecer educação perinatal e suporte emocional e físico para a gestante antes, durante e logo após o parto. Morgana é mãe de dois meninos e também é ativista pelos direitos das mulheres ao parto digno e respeitoso. Com 38 anos, é licenciada em Artes Visuais pela Universidade Candido Mendes e mestranda em Educação pela UNIRio. Também atua como professora de Artes das redes de ensino fundamental de Duque de Caxias e Niterói. Nascida e criada em Padre Miguel, bairro da Zona Oeste do Rio de Janeiro, já trabalhou com políticas culturais e de juventude na Funarte, no governo estadual e na Comissão de Cultura da ALERJ.

Nilcemar Nogueira

Nilcemar Nogueira
Secretária Municipal de Cultura do Rio de Janeiro

Nilcemar Nogueira é doutora em Psicologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e mestra em Bens Culturais e Projetos Sociais pela Fundação Getúlio Vargas – RJ. Atualmente é Secretária Municipal de Cultura do Rio de Janeiro. Neta do compositor Cartola e de sua mulher, Zica, seu trabalho como gestora cultural está profundamente ligado ao samba.  Fundou o Centro Cultural Cartola (CCC), hoje Museu do Samba, e atuou como Diretora Cultural e de Carnaval da escola de samba Estação Primeira de Mangueira. Coordenou a Pesquisa de reconhecimento do Samba Carioca como patrimônio imaterial do Brasil. Presidiu a Fundação Museu da Imagem e do Som (MIS) do Rio de Janeiro. É autora do livro Dona Zica, Tempero,  Amor e Arte e idealizadora da publicação A força feminina do samba. É pesquisadora de cultura popular.  

Patrícia Nascimento

Patrícia Nascimento

Patrícia Nascimento é mãe do Bento, pedagoga, capoeirista e pesquisadora de Cultura Popular e Questões Étnico Raciais. Integrante do Coletivo Angoleiras Pretas - grupo dedicado a autodefesa, cuidado e emancipação do povo preto. Coordenadora Pedagógica do Movimento Infância In Natura.

Facebook

Patrícia Rezende

Patrícia Rezende
Mulher surda, Autora do livro "Implante coclear: normalização e resistência surda"

Patrícia Rezende nasceu na pequena cidade das Minas Gerais, Caeté, Mulher Surda, mãe de três meninos com idade de 9, 5 e 4 anos, companheira do Alex Curione, também surdo.  Doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina, Professora Associada do curso de Pedagogia Bilíngue do Instituto Nacional de Educação de Surdos, do Rio de Janeiro. Autora do livro: Implante coclear: normalização e resistência surda. É militante atuando em Políticas Púbicas em Educação de Surdos, e luta pela melhoria e qualidade da educação dos meus pares surdos, da Comunidade Surda, também luta contra medicalização da surdez e controle de corpos surdos para a soberania ouvinte. Defende as identidades surdas em suas pluralidades e a cultura surda.

Quitta Pinheiro

Quitta Pinheiro
performer, fotógrafa, produtora cultural, comunicadora e ativista

Joana Pinheiro (Quitta) é performer, fotógrafa, produtora cultural, comunicadora e ativista no movimento LGBTQI+. Nascida e atualmente moradora da Baixada Fluminense – Nova Iguaçu. Por quatro anos fotografou o Cineclube Buraco do Getúlio e foi estagiária no Festival de Cinema de Nova Iguaçu. É fundadora, idealizadora e coordenadora de produção do Baphos Periféricos, grupo de difusão da cultura LGBTQI+  que nasce da necessidade de produzir conteúdo e reflexão sobre e para indivíduos LGBTs, não-binários e transgêneros da Baixada Fluminense, agregando artistas, empreendedores e ativistas das periferias da metrópole. Foi assistente de produção na Mostra Corpos Visíveis e hoje exerce a função de Comunicadora do Galpão Bela Maré, além de Coordenar a Produção no Festival TransArte.

Raquel Willadino

Raquel Willadino
coordena a área de Direito à Vida e Segurança Pública do Observatório de Favelas

Raquel Willadino coordena a área de Direito à Vida e Segurança Pública do Observatório de Favelas.  Graduada em Psicologia pela Universidade de Brasília (UnB), obteve o doutorado em Psicologia Social da Universidade Complutense de Madrid (UCM). Nos últimos anos, desenvolveu pesquisas e metodologias de intervenção relacionadas à juventude, violência urbana, segurança pública e direitos humanos na América Latina. Dentre as suas publicações, estão Rotas de Fuga: Caminhadas. Trajetórias de jovens na rede social do tráfico de drogas (2009); Prevenção à Violência e Redução de Homicídios de Adolescentes e Jovens no Brasil (2011) e Guia Municipal de Prevenção da Violência Letal contra Adolescentes e Jovens (2012).

Rayanne Soares

Rayanne Soares
trabalha na prevenção de violência na ONG Luta pela Paz

Rayanne Soares é nascida e criada na Maré. Mobilizadora social e ativista dos direitos humanos e dos direitos das mulheres, participou do mandato de Marielle Franco e constrói, na Maré, o núcleo Marielle Franco do Partido Socialismo e Liberdade da Maré (PSOL). Estudou no Pré-vestibular de Redes da Maré e trabalha na prevenção de violência na ONG Luta pela Paz, onde iniciou sua trajetória como aluna aos 10 anos, e aos 12 anos foi integrante do conselho jovem da organização. Rayanne teve o pai morto pelo tráfico de drogas e foi criada com dois irmãos apenas pela mãe. Acredita e luta pela igualdade de gênero em todos os níveis e contra todas as formas de opressão. Rayanne também é mãe de Miguel.

Regina Tchelly

Regina Tchelly
CHEF DE COZINHA E IDEALIZADORA DO PROJETO FAVELA ORGÂNICA

Regina Tchelly é cozinheira autodidata e idealizadora do projeto Favela Orgânica, que começa em 2011 nas comunidades Babilônia e Chapéu Mangueira, zona sul do Rio de Janeiro. O Favela Orgânica promove uma cozinha criativa com o aproveitamento integral de todas as partes do alimento, que é cultivado organicamente.  Regina ensina as pessoas a conseguirem aproveitar ao máximo os alimentos (folhas, raízes, cascas, talos, sementes) e com aquilo que de fato não é próprio para o consumo, ela orienta como realizar compostagem.

Facebook |  Instagram 

 

Roberta Eugênio

Roberta Eugênio
advogada

Roberta Eugênio é advogada, formada pela UERJ, mestranda na UFRJ/PPGD, tendo como tema de pesquisa Violência Política contra as Mulheres e as Prefeitas Negras no Brasil. Feminista negra interseccional e militante anti-racista e pelos direitos humanos, Roberta foi assessora parlamentar da Vereadora Marielle Franco e atua na equipe sócio jurídica do Maré de Direitos Mulher, um projeto que tem como principal linha de ação o combate à violência de gênero, na Casa das Mulheres na Maré.

Facebook | Instagram

Rosangela Castro

Rosangela Castro
ativista do movimento de lésbicas e fundadora da Rede Nacional de Afros LGBT

Rosangela Castro é ativista do movimento de lésbicas e fundadora da Rede Nacional de Afros LGBT. Diretora Geral do Grupo de Mulheres Felipa de Sousa, da Bahia, e membra da ABL - Articulação Brasileira de Lésbicas e da CANDACES – Rede Nacional de Lésbicas e Mulheres Bissexuais Negras. Criou a performance “Sra Passado: História do Movimento de Lésbicas dos anos 70 até os dias atuais através de seus signos”.

Schuma Schumaher

Schuma Schumaher
ativista feminista, escritora e pesquisadora

Schuma Schumaher é ativista feminista, escritora e pesquisadora. Atualmente é Coordenadora Executiva da ONG Feminista Redeh – Rede de Desenvolvimento Humano; na qual é corresponsável pelos Projetos “Por uma educação não discriminatória”, “Mulher, 500 anos atrás dos panos” e a Campanha “Quem Ama Abraça – pelo fim da violência contra as mulheres”. É coautora dos livros "Dicionário Mulheres do Brasil", "Um Rio de Mulheres e Mulheres Negras do Brasil", este último recebeu o Prêmio Nacional de Literatura (Jabuti), ano 2008. Em 2007, recebeu o prêmio de Mulher do Ano (Diploma Bertha Lutz) concedido pelo Senado Federal. É integrante da Articulação de Mulheres Brasileiras - AMB e da AFM – Articulação feminista Marcosul, desde a fundação.

Selminha Sorriso

Selminha Sorriso
Primeira Porta-Bandeira do G.R.E.S. Beija-Flor de Nilópolis

Selma Rocha, conhecida como Selminha Sorriso, é a Primeira Porta-Bandeira do G.R.E.S. Beija-Flor de Nilópolis e coordena o Projeto Sonho do Beija-Flor, que ensina samba e percussão às crianças da comunidade. Há 20 anos defende o pavilhão da escola, uma das principais do carnaval carioca. Como porta-bandeira, Selminha ganhou seis vezes o Estandarte de Ouro, promovido pelo jornal O Globo e sete vezes o Tamborim de Ouro, promovido pelo jornal e rádio O Dia. Em 2014, foi eleita a melhor porta-bandeira dos 30 anos do Sambódromo, numa enquete realizada pelo site Carnavalesco. Já mostrou o samba no pé em vários países da Europa, América Latina, África e Oriente; há 22 anos, trabalha como assistente de palco do programa Samba de Primeira, apresentado por Jorge Perlingeiro na rede de TV CNT.  Selma também é sargento do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro e bacharel em Direito.

Shirley Villela

Shirley Villela
coordena a Casa das Mulheres da Maré

Shirley Villela coordena a Casa das Mulheres da Maré, projeto da Redes da Maré que tem por objetivo promover atividades e ações voltadas para as mulheres locais. A Casa existe desde outubro de 2016 e atua no enfrentamento à violência doméstica, na qualificação profissional e no atendimento psicosociojurídico de mulheres. Coordenou de 2012 a 2016 o Maré de Sabores, projeto bem sucedido de geração de renda e qualificação profissional em Gastronomia para mulheres da Maré, que hoje tem sua sede na Casa das Mulheres. Nascida no Rio de Janeiro, é graduada em Letras Português-Inglês. Entre 2006 e 2012, trabalhou no Ministério da Educação/SECAD (até 2007) e no UNIFEM/ONU Mulheres, sempre lidando com temas focados em gênero, feminismo, direitos da mulher, educação não sexista, racismo, violências baseadas em gênero, direito econômico das mulheres, dentre outros.

Sil Bahia

Sil Bahia
Diretora de Programas do Olabi, idealizadora do PretaLab

Silvana Bahia é Diretora de Programas do Olabi, organização focada em inovação social, tecnologia e diversidade, e está à frente da PretaLab, iniciativa focada em estimular o uso de tecnologias por mulheres negras e indígenas. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Políticas e Economia da Informação e da Comunicação do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFRJ, é mestre em Cultura e Territorialidades pela UFF. Recebeu o Prêmio CCBB|PACC UFRJ de Destaque da Cultura Digital em Inovação Social e Tecnologia 2017.

Silvia Ramos

Silvia Ramos
Cientista social

Silvia Ramos é cientista social e há 18 anos é uma das coordenadoras do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (CESeC) da Universidade Cândido Mendes. Com doutorado pela Fundação Oswaldo Cruz em Violência e Saúde, dedica-se a pesquisas sobre juventude, polícia, mídia e movimentos sociais. Entre outros livros, publicou “Elemento suspeito: abordagem policial e discriminação na cidade do Rio de Janeiro”, com Leonarda Musumeci (2005), e “Mídia e violência: tendências na cobertura de criminalidade e segurança pública no Brasil, com Anabela Paiva (2007). Desde março, coordena o Observatório da Intervenção, que se dedica a monitorar os resultados da intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro.

Sofia Soter

Sofia Soter
editora, tradutora e escritora

Sofia Soter é editora, tradutora e escritora (representada pela Agência Página 7). Tem textos publicados em veículos online e impressos nacionais e internacionais, como Modefica, Toda Teen, Valkírias, ELLE, Midnight Breakfast, Hello Giggles e Reader's Digest, e teve seu trabalho mencionado na mídia nacional e internacional, como nos jornais O Globo, Folha de São Paulo e O Dia e no site Autostraddle. Foi uma das fundadoras e editoras da revista online Capitolina e co-organizadora dos livrosCapitolina, vol. 1: O poder das garotas (Seguinte, 2015) e Capitolina, vol. 2: O mundo é das garotas (Seguinte, 2016). Além disso, tem um conto publicado na antologiaMomentum (org. Gabriela Martins, 2018). Entre suas traduções, destaca Os noivos do inverno, de Christelle Dabos (Morro Branco, 2018), e O fim do mundo é aqui, de Amy Zhang (Rocco, 2018).

Sonia Fleury

Sonia Fleury
psicóloga, mestre em Sociologia e Doutora em Ciência Política

Sonia Fleury é psicóloga, mestre em Sociologia e Doutora em Ciência Política. Atualmente é pesquisadora senior do Centro de Estudos Estratégicos da FIOCRUZ e coordena o projeto de desenvolvimento de uma plataforma wiki para abrigar o Dicionário Carioca de Favelas. Professora e pesquisadora tcom experiências políticas sociais e cidadania publicada em diversos países. Militante, participou da formulação do SUS - Sistema Único de Saúde e das lutas pela redemocratização no Brasil.

Sonia Hirsch

Sonia Hirsch
escritora, editora e palestrante. Autora de “Prato feito”, “Deixa sair” e “Só para mulheres”

Sonia Hirsch é escritora, editora e palestrante. Nasceu em São Paulo, filha de judeus imigrantes, e tornou-se jornalista aos 18 anos. Movida pelo desejo de contribuir para uma sociedade mais justa, encontrou um caminho na promoção da saúde através da alimentação e dos bons hábitos de respiração, movimento, pensamento e relacionamento. Autodidata, devorou livros sobre o assunto e, em 1983, começou a publicar suas próprias obras. É autora de 20 livros sobre temas fundamentais da saúde, como “Prato feito”, “Deixa sair” e “Só para mulheres”. Seus textos também podem ser  lidos no blog soniahirsch.com.br. Sua frase de estimação é: "A saúde é subversiva porque não dá lucro a ninguém".

Stella Gigante

Stella Gigante
assistente social e perita

Stella Montalvão é assistente social e perita. Atualmente Stella atua na ONG Associação Civil Quintal da Casa de Ana, grupo de apoio à adoção que tem como missão a promoção e garantia do direito de toda criança e adolescente de viver em família. O Quintal da Casa de Ana trabalha oferecendo apoio às famílias adotivas e pretendentes à adoção, promovendo a convivência familiar e comunitária de crianças em situação de acolhimento e divulgando a Nova Cultura da Adoção.

Site

Tatiana Moura

Tatiana Moura
Diretora executiva do Promundo e coordenadora de projetos sobre gênero e violência armada

Tatiana Moura é diretora executiva do Promundo e pesquisadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, Portugal. Tem licenciatura em Relações Internacionais e mestrado pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, e é doutora em Paz, Conflitos e Democracia pela Universidade Jaume I, Espanha. Na última década tem coordenado projetos sobre gênero e violência armada, em particular na América Latina. Publicou, em 2005, Entre Atenas e Esparta: Mulheres, Paz e Conflitos Armados; em 2007, Rostos Invisíveis da Violência Armada: Um Estudo de Caso sobre o Rio de Janeiro; em 2009, Auto de Resistência: Relatos de familiares de vítimas da violência armada e, em 2010, Novíssimas Guerras: Espaços, Identidades e Espirais da Violência Armada.

Tereza Onã

Tereza Onã
Pesquisadora e coordenadora do Núcleo de Memória e Identidade da Redes de Desenvolvimento da Maré

Tereza Onã é pesquisadora e coordenadora do Núcleo de Memória e Identidade da Redes de Desenvolvimento da Maré. Carioca, Tereza Cristina Silva – seu nome nos registros oficiais – nasceu e cresceu na Zona Norte do Rio. Ainda adolescente, na década de 1980, chegou a morar nas ruas, de onde saiu graças a um emprego de acompanhante de idosos. Conseguiu retomar os estudos e, nos anos 1990, passou a ter uma atuação política e religiosa nas pastorais católicas da Juventude e de Favelas. Trabalhou como assessora parlamentar de políticos comprometidos com a garantia de direitos, a qualidade de vida nas favelas e a luta contra o racismo, como Benedita da Silva. Na Maré, foi responsável pela coordenação de projetos de incentivo à reflexão sobre raça e identidade nas escolas e pela organização de seminários sobre o tema. É também cantora.

Thaís Rosa Pinheiro

Thaís Rosa Pinheiro
turismóloga, empreendedora e guia de turismo

Thaís Rosa é turismóloga, empreendedora e guia de turismo. Mestre em Memória Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UNIRIO) e Analista Ambiental e Gestão do Território (ENCE). Fundadora da Conectando Territórios que busca aproximar a história e diversidade cultural de comunidades tradicionais brasileiras, como quilombolas e urbanas, a partir de experiências de turismo de base comunitária e educação. Desenvolve workshops e projetos de memória e sustentabilidade em diferentes territórios. Participou do Start Up Rio e Young Leaders of the Americas Initiative Professional Fellows Program (YLAI) do Departamento de Estado Americano. Organiza eventos para incentivar mulheres a empreenderem e está produzindo a série NZINGAS: Travelling Black Queens para incentivar mulheres a viajarem sozinhas, pelo direito ao lazer e autocuidado. Palestrou em universidades na Colombia e nos EUA sobre comunidades quilombolas, turismo de base comunitária e memória afro-brasileira. Acredita no diálogo, na escuta e na arte como forma de cura, e na diversidade para melhor compreensão humana. Sonha em conectar a cultura da afro diáspora nas Américas.

Site | Instagram | Youtube | Linkedin

Thamyra Thâmara

Thamyra Thâmara
Jornalista, mestra em Cultura e Territorialidade e cofundadora do GatoMÍDIA

Thamyra Thâmara é jornalista, mestra em Cultura e Territorialidade pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e criadora de metodologias com ênfase nas classes C e D. É uma das fundadoras do GatoMÍDIA, espaço de aprendizado em mídia e tecnologia para jovens negros e de espaços populares, em atividade no Complexo do Alemão desde 2013. Faz parte da equipe do AWA, workshop de Comunicação Criativa voltado para as classes C e D, e da Agência Naya, também especializada em segmentos populares. Gosta de remixar comunicação popular com as novas tecnologias. Seus temas de estudo e interesse são: processos criativos, afrofuturismo, gambiologia (ciência da gambiarra), sevirologia (estudo das muitas formas de se virar) e comunicação criativa.

Instagram | Linkedin

Tia Surica

Tia Surica
sambista carioca

Iranette Ferreira Barcellos, conhecida como Tia Surica, é uma sambista carioca, ex-intérprete de samba-enredo e atualmente uma das mais importantes integrantes da velha-guarda da Portela.

Tuany Siqueira

Tuany Siqueira
atleta paraolímpica

Tuany Siqueira é atleta paraolímpica. Moradora da comunidade do Jacarezinho, começou sua vida dentro dos esportes através de  projetos dentro da comunidade. O judô foi uma das várias atividade que fez, além de capoeira, futebol e aulas de violão. Ao longo da sua carreira como judoca teve conquistas regionais, estaduais, Campeonato Brasileiro, Copa Minas e Copa São Paulo Sênior. Após uma luta com a bicampeã olímpica Idalys Ortiz no GP Interclubes, Tuany teve o joelho deslocado e passou por um processo de longa luta e recuperação para voltar à carreira de atleta. Com o apoio da família, amigos, técnicos e coaching,  ela entendeu que sua lesão não seria o fim, mas o começo de tudo. Foi apresentada ao movimento paralímpico e passou a treinar nas modalidades de atletismo e natação. Hoje é paratleta na categoria F57 do arremesso de peso e lançamento de disco, integrante da Equipe Instituto Superar. É a terceira do mundo, a segunda das Américas e a primeira do Brasil, sendo a atual recordista nacional da sua classe.

Valesca Popozuda

Valesca Popozuda
cantora, dançarina, empresária e escritora

Valesca é carioca, cantora, dançarina, empresária e escritora. Completando 17 anos de carreira, Valesca iniciou sua trajetória no Funk com o grupo “Gaiola das Popozudas”. Exaltando o poder feminino com suas letras, a artista iniciou a carreira solo no ano de 2013, com o hit “Beijinho no Ombro”. Em seguida, lançou outros singles, entre eles: “Sou A Diva Que Você Quer Copiar” e “Sou Dessas”. No último ano, lançou na Bienal de São Paulo o seu livro “Sou Dessas, pronta pro combate”, que narra o seu percurso de vida e as histórias de superação nas quais passou.

Site | Facebook | Instagram

 

Vitória Lourenço

Vitória Lourenço
doula, educadora perinatal e estudante de Ciências Sociais

Vitória Lourenço é doula, educadora perinatal e estudante de Ciências Sociais na Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Foi residente do data_labe (um laboratório de dados na favela) onde construiu a pesquisa Morte materna além de números. Foi colaboradora do mandato da vereadora Marielle Franco na pasta de gênero, trabalhando principalmente com a saúde da mulher no município do Rio de Janeiro.

   

A dimensão  “Mulheres em Diálogos” consiste em 7 categorias:

Território de Partilha

Quatro expositoras debatem entre si, o assunto em pauta, elaborando uma abordagem geral sobre o tema.  

Rodas de Conversas

Tem como objetivo recortar, detalhar ou aprofundar os assuntos abordados nos Territórios de Partilhas. 

Trocas de Experiências

Representantes de organizações compartilham sua experiência, entre profissionais que atuam no mesmo setor e a plateia. 

Fórum de Vivências

Em formato de auditório, momento destinado à troca de ideias e opiniões sobre assuntos atuais de interesse das mulheres.

Compartilhando Trajetórias

As expositoras irão realizar um relato de sua trajetória.

Vidas em Conexões

A mentoria é uma ferramenta de desenvolvimento pessoal e profissional. É um encontro entre duas pessoas, uma mais experiente responde às questões colocadas, impulsionando a inovação e a criatividade.

Oficinas

As oficinas são uma metodologia de trabalho que consiste na aprendizagem e formação coletiva através da interação e troca de saberes, conduzida por um responsável que articula teoria e prática, a partir da realidade concreta.