DCSIMG

 

 O MERCADO DELAS não é só uma feira ou uma exposição. É, sim, um modo de divulgar a inventividade das mulheres a partir do seu jeito de fazer cultura, viver sua cidadania e de empreender, numa perspectiva de fortalecer a criação, produção, distribuição e consumo de produtos e negócios. Tudo isso, por mulheres organizadas em redes que atuam com temas transversais como gênero, feminismo e direitos, numa estratégia de autonomia, crescimento e transformação. 

 

 VEJA A LISTA DE SELECIONADAS       LEIA O EDITAL (encerrado)     

Conheça seus trabalhos

Adriana Borges

Adriana Borges
Drika Maria

Adriana Borges é natural de Teresina (Piauí). Licenciada pela UFPI em Artes Visuais, como arte educadora e artesã sua paixão são as bonecas de pano representativas: bonecas negras, indígenas, fora dos padrões europeus. Há 2 anos começou a fazer as bonecas para se sentir representada e também pensando na representatividade das crianças negras. Drika Maria é a junção do apelido "Drika" com o nome da sua mãe "Maria", que também contribui na confecção.

Adriana Gontijo Boaventura

Adriana Gontijo Boaventura
Pachamama

Adriana Gontijo é do coletivo Pachamama, que nasceu dentro de um círculo de mulheres que desejavam cuidar do seu corpo e do seu ciclo menstrual de forma saudável. O grupo começou com três mulheres e uma pequena farmacinha no quintal de uma casa. As pessoas que usavam se apaixonavam pelos produtos e com isso a Pachamama se expandiu. Hoje, sete anos depois, são oito sócias na empresa que faz gestão humanizada oferecendo produtos naturais, ecológicos e biodegradáveis. As formulações são especialmente criadas a partir de óleos essenciais, vegetais puros e extratos naturais que possuem propriedades terapêuticas. Seus aromas peculiares proporcionam uma profunda conexão com os elementos da natureza. São mulheres intuitivas que acreditam que o uso de produtos naturais é uma forma criativa de honrar e cuidar do feminino e da Mãe Terra.

Agatha Mendes

Agatha Mendes
Elas que Sabem

Agatha Mendes é moradora do subúrbio carioca. Sua dificuldade de atuar no mercado formal veio depois da maternidade, quando começou a desenvolver ações sociais no seu bairro. Idealizadora do Elas que Sabem, projeto dedicado a incentivar mulheres artesãs a vencerem adversidades socioeconômicas com o compromisso de assessorá-las a construirem negócios lucrativos. Atualmente o Elas que Sabem é composto por 40 artesãs da zona norte do Rio de Janeiro, proporcionando acesso a novos mercados, treinamento de negócios e inovação de design, por meio de uma rede de parceiros.

Aldelice Braga

Aldelice Braga
qualificada em corte e costura

Aldelice Braga é natural de Salvador/Ba e reside há duas décadas em Florianópolis. Traz no seu DNA ancestral as experiências de sua avó que bordava e dos seus tios alfaiates. Depois de retornar de uma viagem ao Senegal, onde viu mulheres e homens costurando nas ruas, decidiu recolher sobras de tecidos que cobriam o chão da paisagem urbana e com esses retalhos e algumas camisetas começou a customizar imagens de mulheres da sua memória. Hoje, qualificada em corte e costura, ministra oficinas e viaja para várias cidades levando o colorido das suas produções.

Aline Andrade

Aline Andrade
Ateliê Chão de Gaia

Aline Andrade é empreendedora e artesã, idealizadora do Ateliê Chão de Gaia. A inspiração para o nome da marca veio do contato com a natureza. No chão é onde a gente brinca, dança, planta, colhe, se relaciona, cria, desbrava; onde a gente deita para ver o céu. Aline vê nos produtos força, beleza, auto-estima e inspiração e deseja que, através de seu trabalho sejam reverberadas ações que promovam voz e independência femininas.

Amoreira

Amoreira

Liza e Ana Karina são amigas de infância. Aos 30 anos de idade as duas resolveram seguir o sonho em comum depois de uma viagem por Alto Paraíso de Goiás e assim nasceu a Amoreira, a partir da perspectiva de cuidado com o planeta e com o nosso ser, do desejo do empoderamento e entendimento de tudo que nos cerca e da responsabilidade que é estar vivo nesse mundão. Elas acreditam que tudo é possível no universo da cosmetologia natural e em sua produção priorizam matérias-primas brasileiras (principalmente vindas do Pará, de uma empresa com responsabilidade social e apoiadora das comunidades locais). Todos os produtos da Amoreira são feitos por quatro mãos, em pequena escala e com embalagens retornáveis. Aos poucos, Liza e Ana acreditam que vão re-descobrindo e criando uma especial rede de trocas. Sua proposta é a mudança gradativa na forma do consumo.

Ana Lúcia Barbosa

Ana Lúcia Barbosa
Visão do Bem

Ana Lúcia Barbosa é carioca, advogada e moradora do bairro do Méier. Desde criança tem o sonho de empreender e melhorar a vida das pessoas. O seu projeto Visão do Bem tem como missão levar acesso para todas as pessoas que precisem de correção visual, com óculos de qualidade e baixo custo, construindo relações e catalisando as pessoas que vivem ou estão em situação de vulnerabilidade social.

Ana Muniz

Ana Muniz
Ana Muniz Ateliê

Ana Muniz é artista e empreendedora carioca, idealizadora da marca Ana Muniz Ateliê. Graduada em Pintura na Escola de Belas Artes da UFRJ, após passar por diversos trabalhos no meio artísitico, Ana cria o ateliê com o intuito de expansão dos seus processos e circulação das suas criações em forma de mandalas sob diversos suportes entre aquarela, adereços e objetos decorativos. Um dos seus sonhos é tornar o ateliê uma conexão de mulheres que fazem e ensinam o que sabem fazer com propósito, criatividade e empreendedorismo, através da arte, para transformação e ação com consciência.

Ana Olívia - Yoga na Maré

Ana Olívia - Yoga na Maré
Professora de Yoga

Portuguesa, Ana Olívia viveu na Alemanha e na Espanha, onde trabalhou em várias organizações não governamentais na área de prevenção da delinquência e dos direitos humanos. Em 2012, chegou ao Rio de Janeiro para trabalhar como voluntária numa favela. Formada em vários tipos de yoga, em agosto de 2015 criou o projeto Yoga na Maré, dedicado a tornar a prática acessível a todas as pessoas, principalmente em uma área caracterizada pela violência e pela ausência de iniciativas de bem-estar. Sempre dedicada a aprofundar o seu conhecimento, atualmente Ana Olívia estuda a medicina ayurvédica, mais antigo sistema de saúde conhecido. Suas aulas se baseiam na fluidez do movimento e na respiração consciente e valorizam o equilíbrio entre corpo e mente, focando na evolução e autoconhecimento do aluno.

Ana Paula Fernandes

Ana Paula Fernandes
AMARGEM B

Ana Paula Santos é carioca de Barros Filho, Zona Norte da cidade, e coordenadora pedagógica do Museu do Graffiti, onde atua desenvolvendo e monitorando oficinas para crianças. No ano 2014, quando tornou-se mãe, iniciou a jornada de empreendedora criando a AMARGEM B que nasce da autonomia e autogestão, dialogando diretamente com o universo da mulher periférica como força criadora potente, apropriando-se da moda como via de trabalhar a autoestima. A marca caminha sob a filosofia do slow fashion, indo na contramão da lógica do descartável, com foco no upcycle e na customização, fazendo com que as pessoas consumam de forma mais consciente e artística, com um ato revolucionário ao meio ambiente.

Ana Paula Medina

Ana Paula Medina
Imani Anna

O Imani Anna, idealizado por Ana Paula Medina, nasce em 2007 em Vespasiano, Minas Gerais, como um projeto formado por mulheres com vivencia na economia solidária e inspiradas na cultura e identidade afro-brasileiras. Suas produções são bonecas pretas com retalho de pano, na forma de marcadores de livro, chaveiros, colares, entre outros formatos. A maior motivação das empreendoras do Imani Anna é perceber o quanto o seu artesanato é transformador em suas próprias vidas, e na vida dos seus clientes.

Ana Paula Nastari

Ana Paula Nastari
Elemento Madeira

Ana Paula Nastari é curitibana atualmente residindo em Joinville, Santa Catarina. Química, especialista em Meio Ambiente e Ultramaratonista, cria a Elemento Madeira da vontade de contribuir para um mundo mais sustentável. O objetivo da sua marca é reaproveitar vestígios de madeira, fazendo-os retornar à economia na forma de acessórios: colares, brincos e anéis, contribuindo para o não-descarte do material em aterros. Os demais componentes das suas peças também são materiais passíveis de reutilização e reciclagem, como vidro e metais. Ana Paula desenvolve peças únicas e artesanais, inspiradas no meio ambiente em que vivemos.

Ana Virgínia Silva

Ana Virgínia Silva
Coletivo Dona Onça

Ana Santos é nascida em Nilópolis e atualmente residente em Nova Iguaçu, Rio de Janeiro. O coletivo Dona Onça começa quando sua família habita um conjunto no Valverde que sofreu com invasões, ocasionando famílias a passarem por dificuldades. Tudo começa com Dona Waldineia, mãe da Ana, que passa a preparar e servir um "sopão" para as crianças. Inspirada pela mobilização da mãe, e enxergando as suas dificuldades, Ana decide iniciar um projeto para impulsionar as mulheres a se juntarem na luta pela mudança das suas realidades, através do artesanato sustentável. Hoje o coletivo resiste no processo de finalizar sua documentação para tornar-se uma associação que consiga auxiliar outros grupos, e na finalização da sua loja colaborativa e espaço de convivência, que pretende propor rodas de conversas, oficinas e atendimento psicológico para mulheres.

Andreia Oliveira

Andreia Oliveira
Andreia Brasis 

Idealizada por Andreia Oliveira, a Andreia Brasis surgiu em 2016 como uma marca de roupas e acessórios afro. Depois de um processo de branding e reposicionamento, expandiu suas referências e mergulhou na multiculturalidade brasileira. A marca oferece à mulher urbana contemporânea uma série de produtos artesanais composta por acessórios de moda, móveis, objetos para casa e tecidos repletos de história, transitando entre as nuances coloridas das raízes brasileiras, estimulando as mulheres a se expressem da forma que bem entenderem.

Andreza Ferreira

Andreza Ferreira
Caiz

Criada em 2014 por Andreza Ferreira, a Caiz acredita que a moda pode ser um meio para se expressar. Seguindo o movimento de slow fashion, encontra no fazer com esse ritmo uma possibilidade de sentir os processos, produzindo peças atemporais com consciência e cuidado.

Andrheya Brasil

Andrheya Brasil
mentoria e consultoria

Andrheya Brasil é mãe, empreendedora, mentora de negócios (certificada pela INNASA e associada a ABMEN), educadora e planejadora financeira. Administradora com MBA em Gestão Financeira, Auditoria e Controladoria pela FGV, com mais de 20 anos de experiência no mercado nas áreas administrativa e financeira em empresas nacionais e multinacionais. Auxilia empreendedores/startups em sua gestão financeira, através de mentoria e consultoria, orientando e disponibilizando ferramentas necessárias, gerando segurança e autonomia para o controle de suas finanças. Atua com projetos sociais na ASPLANDE, fomentando o empreendedorismo feminino, a educação financeira, gestão financeira, e disponibilizando ferramentas para gestão dos negócios através de palestras, oficinas e workshops. Atua também como palestrante e educadora financeira voluntária na Escola de Educação Financeira da RIOPREV, associada da PLANEJAR - Associação Brasileira de Planejadores Financeiros.

Angela Fagundes

Angela Fagundes
Florescer Moda

Angela Fagundes nasceu em Salvador e reside no Rio de Janeiro há bastante tempo. Atuante na área da moda, em 2013 cria a Florescer moda com a proposta de incorporar estampas africanas ao seu trabalho. Angela produz peças masculinas e femininas e enfatiza os corselets em feiras e eventos.

Anna Beatriz Machado

Anna Beatriz Machado
Ateliê Recul

Anna Beatriz Machado é mãe e mora no Rio de Janeiro. Após frustrações em diversos trabalhos, ela se reencontra com sua formação em Desenho Industrial dando origem ao Ateliê Recul. O projeto nasce do seu desejo de dividir com as pessoas o prazer de conviver com as plantas e vê-las crescerem. Juntando tecnologia e natureza, a marca desenvolve sua linha de vasos e terrários autorais feitos em impressora 3D com PLA, um plástico ecofriendly.

Arte da Graça

Arte da Graça
Tecnóloga em estética e cosmetologia

Graça é tecnóloga em estética e cosmetologia, nascida e criada em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense do Rio de Janeiro. Para complementar seu trabalho na época fez cursos de terapias holísticas e alternativas, quando foi convidada a fazer uma oficina de desfibramento do troncoda bananeira. Se identificou com a potencialidade estética do material, com o reaproveitamento do caule e deu inicio a produção de pulseiras para relógios e alguns acessórios. Desde então, há 8 anos, iniciou seu próprio-negócio de biojóias com a texturização da fibra. O objetivo de seu trabalho é gerar renda para mulheres, através da produção local e também projetar acessórios exclusivos com a matéria prima natural. Seu lema é: "quem tem fé e coragem, vence qualquer barreira."

Bangerz Bazar

Bangerz Bazar
Brechó

Anne Caroline (23 anos), Thayná Ferreira (22 anos) e Ademilde Vieira (50 anos) são moradoras da Baixada Fluminense. Em 2017, Anne e Thayná, desempregadas, partindo do seu amor pela moda e do seu gosto por customização, abrem o brechó virtual Bangerz Bazar, como uma maneira sustentável e forma de ingresso no mercado. Ademilde, tia de Anne, vem de Minas Gerais com o seu trabalho de anos com costura e customização para complementar o projeto. Além das customizações, a marca produz qualquer peça sob encomenda reutilizando retalhos e sonha em expandir o ramo de brechó e customização para produção de peças sob encomenda para todos os gêneros e tamanhos.

Bérénice Kpocheme

Bérénice Kpocheme
Trancista e hairstyle

Bérénice G.F. Kpocheme é mulher negra, africana nascida em Benim. Há cinco anos mudou-se para o Brasil em busca de oportunidades. Atualmente estuda Engenharia Química na Universidade Estadual do Rio de Janeiro - UERJ e trabalha com valorização da cultura e beleza da mulher negra. Trancista e hairstyle, faz tranças, penteados Afros para casamentos, aniversários, desfiles e eventos em geral. Além disso, é turbanista e vende acessórios de turbante, roupas e tecidos africanos importado do Benim e da Nigéria. O seu sonho é ampliar cada vez mais os seus conhecimentos e divulgar a sua arte pelo Brasil.

Catia Fantoni

Catia Fantoni

Catia Nascimento é mãe da Alice, Clara e Luísa. Idealizadora e criadora da marca Feito Amor Artesanatos. Quando criança, nas férias escolares, ao invés de pular amarelinha, frenquentava oficinas de artes manuais e brincava de aprender tricô, ponto cruz, pintura, entre outros. Sonhava que sua arte encantasse pessoas. Com o nascimento da segunda filha e o afastamento da vida corporativa, "mergulhou" no mundo de fios. E inciou os trabalhos com sua marca. Através da sua experiência no maternar e empreender deseja além da estabilidade financeira, mostrar a outra mães que é possível ser criativa e produtiva, sem abdicar da participação ativa e integral na criação e educação dos filhos. 

Célia Carvalho

Célia Carvalho
Ateliê Afro Oyá Design

Célia Cris Carvalho é carioca, casada, pedagoga, produtora e design de moda étnica. Reside e trabalha em Campo Grande, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Em sua dinâmica diária busca a construção do conhecimento através da pesquisa e uma das suas linhas de estudo é a influência da mulher preta na moda (as diferentes mulheres que chegaram ao Rio de Janeiro, trazidas pela diáspora africana, possuíam vida e produção, portanto contribuíram com a sua maneira de trajar). É criadora do Ateliê Afro Oyá Design, em funcionamento desde 2011, onde busca colocar em prática o resultado das suas leituras e realizar suas criações, acessórios com influência afreekana.

Claudia Bezerra

Claudia Bezerra
atelier criativo Kalinoscópio

Claudia Bezerra é professora, historiadora, cientista social e idealizadora do atelier criativo Kalinoscópio. Há quatro anos concretiza seu sonho empreendedor de unir o amor ao universo infantil por meio de produtos de algodão produzidos de maneira artesanal, de forma consciente e carinhosa. O princípio da marca é a criatividade na confecção dos acessórios e utilitários infantis, buscando beleza e alegria para os pequenos, sem abrir mão da qualidade e originalidade que o trabalho artesanal proporciona.

Clube das Pretas

Clube das Pretas

Andressa Abreu (fisioterapeuta) e Renata Varella (gerente de projetos) se uniram para criar um modelo de cuidados com cabelos crespos baseado nas próprias experiências. Aliaram conhecimento empírico com a técnica e fundaram o Clube das Pretas, primeira consultoria especializada em cabelos crespos naturais com tratamentos sem o uso de alisantes, relaxantes e outras químicas. O objetivo do Clube das Pretas é, além de trocar experiências com mulheres que reconheçam e valorizem a beleza dos crespos e cacheados, empoderar mulheres através de cuidados com os cabelos naturais que há décadas são negligenciados por salões de beleza e indústria de cosméticos.

Crisraquel Marcolino

Crisraquel Marcolino
Artesã

Crisraquel Marcolino, nascida em Campos dos Goytacazes, ao enfrentar problemas de saúde teve indicação médica de fazer algo que a trouxesse felicidade e um retorno positivo em sua vida. Diante dessa situação, ela se conectou com o seu sonho de criança de ter uma boneca que fosse parecida com ela. Atualmente Cris confecciona bonecas negras, pois acredita que representatividade importa, sonhar é necessário e ser empreendedora é melhor ainda! 

Cristiane Alves

Cristiane Alves
Djumbo

Cristiane Alves é idealizadora da grife Djumbo, que tem o compromisso de destacar a cultura afro através de cores, mensagens e estampas que valorizam líderes, ideias, conceitos, símbolos e atitudes que possam fortalecer a autoestima de negros e negras. Teve seu início em 2008, na confecção de camisetas estampadas com o objetivo de criar links com a cultura hip-hop. Djumbo fortalece a autoestima e nasce da periferia de Campinas (SP) a partir do incômodo de perceber que nesta cidade a população negra é demarcada por território.

Cristiane Fidalgo

Cristiane Fidalgo
Flora Biocosméticos

Cristiane Fidalgo é biomédica especialista em estética e cosmetologia, amante investigadora da natureza e dos saberes ancestrais. Idealizadora da marca Flora Biocosméticos, com o apoio da filha Júlia, jornalista e responsável pela divulgação. O projeto tem como pilares a saúde, a beleza e a sustentabilidade, através de produtos elaborados de óleos essenciais, das plantas medicinais, dos óleos e manteigas vegetais e das argilas. Livre de substâncias sintéticas, parabenos e derivados do petróleo, produzidos em pequeno laboratório atelier, um convite à reconexão com a natureza e ao autocuidado. Um olhar diferente sobre a estética e ressignificação da beleza, desconstruindo padrões e idealizando cosméticos com ciência, afeto e respeito ao corpo e ao planeta.

Cristiane Peixoto

Cristiane Peixoto
Winda

A Winda começou as suas atividades em 2016 no Rio de Janeiro a partir do desejo de duas moradoras da Zona Oeste de se sentirem melhor representadas na moda como espaço de identidade, luta, resistência e beleza. Diante dessa realidade a missão da Winda tornou-se, portanto, oferecer ao mercado vestuários e acessórios que traduzam as mulheres, transformando o ato de vestir-se em uma representação de quem você é. Contemporânea, a marca prova que a cada dia é possível ser atual sem abrir mão da sua essência, entrelaçando produtos de qualidade e conforto a liberdade e respeito, proporcionando um ambiente de moda mais democrático e diversificado.

Crochê das Minas

Crochê das Minas
artesanato

O Crochê das Minas é um coletivo de jovens mulheres crocheteiras que buscam, com a venda de suas produções, independência financeira e criativa. Produzem peças de decoração, vestuário, acessórios e bonecos (amigurumis). Veem o crochê como uma alternativa à indústria têxtil tradicional, também tem o objetivo de transformar o modo como o crochê é visto pela sociedade, exaltando suas características de empoderamento, terapêutica, inclusiva e geradora de renda. Prezam pelo comércio justo e procuram conscientizar a população acerca do valor do trabalho artesanal. Do ponto de vista ecológico, se preocupam em utilizar fios de marcas com responsabilidade ambiental, que utilizam processos de tingimento de fios que reduzem o descarte de água, e também fio de malha, que provém da reutilização de resíduos da indústria têxtil. Esse é o Crochê das Minas, cheio de originalidade e força feminina.

Cyntia Matos

Cyntia Matos
Costurando Histórias e Memórias e Afetos

Cyntia Matos é educadora popular feminista moradora da Baixada Fluminense. Desenvolve trabalho com mulheres da região, e da região metropolitana do Rio de Janeiro, por meio de rodas de conversas intinerantes que abordam temas diversos, como direitos humanos, gênero e empoderamento feminino. Em 2017 surge o projeto Costurando Histórias e Memórias e Afetos que tem como objetivo o resgate da escuta e das memórias afetivas.A partir dessas escutas cria-se uma colcha de memórias afetivas, onde cada mulher pode costurar sua história com a outra e formar uma colcha de tecido coletiva, na qual ela se reconheça e descubra o seu protagonismo como mulher.

Débora Campos

Débora Campos
Afro Conexões

Débora Campos é arte educadora, bailarina, preparadora corporal, coreógrafa e pesquisadora. Bisneta de escrava, cresceu ouvindo as historias de suas avós, mulheres que marcaram sua vida. Foi escolhida pela arte, que chegou com o canto e depois com a dança. Sua relação com a dança fortaleceu sua origem e paixão pelas culturas afrobrasileira e africana. Através do projeto Afro Conexões promove aulas, palestras, cursos e encontros nos quais a cultura negra é reverenciada tendo como foco o corpo em movimento.

Débora Porto

Débora Porto
Sheruba

Ela sempre foi Débora “favelada”, mas com o passar dos anos, com muitas tranças, se batizou Sheruba e após muito trabalho e muitas histórias, nasceu, então, a necessidade de empreender, com base em suas vivências e experiências. Nasceu e cresceu na favela Taquaril (ZL), em Belo Horizonte. Com 27 anos hoje, já tem uma trajetória de 12 anos como Trancista (+8.500 pessoas trançadas), domina a habilidade de criar as tranças a partir do que sente das pessoas que a procuram para serem trançadas: “cê fala, eu sinto, nois desembola”. O fato de Shêr ser lida em 7 rótulos sociais e sofrer o impacto dos mesmo diariamente (favelada, preta, solteira, gorda, mãe, "mulher", sapatão), lhe fez ter uma vida nômade e, através desta vivência, a mesma fez uma releitura da sua vida, onde se questionou em 2017 se sobreviveria ou morreria. Com isso, percebeu o que era necessário para manter sua clientela leal, fazendo com que mais clientes novos aparecessem. Sair do ócio, ir para o ofício e seguir com seu empreendimento, foi o que aconteceu com uma Trancista favelada, que vive unicamente desta renda a mais 12 anos, feliz e com 7 rótulos. Costuma sempre saudar a sociedade da seguinte forma: "Prazer, meu nome é Sheruba! Salve quebrada, salve asfalto. Vem na humildade, seguimos nas trocas de cuidados e vivências ."

Dinha Pinheiro

Dinha Pinheiro
Ateliê d'Ajuda

Dinha Pinheiro nascida e criada em Nova Iguaçu na Baixada Fluminense, formada em gestão pública com extensão em projetos sociais, atriz, cantora popular e artesã. Atualmente coordena o Projeto Ateliê d'Ajuda, uma Rede Colaborativa de Artesãs com 38 integrantes, que tem como prioridade o escoamento dos produtos, desenvolvimento pessoal e de negócios. Sua mensagem como empreendedora e para o Festival é que: “quando se fala em artesanato tem como marca a “exigência no acabamento dos produtos”, mas quando se fala em pessoas tem como marca “o cuidado de não de olhar depressa demais para os outros”."

Divas da Criação

Divas da Criação
Divas da Criação

Miriam e Yara Chaves são as Divas da Criação do bairro de Ramos, no Complexo do Alemão e trabalham com reciclagem de tecidos confeccionando brinquedos para o resgate das brincadeiras infantis, bolsas e pesos de porta, almofadas entre outros. Um grupo de mulheres que fazem das suas atividades o seu sustento e reutilizam o retalho da forma mais criativa!

Edna do Carmo

Edna do Carmo
Nega Atrrevida

Edna do Carmo realizou seu sonho de criar a Nega Atrrevida no ano de 2011. Iniciou sem nenhum recurso financeiro ou ajuda de qualquer natureza. A marca trabalha com roupas afro e étnicas com o objetivo de mostrar a beleza da mulher negra através das estampas. Edna atualmente conta com a colaboração da filha, parceira e companheira, sobrevivendo financeiramente do seu trabalho.

Edna Márcia

Edna Márcia
Filó Patchwork

Edna Márcia Patricio é artesã moradora da Maré. começou no artesanato quando seus dois filhos ainda eram crianças, como uma forma de aumentar a renda da família. Tem cursos técnicos de produção de moda e vestuário, de costura, modelagem e adereços. Curiosa, está sempre buscando novas alternativas e combinações para produzir suas mochilas, seu principal produto, e acessórios. Expõe as peças da sua marca Filó Patchwork em feiras nas praças do Rio de Janeiro.

Edna Rosa

Edna Rosa
Afrobeach

Edna Rosa é contadora, com especialização em Finanças, e designer de Moda Praia, pelo IED Rio. Imersa por sua paixão, enxergou um “mar” de carências e de falta de identidade nas roupas de banho. Mulheres precisavam de biquínis e maiôs mais coloridos, com um toque afrobrasileiro e com modelagem democrática, para vestir a maioria dos corpos reais e lindos, com curvas e naturalidade ancestrais. Idealizadora da Afrobeach, já está há um ano africanizando as praias do Brasil, querendo dominar o mundo, com o propósito de vestir mulheres livres.

Edneide Pereira

Edneide Pereira
Eco Fêmea

Edneide Pereira é formada em pedagogia e trabalhou dez anos em uma escola privada. É colaboradora do Espaço Casulo - um coletivo de mulheres da Maré com troca de ideias e atividades com enfoque na mulher, eco feminista, terapeuta menstrual, facilitadora de ciclos femininos e empreendedora da marca Eco Fêmea.

Edzita SigoViva

Edzita SigoViva
SigoViva

Edzita SigoViva é sertaneja, tia-mãe, educadora, doula e terapeuta Moon Mother, bordadeira, costureira e artista na SigoViva. Formada em Comunicação Social e Mestre em Ciências Sociais pela UFRN, desenvolveu uma pesquisa sobre infância, cinema, auto-memória e devaneio poético, a partir da qual publicou o livro “Miguilins no sertão da cabaça azul” em 2013. Trabalha para o encontro das mulheres com a beleza da divindade feminina nelas mesmas, por meio da vivência do ciclo menstrual como herança espiritual. Facilita a Roda Feituras de Mulher – experiência de criação e consagração de objetos para conexão, cura, proteção e agradecimento em rituais femininos. Realiza o projeto itinerante Voz de Ventres – espaço para escuta, acolhimento e partilhas entre mulheres desde seus úteros-corações.

Eleusina Carvalho

Eleusina Carvalho
artesã

Eleusina Carvalho é artesã e trabalha com artesanato afro desde 2010 usando a técnica da pintura decorativa com decoupage. Pensando na diversidade cultural e igualdade racial, faz peças utilitárias como vasos, caixas e quadros com imagens de santos. Suas peças são pintadas com pátinas e texturas muito coloridas de acordo com as cores dos orixás. Desta forma, ela acredita contribuir no combate à intolerância religiosa. Se sente feliz em poder oferecer os presentes que seus clientes querem dar aos seus orixás. O amor pela cultura afro é a sua inspiração.

Elis Pinto

Elis Pinto
Artista visual, escritora de literatura negra e empreendedora

Elisangela Pinto é graduada em Ciências Biológicas e fez cursos na EAV-Parque Lage. É mãe, moradora de Santa Teresa e nascida em Duque de Caxias. Sofreu violências obstétricas em 2011 e seu trabalho artístico é voltado ao feminismo negro. Artista visual e escritora de literatura negra. Empreende produzindo geléias veganas e orgânicas a Vênus, com frutas do seu próprio quintal, que trazem no rótulo suas pinturas da série As Três Graças do Brasil, valorizando a cultura afro-tupiniquim feminina.

Elisabeth Teixeira

Elisabeth Teixeira
Atelier Bela Bbell

Elisabeth Teixeira é sonhadora e o seu Atelier Bela Bbell representa um sonho antigo de buscar formas diferentes e exclusivas de confeccionar acessórios e artigos femininos. O conceito da marca é pautado em usar materiais que possam ser recriados, reinventados e reciclados como artigos antenados com as tendências mundiais da moda. Ao longo de sua existência, o Atelier Bela Bbell vem lançando campanhas de recolhimento de cápsulas de café e outros recicláveis para uso em suas criações, como forma de alinhar-se a um modelo de moda mais sustentável. Para incentivar as doações, criou campanhas nas quais os clientes trocam uma quantidade determinada de cápsulas, e mais outros produtos recicláveis, por uma peça da coleção. O objetivo é divulgar e conscientizar, para que seja possível alcançar cada vez mais pessoas, transformando ideias em ações participativas e concretas.

Elza Santiago

Elza Santiago
Casa das Bordadeiras da Coroa

Elza Santiago é artesã e feminista. Ativista de movimentos sociais entre eles o FBES - Fórum Brasileiro de Economia Solidária e a AMB - Articulação de Mulheres Brasileiras. Nascida em Alagoa Grande (Paraíba), saiu de casa com 19 anos para ganhar o mundo, levando com ela apenas sonhos. Quando ficou viúva em 2005, sem nenhuma renda para sustentar os dois filhos e nenhuma perspectiva de arrumar um emprego, juntou-se a outras mulheres da comunidade que morava e foram fazer o que sabiam para gerar renda: juntaram suas aptidões e conhecimentos de trabalhos manuais. Trabalhando nas áreas da costura, bordado e customização – através do reaproveitamento de tecidos, linhas, tintas e banners de plástico – juntas criaram a Casa das Bordadeiras da Coroa.

Ervas e Afins

Ervas e Afins

Elisa Fernandes é sócia e companheira de Viviane Pereira, idealizadora da Ervas e Afins. Carioca, umbandista, lésbica, jornalista, cantora e compositora, Elisa começa a se relacionar com a saboaria e cosméticos artesanais a partir da sua relação com a Viviane. A Ervas e Afins nasce da necessidade de compartilhar suas pesquisas com plantas e outros elementos da natureza, priorizando folhas, frutos e raízes brasileiras riquíssimas em propriedades. Sua inspiração vem das práticas de saúde e espiritualidade de povos tradicionais como indígenas, candomblecistas e umbandistas. Atualmente a marca cria uma diversidade de produtos naturais como cremes, perfumes, shampoos sólidos, sabonetes de argila, óleos de massagem, dentre outros, na perspectiva de cuidado integral, entendendo que beleza é um estado de espírito que reflete equilíbrio e bem-estar.

Fabiana Duffrayer

Fabiana Duffrayer
BANANABITATI

Fabiana Duffrayer é Arquiteta e Urbanista com pós-graduação em Economia e Gestão da Sustentabilidade. Depois de alguns anos trabalhando com projetos socioambientais e fazendo voluntariado em bazares, resolveu mergulhar de cabeça no universo dos negócios de impacto. A enorme quantidade de resíduos (roupas, tecidos, aviamentos, acessórios e etc) descartados por diversos motivos, antes do total aproveitamento de seu potencial, motivaram a carioca a encontrar uma solução alternativa. A BANANABITATI é um brechó que adquire suas peças exclusivamente em instituições de caridade e trabalha pela conscientização em prol do consumo consciente. Um brechó com propósito que coloca de volta em circulação peças novas, semi-novas e usadas escolhidas a dedo pra gente consumir com baixo impacto e, de quebra, ajudar a uma causa socioambiental.

Fabiana Esch

Fabiana Esch
Atelier Fabí Esch.

Fabiana Esch é moradora da serra fluminense, nasceu em Petrópolis, Rio. Pedagoga de formação, deixou de trabalhar em sala de aula e após dezessete anos, com um filho pequeno e muita criatividade criou o Atelier Fabí Esch. Há sete anos a marca de produtos personalizados infantis dá vida ao seu sonho de unir a criatividade com a maternidade sustentável. Hoje seu filho crescido é o maior modelo e divulgador da marca criada pela mãe.

Fernanda Gonçalves

Fernanda Gonçalves
O VERBO ETC E TAL

Fernanda Gonçalves é carioca, estilista de moda, design de superfície de formação, design cultural por opção e designer social de vocação. Viu no empreender uma forma de subsistência a tantas coisas que gostaria de ver diferente no mundo, criando O VERBO ETC E TAL. A missão da marca é comunicar a semente do amor eterno por meio da moda, através da mistura de símbolos, colagens, desenhos e palavras, conceitos e valores africanos que despertam reflexões e mudanças que são estampadas em suas camisetas.

Flávia Verçoza

Flávia Verçoza
Atelier de bolsas

Flávia Verçoza é feminista, pedagoga, nasceu em Olinda/PE e mora no Sítio Histórico de Olinda. Cresceu entre mulheres que costuravam desde roupas até bandeiras, motivo pelo qual acredita ter intimidade e interesse pelos tecidos e artesanatos. Trabalha com bolsas de forma mais sistemática há quase três anos e buscou criar um modelo que, além de popular, pudesse divulgar as imagens das mulheres que a inspiram e despertam a luta de tantas outras. Seus projetos futuros são costurar muito, cada vez mais e melhor, e abrir uma sala de costura para as mulheres que moram no entorno do Atelier de bolsas, no sentido de contribuir com sua autonomia. Acredita que a revolução será a partir das mulheres, sobretudo se puderem ter igualdade de oportunidades.

Gabriela Almeida

Gabriela Almeida
Studio Beleza & Cia

Gabi Almeida é nascida e criada na Baixada Fluminense do RJ, na cidade de Duque de Caxias. Alguns anos vem trabalhando na área da Beleza. Iniciou com atendimentos em tranças Afro e mega hair e em 2015 criou a Studio Beleza & Cia, onde ministra treinamentos na área. O trabalho coopera na formação profissional de futuras empreendedoras através da autoestima, autoconfiança e independência financeira. Para ela, toda conquista começa com a decisão de tentar.

Gisele Paixão Barthar

Gisele Paixão Barthar
Clichêe Assessórios

Gisele Paixão é idealizadora da Clichêe Assessórios que nasceu a partir de um sonho de espalhar a beleza por todos os cantos. Começou como um hobby, se transformou num segundo plano e em Setembro de 2016 a sua marca é fundada. Iniciou seus trabalhos através da participação na feira de economia criativa chamada "Mixtape no Parque", mas foi em Outubro de 2017 que passou a ser o primeiro plano de sua idealizadora. Desde então, o sonho de deixar as pessoas ainda mais confiantes e bonitas só cresce. Clichêe hoje é um ateliê com a finalidade de trazer mais comodidade e credibilidade para a clientela. Gisele Paixão se sente muito honrada em poder participar deste Festival.

Gloria Correia

Gloria Correia
Saíras

Gloria Correia é carioca, pedagoga especializada em Relações Etnicorraciais, designer de moda e artesã. Sua principal função é o combate ao racismo e quaisquer forma de preconceito, em especial à mulher negra, realizando oficinas que visam a valorização de uma estética afro-brasileira. É diretora criativa da marca Saíras, que tem como conceito a valorização do artesanato brasileiro. Atualmente é curadora do Espaço Maria Elisa Churro-Memória do Bordado Fluminense no Museu do Artesanato do Estado do Rio de Janeiro, em Petrópolis, onde implementa o projeto Na Rota do Bordado Fluminense. A iniciativa que tem como finalidade a formação de uma rede sustentável entre as bordadeiras, visando a valorização das artesãs e da técnica milenar. Em constante movimento, a designer busca através da arte e de princípios centrados na ética e no respeito mútuo realizar um trabalho colaborativo. Ela afirma que "entre fios e tramas traçamos novos caminhos."

Harmonium Alquimia & Mehandini

Harmonium Alquimia & Mehandini

Ana Frossard e Débora Lopes são naturais do Rio de Janeiro e juntas mergulham no conhecimento e práticas ancestrais de cura da cultura oriental. Ana, como educadora física, instrutora de Yoga e henna designer, dedica-se ao estudo e vivências dos saberes ancestrais da arte em henna natural e da Yoga, práticas que se alinham ao desenvolvimento do auto-conhecimento e expressão. Débora formada em Artes pela UFRJ empreende há 10 anos estudos, vivências e pesquisa na sabedoria das plantas medicinais, aromatologia, arte e herbalismo mágico. Consolidando em 2014 a marca Harmonium que através destas ferramentas oferece atendimentos, cursos e produtos terapêuticos. As duas profissionais em parceria levam os Saberes da Terra, oferecendo beleza, arte, equilíbrio, entre outros benefícios, principalmente ao Universo Feminino.

Ignez Teixeira

Ignez Teixeira
Atitude Negra

Ignez, há 25 anos iniciada no candomblé, é a Yalorixá do Ilê Axé D' Ogum - já Ignez Teixeira (Mãe Ignez D'Yansã) além de manter seu terreiro em Anchieta-RJ, milita contra o racismo e intolerância religiosa, a favor do empoderamento feminino e do resgate ancestral africano. Como produto de combate, criou a Atitude Negra. A marca representa os povos e comunidades tradicionais de Matriz Africana e a população negra, em especial as mulheres, que na moda cotidiana são representadas por padrões eurocêntricos de beleza. Após ocupar espaços de comércio e fazer parte do coletivo de designers negros "Afrocriadores", a Atitude Negra relançou sua loja sede dentro do terreiro, onnde desenvolve as habilidades de Mulheres de Axé, que é grande oportunidade política e energética de desenvolver a marca, tornando-a cada dia mais com propósito e impacto social, com muito axé.

Iris Amâncio

Iris Amâncio
NANDYALA Livros

Iris Amâncio é Mineira de Muriaé, professora, pesquisadora e editora. Desde pequena, transita por vários caminhos, do rio ao topo da montanha, do rural ao urbano, das oralidades às escritas. Há doze anos, estabeleceu a NANDYALA Livros (livraria – editora – Instituto), um empreendimento de mulheres negras que acreditam no livro e na leitura como ferramentas estratégicas de inovação social, possibilitando interações com diferentes saberes e libertando mentes ainda colonizadas pelo imaginário eurocentrado, preconceituoso e excludente, que há séculos insiste em dividir a Humanidade. Altamente especializada em relações étnico-raciais, relações de gênero, sustentabilidade e Direitos Humanos, promove o respeito às diferenças e espalha afeto pelo mundo por meio das leituras na diversidade. Representa o potencial coletivo de afroempreender no mercado editorial de forma disruptiva, em diálogo com a luta contra o racismo e o sexismo, em favor do respeito à natureza e às identidades de cada um. Então, liberte-se: leia NANDYALA Livros!

Isabela Carpena

Isabela Carpena
Nau Cultural

Isabela Carpena é carioca, moradora de Santa Teresa. Trabalhou com cenografia e identidade visual de projetos culturais e há dois anos decidiu focar sua pesquisa em arte e cultura brasileira, assumindo o desenvolvimento de peças da Nau Cultural. Hoje é parte da Galeria Bazá, casa de cultura em Santa Teresa, decorada com a sua coleção, onde produz shows de sexta a domingo. Seu desejo é trazer para o cotidiano das metrópoles a riqueza do trabalho artesanal e do imaginário da nossa cultura.

Isabele Delgado

Isabele Delgado
Ciclo Ambiental EcoModa

Isabele Delgado é apaixonada pela beleza da liberdade indígena e aquariana. Nascida no interior do Rio de Janeiro, mãe solteira aos 19 anos, saiu de casa aos 17anos e começou a trabalhar informalmente aos 14 anos. Há 15 anos tem uma empresa e acredita que sempre é possivel se repensar, assimilar e seguir em frente. Apaixonada pela moda autoral e posicionada, trabalhou e empreendeu com as melhores marcas dos anos 80 e 90. Em 2002, ao trabalhar para a Couro Vegetal da Amazônia, encontrou definitivamente a sua missão. No ano de 2003 fundou no Rio de Janeiro a Ciclo Ambiental, marca de roupas e acessórios ecológicos, inspirada nos principio dos movimentos fair trade e slow-fashion. A industria da moda é um dos setores mais complexos e geradores de emprego no mundo, com seu forte apelo de comunicação e impacto nos comportamentos, está fazendo autocrítica e se adequando as exigências do século 21.

Jeito de Mimar

Jeito de Mimar

A Jeito de Mimar foi criada, em 2015 pela educadora, gestora de recursos humanos e artesã Vanessa Barcellos e sua esposa, a jornalista, educadora e feminista negra Ivana Dorali. Tem o objetivo de fomentar a representatividade negra, especialmente no que tange às religiões de matriz africana, através de bonecas/os, chaveiros, móbile, entre outros artigos. A marca traz a referência ancestral no nome, uma vez que surge, a partir da expressão “jeito de mim, mar”, em homenagem à Rainha do Mar, Iemanjá. Os produtos são feitos à mão – e podem ser personalizados-, sempre com excelência e qualidade. Atualmente, a marca se expande pensando outras formas de representatividade, como mulheres gordas e pessoas com deficiências físicas.

Jéssica Góes

Jéssica Góes
Artista Visual

Jéssica Góes é nascida no Rio de Janeiro. Desde criança já rabiscava tudo: paredes, guardanapos e livros de matemática. Por ser muito tímida, criava seus vários mundos com seus lápis de cores. Atualmente é formada em Bacharel e Licenciatura em Artes Visuais pela UERJ. Suas ilustrações pensam na questão da representatividade enquanto mulher negra. Segue focada em se tornar ilustradora de livros infantis e ser reconhecida pelo seu trabalho, seja vendendo em feiras de artes ou expondo em galerias. Além de estar sempre aberta ao aprendizado das artes, explorando desenho, gravura e pintura.

Joyce dos Santos

Joyce dos Santos
Art Negra

Joyce dos Santos é idealizadora da Art Negra cuja a marca é mais do que uma confecção de roupas, significa uma história de superação e empoderamento de uma mulher negra, moradora da zona oeste do Rio de Janeiro. Criada há cinco anos, a marca agregou outros trabalhos para além de quadros e roupas de orixás, a idealizadora arriscou fazendo o seu primeiro vestido black que deu certo ampliando a sua potência.

Julia Botafogo

Julia Botafogo
ceramista

Julia é ceramista, gestora cultural, educadora por formação, fotografa e jardineira por paixão.Seu primeiro contato com a cerâmica foi quando morava no Marrocos. Mas iniciou-se de fato, há dois anos, quanto teve vontade de produzir peças, como cubas e azulejos para sua casa e hospedagem que construía no interior do Rio. Com a sobra do material, fez algumas pequenas jóias para serem transformados em difusores pessoais, colares onde podemos carregar um óleo essencial de nossa preferencia e praticar a aromaterapia que a tempos tinha se encantado com a ideia. O feedback positivo nas primeiras vendas, aliou-se na vontade de ter um produto, que pudesse carregar e vender. Desde então, Julia vem experimentando diferentes materiais e processos, produzindo aos poucos diferentes coleções, todas peças únicas modeladas a mão e queimadas a alta temperatura. Seu objetivo é investir em um forno próprio para ter sua autonomia e produzir utilitários.

Juliana Julio

Juliana Julio
Oxupá

Juliana é aluna e discípula de Cristina, mulher preta, mestra de capoeira angola e artesã que desenvolveu a técnica de construção dos bonecos e bonecas, trançados em miçangas e pedrarias. Através das cores e elementos, os bonecos e bonecas figuram representações dos orixás. Fundaram seu próprio grupo de capoeira angola, em 2007. Além de alunas e discípulas, Sereia Preta e Livia, são também artesãs com a possibilidade de realizar o antigo sonho de criar uma cooperativa de mulheres pretas, passando adiante a técnica. A identificação entre elas foi imediata por perceberem-se mulheres pretas, batalhadoras da difícil sobrevivência diária.

Juliana Lossio

Juliana Lossio
desenhista

Juliana Lossio é nascida e criada no Rio de Janeiro, começou a desenhar com 14 anos de idade devido ao seu estado de saúde depressivo. Começou sozinha no seu quarto e logo viu a arte como forma de expressar aquilo que não conseguia verbalizar. Sobrevivente de abusos quando criança, hoje, com 23 anos, continua a desenhar e a estampar blusas e bolsas para falar dos sentimentos e traumas passados com o objetivo de conscientizar cada vez mais pessoas e vítimas como ela. Art is a way of survival.

Lari Arantes

Lari Arantes
Ilustradora

Lari Arantes é ilustradora, natural do Rio de Janeiro. Formada em design pela UERJ, atuou como designer gráfico por quase 10 anos até se dedicar completamente à ilustração. Em seus trabalhos combina delicadeza e ironia, questionando as expectativas quanto à produção artística feminina. A artista desenvolve ilustrações em diversos suportes e mídias, como gravuras, pinturas em aquarela, zines, peças de vestuário, etc. Atualmente concilia trabalhos como ilustradora freelancer com a participação em feiras de arte independente e venda de seus produtos em lojas físicas no Rio e em São Paulo.

Léa Celina

Léa Celina
Cantarolando

Léa Celina é criadora da Cantarolando - Projeto Criativo Musical - que foi inspirada no desejo de multiplicar e perpetuar a boa música através de produtos que expressem a grandiosidade e diversidade do universo musical através de imagens e textos que inspirem e sensibilizem os amantes da primeira arte. O projeto inicia-se grandioso, com o lançamento dos produtos oficiais do grande Mestre Cartola da Mangueira. Com um propósito maior, parte da renda é destinada a projetos que ajudem a perpetuar sua obra. Os produtos são encontrados na loja virtual www.cantarolando.com.br, na boutique da Mangueira, na Cidade do Samba, entre outros. E, como o projeto é criativo e musical, marca presença em rodas de samba, quilombos, encontros culturais. Por esta razão, com harmonia, nossa proposta é seguir Cantarolando boa música.

Lea Simone de Carvalho

Lea Simone de Carvalho
Publisher da Editora Metanoia

Léa Carvalho é moradora na Zona Norte da cidade do Rio de Janeiro com sua esposa MaLu e seus quatro bichinhos (duas gatinhas, um cãozinho e uma cachorrinha). Desde 2009 é Publisher da Editora Metanoia, uma das poucas no Brasil que publica exclusivamente sobre Gênero e Sexualidade. Milita pelos Direitos Humanos, em especial da população LGBT, participa da Articulação Brasileira de Lésbicas e acredita que a literatura que produz contribui para o empoderamento de mulheres e pessoas LGBT e para a construção de uma sociedade culturalmente diversa e socialmente justa.

Lenita Abreu da Silva

Lenita Abreu da Silva
Lenny Spalato

Lenita Abreu é idealizadora da Marca Lenny Spalato, como é conhecida nas redes sociais, é carioca e moradora de Santa Teresa onde tem seu atelier. Os livros, brinquedos e jogos artesanais em tecido, pintados à mão e confeccionados pelo Atelier Lenny Spalato, tem por objetivo o desenvolvimento infantil, mantendo nesse conjunto uma linha voltada para crianças especiais. Pelo trabalho artesão, colorido e criativo, de costureira e mulher empreendedora, recebeu Moção Honrosa na Câmara Municipal do Rio de Janeiro em 2018.

Leonor Oliveira de Almeida

Leonor Oliveira de Almeida
professora e Personal Organizer

Leonor Almeida é professora graduada e Personal Organizer certificada. Trabalhou 28 anos como diretora administrativa e pedagógica na educação, foi contratada para coordenar vários Projetos pedagógicos na CEPERJ. Atualmente dedica-se à organização de espaços Residenciais e Corporativos, onde através de técnicas e com muita sensibilidade, identifica as personalidades de cada cliente, dedicando amor a cada projeto realizado. A vida moderna, imprime as pessoas um ritmo muitas vezes alucinante, o que faz com que o tempo fique mais curto e cada vez mais valioso, por isso acredita que ser organizado é o ponto chave para se ganhar mais tempo, espaço e coisas que realmente importam.

Liana Conceição

Liana Conceição
D´Afrika

Liana é figurinista cênica, designer de moda e idealizadora da Liana D´afrika que tem como ponto de partida o resgate da identidade africana nas vestimentas. Como proposta de valor, cria peças de alfaiataria exclusivas em tecidos Moçambicanos, linho, entre outros, propondo originalidade, leveza e estilo com moda afro brasileira. Pensando no impacto social, confecciona colares, brinco, cintos, a partir dos resíduos de tecidos afro e materiais que vão pro lixo tais como caixa de leite, madeira, cadarço e outros.

Libertees

Libertees

Marcella Mafra (formada em Relações Públicas) e Daniela Queiroga (especialista em Neurociências) decidiram empreender e colocar o sonho em prática quando criaram a Libertees. Marca mineira de roupas femininas que traz em seu DNA a geração de impacto social e transformação de vidas, pois da estampa à confecção as peças contam com o as mãos e o trabalho das mulheres costureiras do Complexo Penitenciário Feminino Estevão Pinto, em Belo Horizonte. De cores fortes e traços descompromissados, as peças cheias de história dão autenticidade às estampas exclusivas da marca e geram impactos significativos a vida das costureiras que são remuneradas conforme previsto na Lei de Execução Penal (7.210/84, artigo 29), além do direito à remissão de pena. Fazendo jus ao nome, – Libertees – as duas amigas sentem a responsabilidade de proporcionar oportunidades para transformar as vidas das mulheres em situação de encarceramento através da arte, do trabalho e da educação, para que assim possam reconstruir sua história, sua autoestima, o respeito e a perspectiva de um futuro.

Ligia Parreira de Andrade

Ligia Parreira de Andrade
Devassas

Ligia Andrande é carioca, suburbana, publicitária e atua no mercado de moda há vinte anos Há quinze anos fundou a marca de empoderamento feminino, com narrativa negra “Devassas.com”, que o sarcasmo e referências populares e arte cosmopolita são as características das criações. É a estilista, a designer das estampas e quem gere o branding da marca. Há um ano participa do coletivo de designers negros “AfroCriadores”, onde a potência empreendedora criativa negra é a ponto de partida para a transformação da moda brasileira, e é responsável pela comunicação do grupo. Seu objetivo de vida é fazer da moda uma arma contra o racismo, o patriarcado, todo o tipo de ditadura comportamental e intolerância social.

Lilyen Vass

Lilyen Vass

Lilyen Vass é mãe, estudou Teatro e Dança juntamente com o momento da maternidade . Ao se conectar com a educação Somática e as Artes Corporais terapêuticas chinesas, sentiu que poderia somar olhares mais acolhedores do que os seus. Atualmente, percebeu que, tanto os trabalhos que desenvolve com criação (desenhos, vídeos, etc), como os que pratica e oferece de Consciência Corporal, têm o mesmo ponto em comum, a delicadeza. O curioso é que negou a delicadeza nela a vida toda, confundindo com fraqueza. Hoje, gostaria de viver como sabe desenhar, deixando fluir o movimento de forma que a experiência do erro se dê como cultivo de novas possibilidades e perspectivas. Para ela, ser mãe ainda é seu maior desafio, onde trilhou, e ainda trilha, o caminho mais importante de aproximar-se dela mesma e, quem sabe, assim, viver a maternidade e a feminina delicadeza que reside nela de forma plena.

Lívia Castro

Lívia Castro
Mater Originalis

Lívia Castro é feminista, mãe de três e há quase seis anos criou a Mater Originalis, visando trabalhar e ao mesmo tempo dedicar-se ao seu primogênito. O empreendimento nasceu com a produção e venda de slings, carregadores de bebê que a família usou muito com seu primeiro bebê. O resíduo da produção dos carregadores passou a ser usado para produção de roupas infantis. Hoje a marca se expandiu e conta com uma linha de roupas para o universo materno infantil. Os resíduos da produção são aproveitados em produtos menores e em artesanato, de forma que não haja descarte. A proposta da Mater é oferecer slings e roupas confortáveis, produzidos com matéria prima nacional. Todas as fases da produção: modelagem, corte, costura e fotografia são executadas por mulheres mães, este é um dos princípios da empresa. Lívia atua na Rede Colmeia de Mulheres ao lado de outras mulheres empreendedoras.

Lizza Dias

Lizza Dias
Caboclinhas na Rua

Lizza Dias é cantora oficineira de Jongo e confecciona roupas de pano de chita em homenagem aos ancestrais africanos. Através da dança e da cultura afro começa o projeto Caboclinhas na Rua, ampliado para roupas e acessórios também com a identidade afro.

Loren Stainff

Loren Stainff
Ateliê Passo Ponto

Loren Stainff é moradora de São Gonçalo, nascida em Niterói e mãe solo de dois filhos. Há três anos abandonou a carreira de professora de dança e começou sua trajetória na moda através da criação do Ateliê Passo Ponto, inspirada pela diversidade de texturas encontradas em inúmeros retalhos, além da cultura artesanal. Loren cria peças versáteis, únicas e representativas. Ela entende o Ateliê como o jeito de costurar a essência às necessidades atuais como representação, empoderamento e sustentabilidade. Acredita em impactar e transformar através de uma moda de real valor, por um futuro mais sustentável.

Luciana Nascimento

Luciana Nascimento
artesã

A artista e empreendedora Luciana Nascimento teve sua formação no mercado de Produção de Eventos, estando sempre envolvida com a criação e produção de joias e bijuterias como hobby. Em 2006 vem de São Paulo para fazer uma pós graduação em Design de Joias na PUC, ainda como hobby. No decorrer do curso cresce o seu interesse pela joalheria de bancada fazendo com que troque o curso de pós graduação pelo Curso de Ourivesaria na Escola de Joalheria Espaço Rita Santos onde cursa durante quase um ano o Básico de Ourivesaria. Já no ano de 2013, começa a sofrer com a escassez de trabalho no mercado de Eventos, decidindo assim abrir a sua própria marca de joias autorais. Apaixonada pela joalheria de autor, a artista participa de todos os processos da criação das peças, tornando-as especiais e exclusivas. Manualmente, utilizando metais nobres e elementos naturais, o material cria forma através do fogo, ferramentas e outras técnicas, dando a cada peça forma única e valor artístico, tornando-a atemporal, como uma obra de arte.

Luciana Pinto

Luciana Pinto
Lojinha da Lu

Luciana Ferreira Pinto é moradora do município de São Gonçalo e sempre apaixonada por artesanato, há quatro anos conheceu o artesanato em feltro. A partir disso, resolveu dedicar-se exclusivamente a esse tipo de trabalho manual. Morando sozinha com o filho, encontrou a solução de conciliar maternidade e trabalho, também pela necessidade de ter mais tempo com a família. Direcionada pelo empreendedorismo que atravessa busca de renda, autonomia no trabalho e independência, Luciana resolveu fazer do artesanato a sua profissão. Assim nasceu a Lojinha da Lu, que se conecta com o Brasil todo e oferece lembranças para festas, casamentos e maternidade, através de uma loja virtual.

Ludmyla Oliveira

Ludmyla Oliveira
Crioula Criativa

Ludmyla Oliveira é designer da Crioula Criativa, um ateliê de bolsas e acessórios artesanais, criado e gerenciado exclusivamente por mulheres, para resgatar a ancestralidade, a inspiração promovendo a autoestima e valorização feminina. O processo de criação utiliza-se da transformação dos resíduos e matérias reciclados em produtos com qualidade e valor. Formada em Administração, atualmente faz parte do coletivo Da Margem. 

Luíza Carvalho

Luíza Carvalho
Vivá Essencial

Luíza Carvalho é feminista, ambientalista e empreendedora. Há 3 anos se juntou à duas amigas para empreender na Vivá Essencial. A empresa surgiu da vontade de produzir cosméticos saudáveis para o nosso corpo. Aliamos a Fitoterapia à Aromaterapia para termos sucesso nos efeitos desejados e os resultados foram conseguidos através de cursos, pesquisas e experiências para poder proporcionar uma atenção única e especial em cada produto para que tenha essa Vivá Essencial.

Lyvia de Paula Leite

Lyvia de Paula Leite
Canirim

Lyvia Leite é artesã, mora em Magé e cresceu aprendendo a criar, transformar e a resignificar as coisas. Canirim, sua marca, nasceu da possibilidade de unir natureza, arte e moda, eternizando flores e outros elementos naturais de forma respeitosa e os transformando em acessórios e peças de decoração. Seu maior sonho é integrar sua arte à ferramentas de auto conhecimento e autoestima, para auxiliar cada vez mais no bem estar e no empoderamento de mulheres.

Marah Silva

Marah Silva
estilista, consultora de imagem estilo, figurinista e consultora de empreendimentos

Marah Silva, mãe, casada, estilista, consultora de imagem estilo, figurinista e consultora de empreendimentos. É formada e profissionalizada através do projeto social Incubadora Afro Brasileira, patrocinado pela Petrobrás, premiada no festival de Cinema Tamoio em 2018 como melhor figurino no filme "A Jornada" (Afro futurista). Seu Ateliê fica na Lapa, RJ, onde recebem os clientes para bate papo e mini palestras com o tema "falando de nós". Atualmente, além do Ateliê, trabalha no projeto "Minha Casa Minha Vida", dando oficinas de costura, reutilização e empreendedorismo nas comunidades do Caramujo, na Região Oceânica. Empodera através da informação com a sua arte, qie consiste em fazer moda conceitual, levando liberdade para ser e estar, usando a informação como ferramenta principal. "'Ser e estar do seu jeito"

Marceli Jordão

Marceli Jordão
Apimentada Carioca

Marceli Jordão, hoje moradora de Itaipu, em 2012 abriu a Apimentada Carioca, a primeira boutique sensual após a pacificação no Complexo do Alemão, na comunidade onde nasceu. Seu intuito era levar sensualidade sem vulgaridade e renda extra, através da revenda dos produtos da loja para as mulheres da comunidade. Hoje, através do projeto "Dicas pra Dois", trabalha com consultoria de saúde intima e sexual através das redes sociais e presencialmente. Sua missão é para que todos tenham saúde com prazer e prazer com saúde, deixar a mulher empoderada nos seus relacionamentos e conscientes da sua sexualidade.

Marcia Clementina Cabral

Marcia Clementina Cabral
Scolini

Márcia Clementina criou a marca Scolini para mulheres que gostam do diferencial, mas não abrem mão do conforto. A linha de calçados e acessórios são produzidos artesanalmente. Sapatilhas em material (sintético) trazendo o conforto e elegância, e sandálias em tiras de tecidos (microfibras), coloridas com alegria do nosso país, e também uma linha de acessórios (bijuterias), produzidas em alumínio.

Maria Chantal Francisco

Maria Chantal Francisco
produtora de moda, web designer e designer gráfico

Maria Chantal é natural de Luanda, Angola. Reside no Brasil desde 2000. Formada em rodução de moda, web design e Design Gráfico atua em sua própria marca de moda, direcionada a enaltecer a auto-estima de mulheres negras, através de frases e símbolos que fazem conexão com conhecimentos históricos africanos.

Maria Julia Muri

Maria Julia Muri
técnica química e assessora em Babywearing

Maria Julia, Maju, mora na Zona Oeste do Rio de Janeiro. É mãe de 2 filhos, técnica química na UFRJ e estudante de Ciências Matemáticas e da Terra e assessora em Babywearing. Na gestação do filho mais novo, se apaixonou pela arte ancestral de carregar bebês no pano e a aprendizagem se iniciou ainda com seu filho João Davi, na barriga, que já saiu da maternidade no sling. Participou de diversas oficinas e encontros de Babywearing para trocar experiências com outras mulheres, tanto sobre amarrações, tecidos e modelos quanto sobre a importância que o sling tem para a exterogestação e autonomia da mulher no puerpério, além da importância do contato para o desenvolvimento da psiquê dos bebês. É assessora em Babywearing pela escola Bebê no Pano, curso realizado no primeiro semestre de 2018. Trabalha difundindo o Babywearing nas redes sociais, nas assessorias individuais, oficinas coletivas e revenda de carregadores de bebê ergonômicos. Seu sonho é que o Babywearing atinja todas as mulheres e famílias em todos os setores da sociedade favorecendo a criação de vínculo entre mãe e bebê, trazendo mais contato, conforto e autonomia.

Maria Patricia Moura

Maria Patricia Moura
Maré Faz Arte

Maria Patrícia, carioca filha de nordestinos, criada e residente no Complexo da Maré. Trabalhou 15 anos numa gráfica e 14 anos na área da saúde (também na Maré), mas sempre conviveu com o artesanato que sua mãe fazia, para ajudar na construção da casa e estudo dos filhos. Foi coordenadora de um Projeto de Economia Solidária na Maré, formando 180 alunos. Logo após, criou o Maré Faz Arte, grupo de artesãos que expõe seus trabalhos em eventos e feiras, além da troca de materiais de trabalho no modo escambo, conhecimentos e fortalecimento da cultura. Trabalha com a promoção do respeito ao meio ambiente, reciclando e socializando a forma de ajuda de custos para as famílias. Seu objetivo é mostrar o artesanato como inclusão social, saúde mental e motora, descobrir novos artistas e promover fonte de renda familiar, mostrando o talento e a criatividade do brasileiro.

Marília Gabriela Silva

Marília Gabriela Silva
Terapia CapilAr

Marília Gabriela, negra, é moradora da Baixada Fluminense. Publicitária e Jornalista de formação. Atualmente Tricoterapeuta,especialista em cabelos: crespos, afro, cacheados, afros. Especialista em design de corte pela de Deva Curl do Brasil, começou no ramo através de um projeto da própria Deva Curl, que tinha como objetivo especializar mulheres ou quem tivesse interesse em trabalhar com cabelos cacheados. Desde então a necessidade de aprofundamento na ciência que tange o cabelo e couro cabeludo se fez necessário para buscar certos entendimentos desconhecidos pela população afrodescendente, desde tratamentos dos fios a patologias relacionadas dos mesmos. Atua há 8 anos no mercado e hoje tem um espaço Especializado em Terapia CapilAr Intensivo, conta também com especialidades multidisciplinares: Estética , Nutrição , Terapia Holística. Segundo ela, a população negra na grande maioria não tem o hábito do autocuidado, e em contrapartida os espaços para isso são poucos ou não existem, e por isso entende que sua intenção com o seu trabalho é resgatar o autocuidado e acolher seu público com toda sua propriedade gerada pela experiência e o amor no que faz, além da prática também realiza palestras com foco na promoção da saúde capilAr nas escolas, creches, ONGs, e é voluntária na ONG Caritas no RJ, cooperando com xs refugiadxs cabeleireirxs com orientação de biossegurança, e orientadora capilAr da Crespinhos SA.

Marrytsa Mendonça

Marrytsa Mendonça
Mestre em Estudos Contemporâneos das artes

Marrytsa Melo, artista visual, educadora e editora. Em 2014 fundou a nano editora para realizar publicações independentes com pequenas tiragens com soluções manuais, explorando as possibilidades da arte impressa através de zines, livros de artista e fotolivros. Mestre em Estudos Contemporâneos das Artes pela UFF, pesquisa as relações entre o corpo e o espaço em diferentes linguagens e mídias.

Marta Cristina de Souza

Marta Cristina de Souza
Moda Tae

Marta Cristina Santos de Souza, formada em Letras, mora no município de São Gonçalo, no estado do Rio de Janeiro. Sempre gostou de aprender técnicas artesanais, incentivada pelas criações de sua mãe. Depois de passar por um período difícil em sua vida, encontrou no artesanato uma grande força para levantar a sua autoestima e sentir-se produtiva novamente. Trabalha com tingimento artesanal, usando a técnica de Tie Dye. Em 2015 criou a marca Moda Tae, produzindo acessórios exclusivos e também étnicos, encantando a todos com as cores vibrantes, originalidade e o carinho com que produz cada peça. Moda Tae – “Tingida só para você!"

Mônica Bastos

Mônica Bastos
POPULAR ENGLISH

Mônica Bastos é professora, coordenadora e diretora pedagógica, educadora, e uma eterna entusiasta com o aprendizado do Inglês de forma natural, espontânea e leve. Formada em Letras pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e com os certificados de proficiência na língua inglesa: TESOL Certificate (School of International Training,Vermont) e Oxford’s Teacher Academy (University of Oxford). Já possuía 20 anos de experiência no Ensino de Língua Inglesa em colégios e cursos tradicionais do Rio de Janeiro, quando decidiu abrir o POPULAR ENGLISH, no Centro, com o objetivo de tornar o ensino de inglês acessível a todos, com preços populares, mas sem abrir mão da qualidade. Atualmente, o POPULAR ENGLISH é conhecido como o curso que está democratizando o ensino de inglês no Rio de Janeiro, e está ajudando muitas pessoas em suas carreiras profissionais e acadêmicas, considerando que o inglês é um diferencial bastante requisitado no mercado de trabalho.

Monica Mattos de Oliveira

Monica Mattos de Oliveira
educadora social e artesã

Monica Mattos de Oliveira, educadora social, mora no município de Niterói, no Rio de Janeiro. Sempre gostou de estar envolvida com o artesanato, organizando feiras, coordenando grupos de artesãos, incentivando o empreendedorismo e orientando para melhores condições de exposição e valorização dos seus trabalhos. Há 2 anos se encantou pela técnica japonesa de amigurumis, que cria bichos e bonecos em crochê. Hoje faz doações mensais de polvos terapêuticos para recém-nascidos em hospitais e também confecciona peças em crochê para instituições que abrigam idosos e crianças. Seu lema é "quando temos foco, vencemos".

Monique Souza

Monique Souza
fundadora da Afrontosa e cofundadora da RAP - Rede de Afro Profissionais

Monique Silveira Souza, carioca e moradora do Méier. Engenheira Mecânica, há 2 anos fundou a Afrontosa, uma marca de papelaria que tem como missão fortalecer e enaltecer a beleza do povo preto através da arte. Além disso, é cofundadora da RAP - Rede de Afro Profissionais, negócio de impacto social que atua com recrutamento com foco em inclusão racial. Sua atuação é focada sempre em empoderar outras mulheres negras profissionais.

Mulheres da Vila

Mulheres da Vila
artesãs

A Associação Mulheres da Vila, começou em 2006, formada por 52 mulheres de 5 favelas da Região Metropolitana de BH. É um espaço para a defesa dos direitos humanos, o resgate da autoestima, a formação da cidadania, a luta contra violência e a exclusão que as mulheres sofrem, o trabalho artesanal, a consolidação de valores importantes para a defesa da vida segundo o espírito da Economia Popular Eco Solidária e a construção de um outro mundo possível, que começa em nossas pequenas comunidades. O grupo trabalha reciclando retalhos de malha e tecidos, que seriam destinados ao lixo, para confecção de peças de vestuário e acessórios bordados artesanalmente e a mão. É um bordado livre que resgata a arte, a memória e a força das nossas ancestrais afro e indígenas. Tudo que produzem e comercializam é repartido com justiça entre todas. Em suas trajetórias, têm a participação significativa no Fórum Metropolitano de EPS, da Coordenadoria Municipal dos Direitos da Mulher (COMDIM) e da MMM (Marcha Mundial das Mulheres).

Natana Magalhães

Natana Magalhães
Aquilombar

Natana Magalhães é afroempreendedora, cantora e compositora no grupo músico-ativista Som de Preta e historiadora. Nasceu e mora numa comunidade em São João de Meriti, Baixada Fluminense. Idealizou a marca Aquilombar como meio de ganhar sua autonomia financeira e de trabalho. Embora a caminhada não seja fácil, acredita numa economia com solidariedade, coletividade e afeto. Ela aprendeu e desde então confia que: “Quando as mulheres negras avançam, avança consigo toda uma comunidade”. Seu trabalho também é uma forma de militância e um desafio. Suas peças são criadas pensando a estética e representatividade de pessoas negras. Com preços acessíveis, acha que pessoas de baixa renda também devem ter a oportunidade de consumir um produto que tenha a “sua cara”.

Natascha Azeredo

Natascha Azeredo
Sereiyá

Natascha Azeredo, arquiteta de formação e encadernadora de coração. Tem dois filhos, o Iago de 8 anos e o Théo de 2 anos. Sua paixão pelo papel e tecido começaram em 2014 como “plano B”, quando saiu da empresa em que trabalhava. Na época fez cadernos para presentear sua família no Natal, mas fez tanto sucesso que acabou impulsionando a prosseguir e fazer mais cursos. Além da paixão, no momento tinha um cenário pouco favorável na sua área de atuação e, aliado a isso, chegou o seu segundo filho. Nesse momento de sua vida, ela queria fazer diferente, queria estar mais presente e não trabalhar fora 12/14h por dia. Queria fazer parte do dia-a-dia deles, então a Sereiyá passou a ser seu “plano A”. Hoje é o que a impulsiona a fazer mais, aprender e investir em novas técnicas. Atualmente, além da encadernação, trabalha com cartonagem e começou a programar alguns cursos.

Nathalie Ribeiro

Nathalie Ribeiro
Bons Ventos

Nathalie Ribeiro é assistente social, nascida e criada num bairro do interior de Duque de caxias. Começou a fazer caderno para presentear amigos e amigas, e hoje tem a encadernação como uma profissão. Sem uma oportunidade de trabalho em sua área de formação, viu na encadernação uma forma de sobreviver nesses últimos tempos. Filha de costureira, reaproveita todo e qualquer tipo de material para fazer seus cadernos, desde os retalhos de tecidos a qualquer tipo de papel que brota pelos caminhos. Assim nasce os Bons ventos!

Nina Teles

Nina Teles
fundadora do espaço colaborativo Casa Gaia e criadora do #365semroupasnovas

Nina Telles é fundadora do espaço colaborativo Casa Gaia desde 2015 e criadora do #365semroupasnovas, formada em administração industrial e com MBA em Finanças pelo IBMEC. Designer Social para Sustentabilidade com mais de 10 anos de experiência trabalhando com administração/finanças, estratégia e projetos colaborativos em rede. Atua como facilitadora gráfica para reuniões e cursos, além de ser terapeuta holística. Segundo ela, “unir arte e cura é o amor que pode dar ao mundo”. Estará conosco no evento pela Casa Gaia em versão "pocket", de bolso, unindo sua lojinha colaborativa com atendimentos individuais de bem-estar e cura.

Nós, as Poetas!

Nós, as Poetas!
literatura

É um coletivo que gera a publicação independente de Jornalzines temáticos, fruto da iniciativa de mulheres escritoras do Rio de Janeiro. Organizadas desde 2016, acreditam na revolução por meio da arte e das construções coletivas. Na poesia encontraram uma forma de expressão. Construindo encontros e publicações para a produção de mulheres, dialogam no sentido de potencializar a produção intelectual de mulheres em consonância com a arte de rua e a cultura de fanzines.Esperam compartilhar e desconstruir a lógica hegemonicamente patriarcal e machista do dia a dia, na divulgação e reflexão acerca dos papéis que desempenhamos enquanto seres sociais intimamente interessados em uma lógica de vida menos estigmatizadora, não mais pautada em dominação por gênero e classe.

Pamella Lessa

Pamella Lessa
Lallés Bordados

Pamella Lessa é terapeuta holística e empreendedora. Há 15 anos se dedica à busca do equilíbrio através da natureza. Quando criança, gostava de dormir em árvores e ler as mensagens das folhas que caiam delas. Há um ano, herdou de sua avó, as linhas de bordado que eram dela, começou a sentir necessidade de reafirmar suas raízes e fortalecer o que sempre foi sagrado: a natureza. De forma intuitiva, aprendeu sozinha a bordar e dessa forma nasceu a Lallés, acessórios bordados a mão e boa energia com inspiração, na natureza, na mulher e no divino.

Paola Alfamor

Paola Alfamor
artista polimorfa

Paola Alfamor é uma artista polimorfa que, através de suas experiências e sensibilidade ativa, dá vida a reflexões sobre a consciência natural, essa que busca o despertar de um instinto coletivo e interior expansivo. Seu trabalho se expressa por meio de diferentes técnicas e suportes: pinturas e desenhos em papéis e muros; na fotografia e no audiovisual; na pele com sua “tatuagem-transcendental” que refere-se a um ritual de tattoo feito ponto-a-ponto com cristal onde soma a sua arte as terapias alternativas que também exerce, como reiki e cristaloterapia; e também como compositora. Suas criações envolvem inspirações místicas, sobre o tema do feminismo e sagrado feminino, sobre a natureza e o cosmos, assim como questões sociais urgentes.

Patrícia Braga

Patrícia Braga
Criações da Pat

Patrícia Braga é artesã e empreendedora da Criações da Pat. Começou a fazer artesanato por hobby e após não ter conseguido recolocação no meio corporativo, passou a investir no negócio. Hoje é feliz produzindo peças personalizadas e diversos mimos para clientes queridas.

Priscilla Mina

Priscilla Mina
Editora Conexão 7

Priscilla Mina mora na Zona Norte do Rio de Janeiro, é pedagoga e formada em Letras (Português/Literatura). Há um ano abriu, junto aos seus irmãos, a Editora Conexão 7, que está como presidenta. Sua editora tem como filosofia e missão proporcionar todo protagonismo possível ao escritor(a) negro(a) e a todos que não possuem condições.

Rafaela Feitosa

Rafaela Feitosa
Costureira

Rafaela Feitosa, nasceu, cresceu, se criou e mora no complexo da Maré, Rio de Janeiro. Após trabalhar em diversas fábricas no ramo de costura, encontrou-se na fabricação de bolsas e resolveu montar seu próprio atelier (em casa mesmo). Ela desenvolve peças que atendem às necessidades do dia-a-dia até peças chaves num look (festa chic ou balada), sempre atenta à reciclagem consciente, produzindo novas peças com as sobras, agradando todas idades e gostos. Rafaela tem ainda um sonho de ensinar costura básica a outras pessoas da sua comunidade, dando dicas básicas de como recuperar uma peça, transformando, recriando. O seu lema é: "A vida muda na proporção da sua coragem”.

Raquel Vargas

Raquel Vargas
Kemet Arts

Raquel Vargas, mãe, designer e artesã, criou a marca Kemet Arts como um resgate da ancestralidade através da arte manual. A Kemet Arts utiliza como matérias-primas elementos naturais como sementes, conchas, búzios, bambu, pedras, fibras, madeiras e elementos amazônicos, tecendo criações que ajudam a contar a história de um povo, seu imaginário, sensações e desejos, manifestos como peças de um mosaico que, uma vez reunidas, traduzem sua ancestralidade. Da energia de quem cria para uma sinergia com quem compra, essa grande troca ganha dimensões surpreendentes e sensíveis, que faz da jóia um bem que protege e reflete o brilho pessoal de quem a usa.

Rayane de Lima

Rayane de Lima
Instituto Vamos Viver

Rayane Lima,nascida na zona oeste do Rio de Janeiro, empreendedora desde os 19 anos, tentou trabalhar no mercado convencional, mas viu que não era o que queria. Então, resolveu criar a própria empresa. Em 2017, ela e a sua irmã Rayza, desenvolveram o Instituto Vamos Viver, após Rayza passar pelo câncer de ovário. O Instituto tem como objetivo levar qualidade de vida para mulheres que passaram ou que estão passando pelo câncer, dando suporte emocional, estimulando o empreendedorismo e fazendo a conscientização sobre o câncer através da cultura, mostrando para as pessoas que elas não precisam passar pelo câncer para valorizar a vida. Hoje em dia, ela vive daquilo que realmente acredita que é ajudar as pessoas a serem mais felizes sendo ela mesma.

Regina Mostavenco

Regina Mostavenco
artesã

Regina Mostavenco de Oliveira, carioca e moradora da Zona Oeste, costumava trabalhar com contabilidade, mas seu interesse por artesanato a fez deixar o emprego para se dedicar as flores. Desde então, está há mais de 20 anos trabalhando com arranjos florais e outros materiais. Somente depois que venceu o vício da bebida - há 5 anos atrás - começou a levar a sério a profissão; passou a ser MicroEmpreendedora Individual (MEI), participar de feiras de artesanato e agora estará conosco nesse Festival potente, WOW! Seu sonho além de querer ver seu trabalho por todo o Brasil, é ajudar outras mulheres a tomarem consciência de sua capacidade e valor. Ser quem acolhe e não quem escolhe.

Renata Carvalhal

Renata Carvalhal
Ateliê Renata Carvalhal - Bijuterias Artesanais e Autorais

Renata Carvalhal, brasileira, casada, mãe do João Vitor – que é o seu orgulho! Formada em Turismo e Hotelaria. Trabalhou 23 anos no setor formal, comércio. Há um ano decidiu criar o Ateliê Renata Carvalhal - Bijuterias Artesanais e Autorais, por acreditar que devemos trabalhar com que nos motiva, nos dá prazer e nos faz feliz! Sua sensação e inspiração é: “Quando vejo o brilho nos olhos das clientes, me dá uma alegria enorme e a certeza de que estou no caminho certo".

Renata Ciannella

Renata Ciannella
Estúdio Criativo Ipê

Renata Ciannella, carioca, bacharel em Direito, artesã da reciclagem e instrutora do projeto “Transformando Pallets”, que é um curso de Marcenaria exclusivo para Mulheres e com foco em sustentabilidade e empoderamento feminino. Impulsionada pelos desejos de criar e transformar, nasceu o Estúdio Criativo Ipê, uma linha de móveis e objetos funcionais produzidos com material reciclado.

Renata Souto

Renata Souto
Espaco Mamífera

Renata Souto é mãe de três crianças, agrônoma, aromaterapeuta e doula. Militante do parto humanizado e da agroecologia, atuou em ONGs e participa do Grupo de Trabalho de Mulheres da Articulação Nacional de Agroecologia. Empreendedora e fundadora do Espaço Mamífera onde divulga e gera renda desde 2011 a partir da rotina com os filhos, do uso das plantas medicinais, das fraldas de pano e da vivência com o parto humanizado e a maternidade consciente. Fabrica chás mistos, cosméticos naturais, sabões, óleos e produtos que facilitam o cuidado natural e a saúde integral de mulheres e crianças. As ervas utilizadas são plantadas por ela e adquiridas em áreas de procedência conhecida, onde tem estabelecido relação de reciprocidade com mulheres agricultoras com base na agroecologia e na economia solidária. Ela revende fraldas de pano modernas e acessórios, slings, óleos essenciais e também dá cursos de aromaterapia e fitoterapia para os ciclos femininos.

Rosalina de Brito

Rosalina de Brito
ilustradora, artista plástica, escultora, ceramista, jornalista, poeta e produtora cultural

Rosalina Jesus de Brito, ilustradora, artista plástica, escultora, ceramista, jornalista comunitária, poeta, produtora cultural, faz grafites. Reconhecida pela FLUPP, se descobriu escritora e escreve contos, tirando de sua memória momentos lindos que viveu, registrando para que nunca esqueça deles, pois dos tristes, nem quer lembrar. Sonha em mudar o mundo e diz que começou por ele, sendo um caso de superação incrível. É mãe, bisavó, tem 50 anos e é moradora da Cidade de Deus, onde é uma militante por sua comunidade.

Rose Lourenço

Rose Lourenço
SEMENTE CRIOULA

Rose Lourenço, mulher negra, Assistente Social e Empreendedora de Moda, nascida e moradora do estado de São Paulo, participou de um projeto social de costura básica. Em 2017 nasceu a SEMENTE CRIOULA - Jeito Meigo de Vestir crianças e jovens, trabalhando para reunir o que há de qualidade em Africanos para crianças. Hoje está se tornando uma pulverizadora de ideias e, com isto, ampliando horizontes para venda de tecidos africanos e moda adulta. Assim, a Semente Crioula esta germinando também o NOUBI YÔYÔ - ROUPARIA, que ainda está em construção.

Roserene Fernandes

Roserene Fernandes
artesanato, aromaterapia e fitoterapia

Rose, moradora de Guaratiba no Rio de Janeiro, sempre trabalhou na área administrativa e de maneira informal. Trabalhava com artesanato. Em 2008, fez um curso de extensão em Homeopatia no Sindicato Rural de Campo Grande e várias janelas se abriram para as terapias complementares. Começou a fabricar produtos para o cuidado do corpo e da mente fazendo uso da aromaterapia e da fitoterapia. Atualmente, faz parte da Economia Solidária na qual frequenta um circuito de feiras de artesanato e pratica com seus clientes as terapias alternativas, tentando orientar e esclarecer sobre essas práticas. Seu sonho é ter um espaço na qual pode receber essas pessoas e montar um laboratório artesanal para fabricar suas tinturas, cremes e elixires. Se inspira na seguinte frase cantada por Cazuza: “o teu futuro é duvidoso, eu vejo grana eu vejo dor, quem vem com tudo não cansa, Bete Balanço, por favor, me avise quando for a hora.”

Rosilene da Silva

Rosilene da Silva
Leninha Artes

Rosilene, nascida e criada em Sepetiba na Zona Oeste do Rio de Janeiro, iniciou seu trabalho com filtro dos sonhos. Quando a relação conjunto trabalho-casamento com o marido ficou desgastante, saiu da sociedade em prol de seu bem estar, e então, encontrou a oportunidade de se empoderar através de seu artesanato. Estudou o contexto dos filtros e descobriu que, segundo os nativos norte americanos, são objetos de harmonização de ambientes. Fez alguns para decorar sua casa e seus amigos e familiares gostaram tanto que começou a fazer encomendas deles. Encontrou mulheres que trabalhavam com artesanato, mas não tinham onde comercializar seus produtos, formando assim, uma rede de artesãs que comercializavam seus produtos em feiras de artesanato da economia solidária do Rio de Janeiro. Atualmente, é coordenadora da rede Sepetiba e artesã em seu empreendimento Leninha Artes. Um de seus objetivos é unir e fomentar mulheres a serem capazes de tornarem-se independentes.

Sandra Lima

Sandra Lima
Brechó Rosa

Sandra Lima é uma produtora cultural independente, carioca, filha de uma nordestina e um português. Aos 9 anos de idade começou a apresentar seus muitos dons artísticos, esculturas de barro, desenhos, contos e poemas. Em Jacarepaguá, zona oeste do Rio, onde marca sua trajetória como produtora cultural independente, começa a produzir e realizar espetáculos teatrais, eventos e concursos de dança. Em 1999 foi apresentada a Leandro Firmino da Hora que seria seu grande incentivador. Seu primeiro vídeo, foi o documentário “ A Mulher Guerreira” em 2006, que contava a trajetória de mulheres valentes, cada uma enfrentando um tipo de drama, mostrando superação e garra. De 2011 a 2016 fez oficinas de roteiro, produziu 3 documentários, 15 curtas, 1 longa, e participou de projetos com cineastas internacionais. Em 2017 atua como diretora de "Caminho das Pedras", documentário sobre a diversidade cultural de Rio das Pedras e, atualmente, mora no Morro da Conceição. Sua ideia como empreendedora inicialmente era gerar renda para sua sogra, idosa e com problemas de saúde, mas incluí-la no empreendimento e criando uma ponta de socialização dela com as clientes na sua própria casa, por isso, criou o Brechó Rosa. Além disso, Sandra também entende que o brechó é uma prática de sustentabilidade, reuso, reaproveitamento, e é bom para o orçamento mensal e para o planeta também, porque cria a possibilidade de arrecadar fundos para um projeto social, que apoia o Museu do Negro.

Sandra Regina Bueno

Sandra Regina Bueno
artesã

Sandra Regina Bueno é nascida no Rio de Janeiro e residente no município de São Gonçalo. Faz artesanato desde de muito jovem porque sempre gostou, mas já passou por várias atividades desde manicure a doceira, alguns foram frutos de seus cursos no Senac. Passou um tempo fora do Brasil e no seu retorno, precisava ter uma renda, então começou a pôr em prática este dom maravilhoso que é criar artes. A partir disso, começou a fazer bonecas negras e ficou encantada com esse tipo de trabalho, começando, assim, a fazer cursos para aprender mais e empreender também. "Costumo pensar que tem sonhos grandes para suas bonecas”, por isso já estão em várias partes do mundo através de clientes e seu desejo é poder exportar, por isso a cada dia, procura se aperfeiçoar cada vez mais. Ama o que faz e crê sempre que seus sonhos serão realizados. Seu lema não é dizer que não vai conseguir, e sim que vai conseguir e, no final, vai cantar o hino da Vitória que é: “ser mulher, guerreira, amada e vitoriosa.”

Saúda Brechó

Saúda Brechó

O Saúda Brechó nasceu no subúrbio do Rio de Janeiro, em Campo Grande, na Zona Oeste. Foi idealizado por duas jovens negras e atuantes nos movimentos sociais: Ingrid Nascimento (professora de História, pós-graduanda em Ciências Sociais e Educação Básica, diretora do coletivo negro Waldir Onofre) e Taiane Fernandes (designer de moda, costureira profissional e influenciadora digital). O nome Saúda, que tem origem africana, significa beleza negra. E é justamente isso que elas querem enfatizar, além de influenciar outras mulheres que se interessam por moda de uma maneira política e social. As empreendedoras focam as pautas do negócio no empreendedorismo negro, feminino e politicamente engajado. Sua filosofia a partir da ideia de brechó é que a compra além de acessível, possa ser vista como um ato político. Assim é a essência do Saúda Brechó: uma iniciativa voltada para a moda sustentável e consumo consciente, que busca o empoderamento das mulheres considerando o viés étnico como principal motor.

Silvania da Fonseca

Silvania da Fonseca
Tramas do Porto

Silvania da Fonseca é fundadora da grife Tramas do Porto, moda autoral temática, que aventura contar história da pequena África através de bordados á mão. No lançamento da grife, em 2010, realizou um grande desfile na Pedra do Sal, ação colaborativa que contou com a participação de várias mulheres empreendedoras. Em seguida, realizou uma intervenção no Museu de Arte do Rio (MAR), com as Mulheres do Porto com rodas de conversas e performances. Hoje o projeto tem de 8 oito mulheres empreendedoras que se sustentam com a grife.

Silvania Meire de Deus

Silvania Meire de Deus
Ateliê da Sil

Silvania de Deus assina a criação e coordenação do Ateliê da Sil. Sil é um modo carinhoso como as pessoas a conhecem e o ateliê é seu lugar de trabalho, localizado na Praia de Iracema, em Fortaleza, onde há 20 anos elaborou e produziu suas invenções. Segundo ela, suas composições são um modo de nos sentirmos mais bonitas, um modo de sentir no corpo feito roupa. Cada roupa produzida no Ateliê passou por suas mãos e, cuidadosamente, acompanha todo o processo, desde a pesquisa de material, à criação das modelagens, à montagem e ao acabamento das peças. As roupas que produz são inspiradas nas mulheres que veste, as modelagens do Ateliê da Sil são acolhedoras da diversidade de corpos, estão atentas às sutilezas do espírito e celebram a beleza singular de cada uma de nós.

Sueli Ferreira

Sueli Ferreira
SU`ARTES

Sueli de Freitas Peregrino Ferreira, carioca, moradora da zona norte do RJ, graduada em Administração de Empresas, sempre produziu e vendeu seu artesanato. Foi uma das Fundadoras da ONG Projeto Luz (hoje extinta), onde ministrava aulas de artesanato para as mães e crianças da comunidade no entorno da sede e crianças especiais de outras comunidades. Hoje expõe seu material através da Economia Solidária. Seu sonho é ampliar negócio, multiplicando ideias e saberes, possibilitando assim a formação de uma atividade que poderá transformar-se em novas formas de rendas para outras mulheres, além de despertar a descoberta e o desenvolvimento de suas potencialidades.

Tânia Fausto

Tânia Fausto
SISALEWA LEWA

Tânia Fausto é a primeira da família (materna e paterna) que chegou a Universidade na sua geração e tem orgulho em dizer que influenciou a seguinte. Historiadora, sempre buscou resgatar a importância da contribuição negra na formação da sociedade brasileira, profissional que atuou na Educação Profissional EJA como docente-pesquisadora; gestora educacional de programas e projetos; formuladora e executora de projetos socioculturais e desenvolvimento local; representa um coletivo de mulheres empreendedoras que atuam em favelas, espaços e eventos sociais/culturais de Multilinguagem no Rio de Janeiro. Por ações e consequências de posicionamentos, precisou buscar novas formas econômicas. Hoje, representa a SISALEWA LEWA, negócio social que encontra na moda um dos espaços sociais em que os indivíduos conseguem exercer sua liberdade e sua maneira crítica de enxergar o mundo, que é o resultado do desejo de afirmação de uma personalidade que cada ser possui.

Tarrya Delcastanhel

Tarrya Delcastanhel
Atelier Melancia Vintage

Tarrya Delcastanhel, nascida em São Paulo e moradora de Maricá, reside no Rio de janeiro há 18 anos. Com um filho que possui necessidades especiais, Tarrya teve que sair do emprego para dedicar seu tempo aos cuidados do filho, criando assim, o Atelier Melancia Vintage. A ideia surgiu há 8 anos com a visualização das sobras de tecidos que iam para descartes inapropriados das confecções de roupas, que poderiam se transformar em artesanato. Dessa froma, cirou sua principal fonte de renda. Seu trabalho carrega como missão chamar atenção para a alta e significativa poluição ambiental, devido à indústria têxtil. Pretende incentivar o reuso de materiais, estimulando práticas sustentáveis e que respeitem o meio ambiente, fazendo jus ao nome do seu empreendimento que aproveita desde a casca, ao caroço e ao interior da melancia.

Tatiana Brandão

Tatiana Brandão
Tati Brandão Consultoria em Desenvolvimento de Liderança

Tati Brandão é consultora e idealizadora do projeto de desenvolvimento de liderança direcionado às mulheres negras. Sua empresa é a Tati Brandão Consultoria em Desenvolvimento de Liderança, no Rio de Janeiro. Designer de Interiores por formação, é também educadora social, analista comportamental, palestrante e coach. Atua como mentora voluntária na ONG Assessoria Planejamento e Desenvolvimento - ASPLANDE e na Educação Cidadã para Afrodescendentes e Carentes no Rio de Janeiro – EDUCAFRO Rio. Mora em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, mãe de dois filhos, filha de um mecânico gráfico e de uma merendeira, é também coautora do livro “O Poder do Afroempreendedor”. Sua biografia fez parte da Exposição Mulheres Negras Brasileiras: Presença e Poder 2017, na Universidade Estadual de Nova York em New Paltz.

Tatiane Oliveira

Tatiane Oliveira
NIA

Tatiane Oliveira, desde 2015 se propôs a estudar e moldar um projeto/negócio literário, que viesse ao encontro daquilo que acreditava e que de alguma forma pudesse contribuir para o resgate da autoestima e protagonismo do público negro. Após pesquisa e observação de certa carência comercial (publicações), e de acesso (divulgação e difusão) dos livros infantis e juvenis com abordagens africanas, cultura negra e temas sociais/ ambientados em periferia, surgiu a NIA. O projeto tem como seu principal foco proporcionar às crianças e aos jovens um encontro prazeroso com a literatura. Tatiana acredita que através de um diálogo sensível com a literatura, o jovem leitor pode ampliar sua compreensão de mundo sobre as diversidades racial e social, ainda presentes em nossa sociedade, dentro e fora da escola. Seu maior objetivo, que não é utópico, é a construção de uma sociedade mais igualitária e mais respeitosa com as diferenças, sem racismo.

Thais Santana

Thais Santana
Brechok

Thais, do extremo oeste da capital de SP, estudante de serviço social, resolveu unir a ideia de consumo consciente ao apreço pela moda 'vintage' para driblar a famigerada crise, criando o Brechok. O brechó surgiu há pouco mais de 1 ano e tem como conceito a busca por peças únicas, de diversos estilos, que percorrem desde jeans oversized dos anos 90 à cores e estampas vibrantes dos anos 80. Se preocupa também em ressaltar a importância da variedade de tamanhos para atender a demanda de todas as pessoas e seus diferentes corpos.

Thayná Trindade

Thayná Trindade
7 mulheres

Thayná Andrade é moradora do subúrbio carioca, estudante de psicologia e militante feminista. Há um ano resolveu transformar a sua militância em arte, introduzindo no cotidiano ideias de liberdade feminina e respeito que dizem muito sobre a força que mulheres tem na sociedade. Para isso, criou a marca Sete Mulheres. Camisas com dizeres feministas, que divulgam ideias, carregam a potência da mobilização social em prol a vida, direitos e força das mulheres. Inspirada pelas suas ancestrais, pela atualidade do movimento feminista e pelo futuro que queremos deixar à meninas, jovens, idosas e à toda uma sociedade. Sete mulheres pretende vestir cada dia mais mulheres com ideias potentes e revolucionárias.

Valdeci de Oliveira

Valdeci de Oliveira
Hella – Acessórios Étnicos

Valdeci Félix de Oliveira, nascida no interior de Pernambuco, mora há 6 anos em Paulista, cidade da região metropolitana do estado. Mãe, avó, mulher, feminista negra, militante da Rede de Mulheres Negras de Pernambuco, fotógrafa há mais de 30 anos, há dois anos encontrou no artesanato um caminho para complementar sua renda e sem querer fortalecer sua militância com mulheres negras. Idealizou a Hella – Acessórios Étnicos, que trouxe novos sentidos para a sua vida, pois uniu a militância e a estética dos seus acessórios, que embelezam, enaltecem e empoderam seu público feminino. Com a comercialização de acessórios femininos produzidos com tecido africano, tem como missão e inspiração fazer seu produto alcançar o maior número de mulheres possíveis, a fim de fortalecer com a sua militância e charme, traduzidas nos acessórios da Hella.

Vall Neves

Vall Neves
Varal

Vall Neves é criadora da Varal, que existe há 10 anos e traz acessórios da linha Afro Contemporâneo, com cores étnicas e peças montadas com exclusividade. Sua preocupação com o empreendimento é resgatar a cultura do gueto e da dança Afro. A essência da Varal é a afirmação de beleza de homens e mulheres que carregam muita atitude.

Vanessa Machado

Vanessa Machado
Mira Lab

Vanessa Machado é formada em design e desde sempre se interessou pelo processo de construção das roupas. Trabalhou com figurino, em confecção, projetos sociais e ateliê de noivas, porém, em 2017, ganhou mais protagonismo quando ganhou um edital de incubadora de moda e a partir disso, criou a sua própria marca, Mira Lab. A essência do seu empreendimento traz marcas atemporais e urbanas, cujo conceito surge de um estilo/proposta de vida subjetiva transformado em silhuetas, recortes, linhas e cores. Sua troca de coleção acontece de forma orgânica, então não tem tempo de duração determinado. Com os retalhos maiores, Vanessa desenvolve peças únicas utilizando a técnica de Moulage, peças que se misturam à pequena produção. Com os retalhos menores, tece, trama, torce, criando interferências têxteis nessas peças únicas que ampliam o significado da coleção. Sua proposta de moda é reconhecer a tendência particular de cada um e vestir os sentidos.

Vania Soares

Vania Soares
Atelie Ms. Vee.

Ms. Vee, aliás Vania Soares, trabalha com estilo, figurino e design em acessórios desde 2000. Sua primeira exposição, intitulada “Mulheres Guerreiras”, que se realizou em setembro de 2002 no Centro Cultural Carioca RJ, lançou o conceito que viria a ser a linha-mestra do seu ateliê: “bijuterias para vestir”, unindo biju e roupa numa mesma peça. O ateliê tem como proposta principal a criação de roupas multifuncionais e atemporais, peças com versatilidade, atemporalidade e sustentabilidade. O “Projeto Tramas femininas” do ateliê tem o objetivo de ensinar mulheres a arte de construir moda através das tramas, contribuindo assim com um novo oficio e mão-de-obra qualificada com geração de renda.

Vilma Barbosa

Vilma Barbosa
artesã

Vilma Teresinha Barbosa tem 55 anos, é natural de São Paulo, vive no Rio de Janeiro e trabalha com o seu artesanato há 22 anos. Sua motivação para fazer bonecas de pano, e particularmente negras, veio porque sua filha amava bonecas negras e tinha dificuldade de encontrar para comprar, além de que quando encontrava, eram bonecas mal-acabadas, sem muita qualidade. Por conta disso, Vilma, começou a consertar bonecas de pano e aprendeu a fazer para satisfazer o desejo da filha e, organicamente, de outras crianças que gostariam de ter bonecas negras ou melhor que as melhor representasse. Atualmente faz fantoches e dedoches de bonecas e bichos, expondo seu trabalho na feira hippie de Ipanema. Afirma que toda sua independência financeira foi fruto do seu trabalho, por isso tem muito orgulho e ama fazer que faz, principalmente criar esses bonecos e bonecas.

Viviane de Oliveira

Viviane de Oliveira
Cultivo Interno

Viviane de Oliveira é palestrante, consultora, terapeuta holística, mestre em Chi Kung, acupunturista, hipnoterapeuta e taróloga. Criou o Cultivo Interno, comunidade de bem-estar e longevidade para compartilhar seus conhecimentos. Desenvolve eventos, encontros de meditação, imersões para autoconhecimento e oferece atendimento terapêuticos, oferecendo caminhos de plenitude para pessoas de todas as idades.

Yana Toro

Yana Toro
artesã

Yana Toro tem 62 anos e é moradora da zona oeste do Rio de Janeiro. Apaixonada por atividade manuais, começou a confeccionar artesanato há cinco anos realizando enfeites e adornos de natal. Movida pelo sentimento de criar e desenvolver técnicas diferentes, começou a investir em cursos apostando no ramo de bijuterias. Assim, começou a produzir bijus e biojoias e atualmente expõe seu trabalho em circuitos e feiras. Procura sempre interagir com as companheiras empreendedoras porque afirma que “são pessoas maravilhosas e ricas de conhecimento”. A sua filosofia com o seu empreendimento é “serem naturais, mas com sofisticação”.

Zahira

Zahira

Paloma Dottori é a criadora da marca Zahira. Bolsista da PUC-RIO, sempre foi uma pessoa com valores muito fortes, voltando seus sentimentos para o bem-estar da sociedade e para cidadania. Começou com trabalhos voluntários em sua escola e em paralelo, conheceu uma comunidade quilombola, que a motivou a seguir em frente em busca por valores que não são mensuráveis, como: cultura, família e natureza. Encontrou vestígios ricos de uma cultura brasileira e com isso teve uma visão de compartilhar a beleza das suas próprias tradições: indígena, africana, italiana e alemã. Entendeu que precisava partilhar dos valores familiares que levava dentro de si, como também da mágica memória dos momentos que viveu. A Zahira é um negócio social brasileiro que se importa com empoderamento econômico de mulheres artesãs em contextos de vulnerabilidade social por meio de capacitação, financiamento, criação e venda. Paola e sua sócia, Rose Borges, compartilham da crença da importância da capacitação e da parceria com mulheres que estejam em situação de vulnerabilidade social, para geração de trabalho e renda. Colaboram com costureiras, usando suas habilidades tradicionais e artesanais para criar produtos modernos, exclusivos e sustentáveis.

 

O Festival reunirá 150 empreendedoras selecionadas por edital. Os diversos produtos e serviços oferecidos estarão dispostos em um caminho na Praça Mauá, que vai do MAR até o Museu do Amanhã.